Resumão Tóquio 2020 - Dia 2 - Surto Olímpico

Pesquisar:

Arquivo do blog

Últimas Notícias

Resumão Tóquio 2020 - Dia 2

Compartilhe

 

O segundo dia da Olimpíada de Tóquio foi ainda mais insano do que o primeiro! Além das medalhas do Brasil, tivemos muitos brasileiros competindo e fazendo bonito. Favoritos conquistaram o ouro em esportes como tiro com arco e levantamento de pesos,  mas surpresas também rolaram em modalidades como ciclismo estrada e basquete. Confira tudo no resumão abaixo:


Os grupos onde os brasileiros estão no torneio de simples fizeram as suas primeiras partidas. No grupo I do masculino, onde está Ygor Coelho, Tsuneyama Kanta (JPN) venceu George Paul (MRI) por 2 sets a 0. Ygor estreia contra o atleta das Ilhas Maurício nesta segunda (26). 

No feminino, Beiwen Zhang (USA) venceu Marija Ulitina (UKR) por 2 sets a 0 no grupo H, onde está a brasileira Fabiana da Silva, que vai estrear contra a ucraniana também na segunda.


Pelo Grupo A do masculino, a República Tcheca estreou vencendo o Irã por 84 a 78. Já os Estados Unidos perdeu para França, por 83 a 76, segunda derrotas seguidas em competições - os franceses venceram os estadunidenses também nas quartas de final do Mundial de 2019. 

Pelo Grupo B, a Alemanha - algoz do Brasil no Pré-olímpico - foi derrotada pela Itália por 92 a 82. Já a Austrália, confirmou o favoritismo e venceu a Nigéria por 84 a 67. 



Mais um dia no basquete 3x3 com vitórias para os favoritos. No torneio masculino quem domina é a Sérvia, que hoje venceu a Polônia por 15 a 12 e a Bélgica por 21 a 14, em partida que terminou antes do tempo acabar.

Os sérvios, que possuem os melhores do mundo na modalidade, seguem invictos, com 4 jogos e 4 vitórias. No feminino o domínio é das estadunidenses, que venceram as francesas e as mongóis e lideram a competição com invencibilidade mantida.

Às 22:15, Japão e China abrem o dia de competições deste terceiro dia de 3x3. Cada equipe disputará mais três partidas preliminares.


O Brasil estreou no boxe com Wanderson Oliveira, que venceu tranquilamente Wessan Salamana da Equipe Olímpica de Refugiados por 5 a 0 - decisão por pontos - na categoria até 63kg. Agora o brasileiro volta ao ringue no dia 31, enfrentando Dzmitry Asanau, de Belarus. Nesta segunda (26), quem estreia é a brasileira Jucielen Romeu, que enfrenta Kariss Artingstall (GBR)
 

Foto: Jonne Roriz/COB
Ana Sátila mandou bem na fase eliminatória do K1 feminino e avançou à semifinal com o sétimo melhor tempo da classificação geral. A paranaense volta a competir na madrugada de terça-feira, pela semi e final da prova. A primeira colocada geral foi a australiana Jessica Fox, com 98.46. No C1 masculino, 15 canoístas avançaram para as semifinais, com o mais rápido sendo Matej Benuz (SVK).


Pouco cotada ao pódio, Anna Kiesenhofer, da Áustria surpreendeu as favoritas e venceu a prova do ciclismo estrada feminina em Tóquio. A neerlandesa Annemiek van Vleuten ficou com a prata e o bronze com a italiana Elisa Borghini. Anna completou a prova em 3:52:45. van Vleuten proporcionou um momento 'vergonha alheia' ao se aproximar da linha de chegada e sem saber que Kiesenhofer já tinha chegado em primeiro, comemorou como se tivesse ganho uma medalha de ouro



O segundo dia de disputas da esgrima coroou mais dois campeões olímpicos: Lee Kiefer (USA) faturou o ouro do florete ao desbancar Inna Deriglazova (ROC), campeã olímpica na Rio 2016. A medalha de bronze ficou com Larisa Korobeynikova (ROC).  Já na espada masculina, espada, Romain Cannone (FRA) ficou com o ouro ao derrotar o húngaro Gergely Siklósi pelo placar de 15 a 10. Já a medalha de bronze ficou para o ucraniano Igor Reizlin.


O Brasil acabou decepcionando e apenas empatou em 0 a 0 com a Costa do Marfim, não conseguindo a classificação antecipada para a próxima fase. A seleção olímpica ainda perdeu Douglas Luiz para o jogo contra a Arábia Saudita, já que ele foi expulso contra os africanos e terá que cumprir suspensão. Também pelo grupo do Brasil, o D, a Alemanha venceu a Arábia Saudita por 3 a 2.

No grupo A, a França se recuperou da derrota na primeira rodada e venceu a África do Sul por 4 a 3. no mesmo grupo, o Japão venceu o México por 2 a 1 e encaminhou sua classificação para as quartas de final. 

No grupo B, Honduras venceu Nova Zelândia por 3 a 2 e a Coreia do Sul goleou a Romênia por 4 a 0, embolando o grupo, já que todos tem 3 pontos em dois jogos. No grupo C, a Espanha venceu a Austrália por 1 a 0 e a Argentina venceu o Egito pelo mesmo placar. 

Foto: Julio Cesar Guimarães/COB
Rebeca Andrade brilhou na fase de qualificação se classificando em segundo lugar para a final do individual geral, em terceiro no salto sobre a mesa e em quarto no solo. Flávia Saraiva avançou para a final da trave, mas sofreu uma lesão no solo e não fez os outros aparelhos. Agora, ela foca na sua recuperação antes da final.

Simone Biles teve problemas no solo e na trave, mas conseguiu avançar para todas as finais, ficando em primeiro no individual geral e no salto. Já na competição por equipes, o Comitê Olímpico Russo aproveitou as falhas dos Estados Unidos e terminou na primeira posição.

A seleção brasileira feminina estreiou fazendo um jogo duro contra as atuais campeãs olímpicas - as russas, competindo sob a bandeira do Comitê Olímpico Russo - empatando o jogo por 24 a 24.  Pelo grupo do Brasil (B), a Suécia superou a Espanha por 31 a 24  e a França venceu a Hungria por 30 a 29.

No grupo A, só atropelos:  Atuais campeãs mundiais, os Países baixos derrotaram o Japão por 32 a 21, Montenegro venceu Angola por 33 a 22 e a Noruega superou a Coreia do Sul por 39 a 27.

Na competição feminina, a Alemanha venceu a a atual campeã olímpica Grã-Bretanha por 2 a 1,  no único jogo do dia do Grupo A. Pelo grupo B, vimos a China vencendo o Japão por 4 a 3,  a Austrália venceu a Espanha por 3 a 1 e a Nova Zelândia surpreendeu de atropelou a Argentina por 3 a 0.

No masculino, a Austrália goleou a Índia por 7 a 1, a Nova Zelândia derrotou a Espanha por 4 a 3 e a Argentina venceu o Japão por 2 a 1, em todas as partidas válidas no grupo A. No único jogo do grupo B, os Países Baixos venceram a África do Sul por 5 a 3.


Foto: @tokyo2020

O Brasil conquistou sua segunda medalha em Tóquio-2020 no judô, com o bronze de Daniel Cargnin. O meio-leve foi ao pódio após vencer quatro lutas e perder na semifinal. Ele conseguiu uma heroica vitória nas quartas contra o italiano Manuel Lombardo e foi derrotado pelo japonês Abe Hifumi, que conquistou o ouro. Agora, o Brasil tem 23 medalhas olímpicas no judô e mantém a escrita de ir ao pódio na modalidade em todas as edições desde Los Angeles-1984. 

Outra brasileira a competir no dia, Larissa Pimenta venceu uma luta mas foi derrotada na segunda fase, pela japonesa Abe Uta, irmã de Hafumi. Abe é bicampeã mundial e confirmou seu favoritismo em Tóquio, conquistando o ouro, com Amandine Buchard, da França, ficando com a prata.  

Só deu China no levantamento de pesos neste domingo (25). Na categoria 61kg, Li Fabin levou o ouro com direito a recorde olímpico -  313kg. Eko Irawan (INA) e Igor Son (KAZ) completaram o pódio. Nos 67kg, Chen Lijun foi ouro com 332 kg e recorde olímpico. Luis Javier Mosquera (COL) quase surpreende, mas ficou com a prata com 331kg. Mirko Zanni (ITA) ficou com o bronze.

A grande surpresa das finais na manhã no Japão (noite no Brasil) foi o ouro de Ahmed Hafnoui (TUN), de apenas 18 anos, nos 400m livre. Esta foi apenas a quinta medalha de ouro da história da Tunísia e Hafnoui se coloca na história olímpica do país Oussama Mellouli, campeão olímpico em Pequim-2008 e Londres-2012, nos 1500 m livres e na maratona aquática de 10km, respectivamente.

Outras medalhas conquistadas no período da manhã foram de Ohashi Yui (JPN) e Chase Kalisz (USA)  nos 400m medley feminino e masculino, respectivamente e a Austrália no revezamento 4x100m livre,  e com direito a recorde mundial 

Já na sessão noturna (no Japão), o revezamento 4x100 metros livre masculino do Brasil passou para a final com o quinto tempo (3:12.59) das eliminatórias e está na briga por medalha. Já Fernando Scheffer está entre os 16 classificados para as semifinais dos 200 metros livre com o segundo melhor tempo (1:45.05) e nos 100 metros costas, Guilherme Guido se classificou com o 11º melhor tempo e também disputa uma semifinal, com 53.65. 

E tivemos quebra de recorde olímpicos nas eliminatórias, com Tatjana Schoenmaker, da África do Sul,  com 1:04:82 nos 100m peito.

 
O polo aquático teve a estreia dos homens. A Itália venceu por 21 a 2 a África do Sul, o placar mais elástico do grupo A, que ainda teve os japoneses apertando diante dos norte-americanos e Grécia vencendo a Hungria por um gol, em 10 a 9.

O grupo B viu Montenegro, Espanha e Croácia saírem vitoriosos. Os croatas, favoritos ao ouro, derrotaram o Cazaquistão por 23 a 7, enquanto Montenegro venceu a Austrália por 15 a 10. O confronto do dia foi entre Espanha e Sérvia, outros dois favoritos à medalha em Tóquio. O final da partida foi feliz para os espanhóis, com vitória por um gol (13 a 12) em cima dos atuais campeões olímpicos.

Depois de ficar em terceiro nas preliminares, Lucas Verthein chegou na segunda colocação em sua bateria de quartas de final e avançou às semifinais do single skiff masculino. Ele ficou atrás somente do alemâo Olivier Zeidler, atual campeão mundial. Atleta do Botafogo, o carioca voltará a competir na terça-feira buscando um lugar na final. Este é o melhor resultado de um brasileiro na modalidade desde 2004. 

Destaque também para a definição dos finalistas do skiff duplo com os barcos de Romênia, Lituânia, Nova Zelândia, Países Baixos, Canadá e Estados Unidos no feminino e França, Grã Bretanha, Polônia, Países Baixos, Polônia e Suíça na grande decisão, no dia 28.

Shi Tingmao e Wang Han (CHN) venceram com folga a prova do trampolim sincronizado de 3 metros feminino, dando início ao domínio do país na modalidade - onde a China é favorita a maioria das provas.  Foram 26 pontos de vantagem para a dupla canadense de Jennifer Abel e Melissa Bealieu (CAN). Lena Henschel e Tina Punzel (GER) ficou com o bronze.

A primeira medalha olímpica do Brasil em Tóquio 2020 veio do skate street masculino. Kelvin Hoefler fez história neste domingo (25), ao faturar a prata na primeira final da história da modalidade no megaevento. O brasileiro somou 36,15 pontos, ficando 1,03 atrás do campeão, o japonês Horigome Yuto.

Hoefler chegou a liderar a prova, após as duas voltas de 45 segundos, mas perdeu a primeira colocação para o skatista da casa, que tirou quatro notas acima de 9. A medalha de prata foi garantida pelo brasileiro após um belo caballerial nose slide reverse, que rendeu uma nota 9,34, sua maior no torneio. 

O bronze ficou com o estadunidense Jagger Eaton, que teve 35,35 como soma de suas quatro melhores notas.

Em mais um dia de disputas do softbol, os Estados Unidos venceu a Austrália por 2 a 1 e se manteve invicto na competição. Outra seleção invicta é a do Japão, que venceu o Canadá por 1 a 0. Já o México venceu a primeira na competição, 5 a 0 em cima da Itália. 

Os surfistas brasileiros foram muito bem venceram suas baterias na estreia do surfe olímpico. Ítalo Ferreira e Gabriel Medina, no masculino e Tatiana Weston-Webb e Silvana Lima, no feminino, avançaram direto  para a primeira fase e só voltam para o mar no domingo (25).

Na segunda fase (repescagem), os destaques foram John John Florence (USA) e Julian Wilson (AUS) conseguindo escapar de uma eliminação precoce e subindo para a próxima fase

Foto: twitter tokyo2020

Uzbequistão e Estados Unidos foram os grandes vencedores do dia no Taekwondo. Ulugbek Rashitov venceu na categoria até 68kg. Ele superou Bradly Sinden (GBR) e garantiu o primeiro ouro para seu país Os dois bronzes foram para Hakan Recber (TUR) - que derrotou Edival 'Netinho' Marques na primeira rodada - e Zhao Shuai (CHN).

Na categoria feminina de até 57kg, Anastasija Zolotic (USA) venceu Tatiana Kudashova (ROC).  Hatice Ilgun (TUR) e Lo Chia-Ling (TPE) ganharam os bronzes em disputa. Na noite de domingo (25) para segunda (26) acontecerão as disputas das categorias até 67kg feminino e até 80kg masculino, com os brasileiros Milena Titoneli e Ícaro Miguel.


Em um dia sem brasileiros em quadra, o maior destaque do dia, foi a eliminação precoce de Ashley Barty (AUS) para Sara Sorribes Tormo (ESP). Outras favoritas venceram fácil, como Osaka Naomi (JPN) e Petra Kvitova (CZE). Já entre os homens, Stefano Tsitsipas (GRE) e Alexander Zverev (GER) também estrearam com vitórias. 

Já o bicampeão olímpico Andy Murray desistiu da chave de simples e vai focar apenas nas duplas onde faz parceria com Joe Salisbury.

Gustavo Tsuboi estreou com vitória no torneio individual. Ele bateu o romeno Ovidiu Ionescu por 4 a1 (11-6, 9-11, 13-11, 11-9, 11-8) e avançou à terceira rodada. Bruna Takahashi, por sua vez, foi derrotada para francesa top-100 do mundo e deu adeus ao torneio ainda na estreia. Hugo Calderano só estreia na noite de segunda-feira.


A Coreia do Sul conquistou o seu segundo ouro no tiro com arco, ao vencer a competição por equipes feminina - o primeiro ouro foi na competição de duplas mistas. O trio formado por An San, Jang Minhee e Kang Chae-young venceu fácil o Comitê Olímpico Russo por 6 a 0. A medalha de bronze ficou com a Alemanha, que derrotou Belarus por 5 a 1. 

O primeiro ouro do Comitê Olímpico Russo veio no tiro esportivo. Vitalina Batsarashkina conquistou neste domingo (25) a medalha de ouro da prova feminina da pistola de ar 10 metros, com direito a recorde olímpico da prova. Vitalina foi a primeira atleta russa a ouvir a sinfonia  de Tchaikovsky no lugar do hino russo, por conta das punições sofridas pela Rússia. O pódio da prova foi completada pela búlgara Antoaneta Kostadinova e a chinesa Jiang Ranxin.

Com direito a recorde olímpico, o atirador estadunidense William Shaner, de apenas 20 anos, conquistou o ouro na carabina de ar 10m masculina. Com 251.6, ele deixou para trás dois chineses, Sheng Lihao e Yang Haoran, prata e bronze, respectivamente. 


Na estreia da vela tivemos o início das regatas da Laser, Laser Radial e RS:X. Patrícia Freitas esteve no RS:X feminino e, após três regatas, teve como melhor resultado em regatas um quarto lugar e terminou na 11º na classificação geral. Charline Picon (FRA) lidera a classe com 9 pontos perdidos. No masculino, Mateus Lanz Sanz (SUI) lidera com 11 pontos perdidos. 


Robert Scheidt oscilou no início da sua sétima trajetória olímpica. Na única regata disputada no dia, o brasileiro ficou em décimo primeiro. Jean Baptiste Bernaz (FRA) é o líder da Laser até o momento



Também foi dia de estreia do vôlei feminino em Tóquio. Itália e EUA venceram russas e argentinas, respectivamente, enquanto a surpresa foi a derrota das chinesas por 3 sets a 0 para as turcas. Todas essas partidas referentes ao grupo B do torneio.

No grupo A, o Brasil passou fácil pela Coreia do Sul, com sets de 21/11, 25/22 e 25/19. A Sérvia triunfou contra a República Dominicana e o Japão, diante do Quênia. Todas as partidas do dia foram em sets diretos.


Foto:FIVB
Foi dia de mais uma estreia brasileira no vôlei de praia. Evandro e Bruno Schmidt derrotaram os primos chilenos Grimalt por 2 sets a 1, em parciais de 21/15, 16/21 e 15/12. A partida foi válida pelo grupo E, o mesmo em que Fijalek e Bryl, da Polônia, venceram os marroquinos Abicha e Elgraoui por 2 a 0.

As vice-campeãs mundiais, Alix/April fizeram 2 sets a 0 em Xue e Wang, da China, enquanto Artacho del Solar e Clancy (AUS) passaram tranquilamente pela equipe cubana Lidy e Leila.

Cherif e Ahmed (QAT), um dos favoritos ao ouro em Tóquio, que também começaram com resultado favorável. A vitória foi sob Heidrich e Gerson, da Suíça. Gibb/Bourne, dos Estados Unidos, venceram os italianos Rossi e Carambula, em estreia dessa dupla no cenário mundial, já que Bourne viajou às pressas após resultado positivo de Covid-19 em Crabb. 

A “decepção” do dia ficou por Thole e Wickler, alemães vice-campeões mundiais que perderam por 2 sets a 1 para os atuais medalhistas de prata na Rio-2016, Nicolai e Lupo.


Confira como está o quadro de medalhas após 2 dias de competições:


Nenhum comentário:

Postar um comentário