"Olimpíada dos Sonhos" - Martine e Kahena são bicampeãs, Flavinha no pódio e Zanetti completa coleção em 10º dia - Surto Olimpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

"Olimpíada dos Sonhos" - Martine e Kahena são bicampeãs, Flavinha no pódio e Zanetti completa coleção em 10º dia

Compartilhe
Vela do Brasil garante mais um ouro em Jogos Olímpicos, na categoria 49er feminina, com Martine Grael e Kahena Kunze

Com colaboração de Wesley Felix


Vamos fazer um dia-a-dia dos Jogos Olímpicos de 2020 como se eles tivessem acontecendo agora (estamos um dia atrasado, ou seja falando do dia de ontem). Ou seja, não tem coronavírus (ou teve, mas acabou rápido)! Mas como é para fantasiar, por que não sonhar alto? Vamos ter uma tendência declarada a pensar nos melhores resultados possíveis - e imaginários - para os brasileiros. 



Antes de mais nada, é uma brincadeira fantasiosa, mas as escolhas para o "Time Brasil" e os resultados são baseados nos verdadeiros potenciais dos atletas e em resultados alcançados em outras competições. Ah e para homenagear os japoneses que estão recebendo tão bem a equipe do Surto Olímpico, os nomes japoneses serão escritos da maneira correta (sobrenome antes do nome).



Venham conosco e esperamos que tudo torne-se realidade em 2021!


Relembre aqui o Dia 1Dia 2Dia 3Dia 4Dia 5Dia 6Dia 7Dia 8 e Dia 9 da Olimpíada dos Sonhos.


3 de agosto de 2020


A segunda segunda-feira dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 viu o Time Brasil levar sua nona medalha de ouro, mas curiosamente o primeiro bicampeonato olímpico Rio-Tóquio. Kahena Kunze e Martine Grael alcançaram um feito que apenas Adhemar Ferreira da Silva (1952-1956) e o Vôlei Feminino (2008-2012) conseguiram. Com Robson Conceição profissional e Rafaela Silva levando a bronze, Thiago Braz - amanhã em ação no salto com vara -, o futebol e vôlei masculino seguem com chances de se unir ao seleto grupo, além de Alison e Bruno Schmidt que estão em Tóquio com parceiros diferentes.

O dia foi ótimo para o Brasil no Centro de Ginástica Ariake. Não só Arthur Zanetti conquistou um bronze, completando sua coleção de três medalhas distintas nas argolas (ouro em 2012 e prata em 2016), quanto um dos principais nomes da ginástica feminina, Flávia Saraiva finalmente subiu ao pódio olímpico, onde já deveria ter estado há muito tempo.

Duas grandes atletas também subiram hoje ao pódio: Aline Silva voltou ao Centro de Convenções Makuhari Messe para a disputa de bronze e faturou uma medalha inédita no wrestling brasileiro. E no Estádio Olímpico, Núbia Soares recebeu seu bronze conquistado na noite de ontem.

Os medalhistas olímpicos Isaquias Queiroz e Erlon de Souza estrearam na Raia Sea Forest, o futebol feminino se garantiu na final, a equipe masculina de tênis de mesa surpreendeu e foi para as semis, as primeiras duplas brasileiras no vôlei de praia se classificaram para as quartas, assim como o basquete masculino, handebol feminino e polo aquático masculino.

Mas o assunto do dia em Tóquio foi a desqualificação do time masculino da Rússia que tinha passado invicto de primeira fase e mudou tudo no torneio de vôlei.

O Brasil chegou ao fim desta segunda-feira, 10º dia oficial de competições com 49 medalhas garantidas. São 9 ouros, 15 pratas, 21 bronzes e outras 4 medalhas garantidas, entre finais e semifinais do futebol e boxe.

Confira todos os detalhes abaixo!!

Vela dourada
Era questão de confirmar, mas as chances delas não saírem com o ouro eram mínimas. Um sétimo lugar bastava. Martine Grael e Kahena Kunze cruzaram em terceiro lugar a medal race e partiram para o abraço, comemorando o primeiro bicampeonato de uma dupla na história olímpica brasileira - e apenas o terceiro bicampeonato consecutivo, depois de Adhemar Ferreira da Silva em 1952-1956 e vôlei feminino, 2008-12. 

O ciclo olímpico delas foi atípico, demorando a começar. Depois de um ano sabático em 2017, Grael e Kunze voltaram aos poucos e venceram praticamente todas competições que disputaram, inclusive as do Porto de Enoshima, mostrando uma regularidade impressionante já nos fazendo sonhar com um tricampeonato em Paris. 

Ginástica Artística
Na final das argolas, Arthur Zanetti foi o responsável por abrir os trabalhos e fez bonito. Com uma atuação bonita e sem erros, ele conseguiu 14.800 e esperou os seus adversários. Com erros de İbrahim Çolak, turco campeão mundial em 2019, Eleftherios Petrounias, grego campeão olímpico na Rio 2016, e Marco Lodadio, italiano, vice mundial, a medalha parecia mais real e até o ouro  era provável.

Arthur Zanetti comemora sua terceira medalha olímpica nas argolas - Foto: Reuters/Marko Djurica

Mas aí, os espectadores presentes no Centro de Ginástica Ariake testemunharam um renascimento olímpico. Com uma apresentação perfeita, o francês Samir Aït Saïd, bronze mundial, fez uma apresentação perfeita e cravou 15.000, para apagar de vez o trauma da Rio 2016. 

O russo Denis Ablyazin, bronze no Rio, foi o sétimo a se apresentar e seus 14.766 decretaram a medalha a Zanetti. Bastava definir a cor. O alemão Nick Klessing não era um dos favoritos, mas um surpreendente 14.825 o fizeram ultrapassar o brasileiro e ficar com a prata. A Zanetti, veio a terceira medalha, a única cor que ele ainda não tinha: o bronze.

Em seguida, o solo feminino foi a vez de nova consagração de Simone Biles, que após a prata no salto e bronze nas barras assimétricas, afastou qualquer zebra para levar o ouro, em dobradinha norte-americana. Flávia Saraiva fez uma belíssima apresentação, encantando todo o público e levando o bronze, depois de ter ficado no quase na Rio 2016.


Flavinha Saraiva encanta juízes e público em Tóquio 2020 e leva bronze - Foto: Luis Robayo / AFP

Amanhã, acontece o último dia da ginástica artística, na qual Arthur Nory tentará repetir seu título mundial na barra fixa e Rebeca Andrade e Flávia Saraiva participam da final da trave.


Wrestling ganha medalha inédita
Aline Silva voltou ao Makuhari Messe em busca da primeira medalha da história do wrestling brasileiro, após a belíssima campanha ontem que a levou até a semifinal, onde caiu para a japonesa Minagawa Hiroe, que hoje levou o ouro olímpico sobre a norte-americana Adeline Gray, atual campeã na Rio 2016 e cinco vezes campeã mundial.

No caminho até o bronze, um confronto com a xará alemã Aline Rotter-Focken. As duas passaram os primeiros minutos se observando, ambas recebendo seguidos avisos de passividade. No primeiro minuto depois do intervalo, Silva saiu atrás ao ser levada para fora do círculo, mas conseguiu agarrar no pescoço do adversária e girar para liderar por 4 a 1. Nem um ataque da adversária nos instantes finais alterou o resultado e Aline levou o bronze com 4 a 3 fazendo história para o esporte nacional.

Aline Silva em ação a caminho da primeira medalha olímpica do wrestling brasileiro - Foto: Jovem Pan

Vôlei de Praia inicia mata-mata com vitórias brasileiras
Alison e Álvaro Filho se recuperaram bem da derrota para a dupla norte-americana Tri Bourne e Trevor Crabb no domingo. Agora, não pode mais perder e os brasileiros venceram com superioridade os tailandeses Inkiew Nuttanon e Padsawud Sedtawat por 21-4 e 21-16.

Ágatha e Duda também estão nas quartas, após vitória difícil diante de Joana Heidrich e Anouk Vergé-Dépré por 2 sets a 1, com uma virada impressionante no terceiro set. As parciais finais foram de 19-21, 21-15 e 20-18, sendo que a dupla suíça chegou a liderar por 13 a 8 e desperdiçou 5 match-points, três deles em 14-11. Agora elas enfrentam outra dupla suíça, Nina Betschart e Tanja Hüberli, que ficaram em quarto lugar no Mundial de 2019.


Basquete masculino tem show de Georginho e escapa dos EUA
Após passar boa parte do jogo atrás no placar (18-20, 37-44, 57-62), o Brasil se recuperou no último quarto para uma virada impressionante dante da Grécia. Destaque para a atuação de Georginho, com um triplo-duplo: foram 20 pontos, 12 rebotes e 10 passes.

Georginho é destaque brasileiro em vitória sobre a Grécia - Foto: SPFC

O Brasil termina em terceiro lugar do grupo B, fugindo do Dream Team americano, mas enfrentando a não-menos poderosa seleção da França nas quartas-de-final.


Futebol feminino vai à final
Parecia uma reedição da semifinal da Rio 2016. Brasil e Suécia ficaram no 0 a 0 no tempo regulamentar e na prorrogação e a decisão foi para os pênaltis. Aí que o roteiro mudou e com um belíssimo chute da nossa porta-bandeira Formiga, o Brasil selou uma vitória por 4 a 2, classificando-se para a final do torneio. A seleção enfrenta os EUA, em reedição das finais de Atenas 2004 e Pequim 2008.


Vôlei feminino passeia e Rússia é desqualificada do masculino
O time feminino terminou sua primeira fase com uma vitória tranquila por 3 sets a 0 sobre Quênia, parciais de 25-19, 25-19 e 25-21. Zé Roberto usou principalmente o time reserva, e apesar dos sets apertados, o Brasil sempre esteve na frente de forma confortável.

Brasil terminou em segundo lugar e agora enfrenta novamente na fase de quartas-de-final a China, para quem perdeu em cinco sets na Rio 2016.

Apesar do dia ser reservado ao vôlei feminino, o que agitou mesmo o mundo do vôlei nos Jogos Olímpicos foi a descoberta de casos de doping na véspera em cinco jogadores do time russo, que apesar disso, ainda jogou sua última partida - sem os jogadores pegos - enquanto reuniões decidiam o que aconteceria. 

Nesta segunda-feira, foi oficializado que o time da Rússia está desclassificado dos Jogos Olímpicos. Desta forma, o Brasil que havia perdido para Rússia por 3 a 0, passa como líder do grupo, perdendo apenas um set cada para França e Argentina. Desta forma, o adversário nas quartas-de-final muda e o Brasil enfrenta a Venezuela nas quartas-de-final amanhã. Com o resultado, a França, que havia terminado originalmente em quinto lugar no grupo ganha uma sobrevida e desafia a Polônia nas quartas.


Handebol feminino termina invicto
O time brasileiro segue com todo vapor e venceu a Sérvia por 22 a 18, passando como líder do grupo B, com 9 pontos. Na quarta-feira, o Brasil enfrenta o Japão, esperando passar de fase após duas quedas seguidas nessa fase.


Tênis de Mesa vê Calderano, Jouti e Tsuboi na briga por medalhas
A equipe masculina de tênis de mesa classificou-se para as semifinais com uma virada sobre Coreia do Sul, após estar perdendo por 2 a 0.

Gustavo Tsuboi (44º do ranking) perdeu o primeiro jogo contra Jeoung Youngsik (14º), por 3 games a 0, parciais de 11-9, 11-8, 11-5. Em seguida, Hugo Calderano (6º e medalhista de prata no individual) foi surpreendido pelo 18º do ranking Jang Woojin, por 3 a 1 (15-13, 11-8, 11-13, 11-4).

Parecia que tudo estava perdido, quando Tsuboi e Eric Jouti, dupla número 22 do mundo, venceu por 3 a 2 a segunda melhor dupla do ranking, Jeoung e Lee Sangsu, parciais de 11-9, 7-11, 5-11, 11-8, 11-4.

A vitória parece ter dado nova cara aos brasileiros e Hugo Calderano passou por Jang, por 3 a 0, com fáceis 11-4, 11-5, 11-3. A decisão ficou com Gustavo Tsuboi que saiu perdendo mas buscou uma improvável vitória por 3 a 2 diante de Lee Sangsu, número 22 do ranking individual, com parciais de 7-11, 11-9, 7-11, 11-6, 11-5. 

Tsuboi comemora ao definir vaga na semi contra favorito sul-coreano - Foto: Abelardo Mendes Jr/ rededoesporte.gov.br

Calderano, Jouti e Tsuboi voltam ao Ginásio Metropolitano de Tóquio na quarta-feira para enfrentar o Japão, medalhistas de prata na Rio 2016. O time da casa é formado pelo campeão olímpico em individual, Harimoto Tomokazu (4º do ranking), Niwa Koki (13º) e Mizutani Jun (17º), este último medalhista de prata em duplas mistas.

O time feminino enfrentou hoje o Japão e chegou a surpreender, mas acabou perdendo por 3 a 1. O jogo começou com um choque, com a brasileira número 1 do ranking, Bruna Takahashi vencendo a japonesa Hirano Miu, 11ª melhor do mundo, por 3 games a 1 (11-9, 11-7, 6-11, 11-7). Em seguida, a segunda do ranking mundial, Ito Mima venceu Jessica Yamada por 3 games a 1 (11-8, 9-11, 11-5,11-5). 

No confronto de duplas, o Japão virou, com vitória de Ishikawa Kasumi e Hirano Miu sobre Yamada e Caroline Kumahara por 3 games a 0, parciais de 11-4, 11-6, 11-4. E no confronto decisivo, Takahashi venceu o primeiro game mas acabou caindo por 3 a 2, com parciais de 7-11, 11-6, 11-4, 9-11, 11-3.

Polo Aquático vê Brasil jogando de igual para igual contra potência europeia
No complemento da fase classificatória do polo aquático, o Brasil jogou de igual para igual contra a Hungria, mas perdeu por 5 a 3. O time termina em quarto lugar no grupo e enfrenta os EUA nas quartas de final.


Atletismo
Apesar dos brasileiros não terem conquistado nenhuma medalha nesta segunda-feira, ótimos resultados foram alcançados, com quatro top-10 e várias vagas nas finais. Pela manhã, Nubia Soares recebeu a medalha conquistada na noite desta segunda-feira.

O maior destaque foi para Fernanda Martins que bateu o recorde sul-americano na final do lançamento de disco. A marca de 66,03m a deixou perto do bronze, na quarta colocação geral.

Aleksandro Melo conseguiu 8,22m, superando sua melhor marca (8,19m) alcançada em 2018 para completar em quinto lugar no salto em distância. Paulo Sergio Oliveira também alcançou novo recorde pessoal, com 8,15m (a antiga marca era de 2014) e terminou em sétimo lugar. Já Tiago da Silva conseguiu 8,14m, uma nova melhor marca da carreira, o suficiente para lhe colocar em nono.

Alexsandro é 5º no salto em distância e volta amanhã ao Estádio Olímpico para o salto triplo -  Foto: Ricardo Bufolin/CBAt

Nos 3.000 metros com obstáculos masculino, Altobeli Santos da Silva correu a 8:19.77 para terminar em 13º lugar. Não só ele fez o melhor tempo de sua carreira, mas foi o melhor tempo sul-americano da década, e melhor desde os 8:14.41, por Wander do Prado Mora, de 1995.

Vitória Rosa se classificou para a final dos 200m, com a melhor marca de sua carreira, 22.55, que a deixou com o oitavo melhor tempo das semis. Lorraine Martins também fez o melhor tempo de sua carreira, para correr em 22.98 e a 15ª posição geral. Na primeira rodada, Vitória Rosa e Lorraine Martins haviam passado para a segunda fase com tranquilidade, em segundo lugar de suas respectivas baterias. 

Nas eliminatórias da manhã, dois brasileiros se garantiram na final do lançamento de martelo. Allan Wolski lançou para 75,29, melhor marca de sua carreira, e fez a 9ª melhor marca, enquanto Wagner José Alberto Domingos foi 11º, com 74,40. Alencar Chagas Pereira lançou para 72,72 , novo recorde pessoal, mas terminou em 20º lugar. Classificada pelo ranking no salto com vara, Juliana Campos aproveitou bem a chance para saltar pela primeira vez na vida 4,60m e classificar-se à final.

Nas semifinais dos 400m rasos masculino, Anderson Freitas Henriques e Lucas Carvalho fizeram os melhores tempos de suas carreiras, mas ainda assim terminaram apenas em 10º e 12º lugar, com os tempos de 44.92 e 45.10. Jéssica Moreira melhorou ainda mais o seu recorde brasileiro batido ontem, para correr os 400m com barreiras a 55.79. O tempo a deixou em 16º na classificação geral.


Vela
Teve mais brasileiro no Porto de Enoshima. Na 49er masculina, Marco Grael e Gabriel Borges, terminaram em sétimo lugar na medal race, e terminaram em quinto lugar geral. Eles estiveram em posição de pódio por muitas regatas e chegaram a estar com um bronze provisório durante a medal race. 

Foi um pódio inteiramente europeu: Tim Fischer e Fabian Graf levaram o ouro para Alemanha, a frente de Lucien Cujean e Sébastien Schneiter. Os franceses Émile Amoros Lucas Rual ficaram com bronze.

Na disputa do 470 masculino, Geison Dzioubanov e Gustavo Thiesen terminaram a competição em 12º lugar e estão fora da medal race. Mesmo destino de Fernanda Oliveira e Ana Luiza Barbachan, no 470 feminino que terminaram em 13º lugar.


Hipsimo encerra CCE com Brasil no top-8
O Brasil continuou subindo na colocação geral após um primeiro dia fraco. O último dia do Concurso Completo de Equitação (CCE) viu os cavaleiros e amazonas participarem dos saltos. Carlos Parro, Ruy Fonseca e Rafael Losano cometeram apenas uma falta na primeira volta, que definiu as medalhas na competição por equipes. O Brasil terminou em sexto lugar, melhorando em uma posição.

Já na rodada final reservada apenas aos 25 finalistas individuais, Carlos Parro terminou em 14º lugar, Ruy Fonseca, em 20º, e Rafael Losano, em 22º. Já na disputa de medalhas, o francês Astier Nicolas interrompeu o reinado do tricampeão olímpico Michael Jung (GER), que ainda levou o bronze.

Saltos Ornamentais- Brasil inicia campanha
O primeiro brasileiro nas disputas dos saltos ornamentais foi Ian Matos, no trampolim 3 metros. Com bons saltos e sem erros ele conseguiu a 16ª colocação, se classificando para as semifinais que serão disputadas na manhã da terça-feira, antes da final na parte da tarde.
cald

Levantamento de Pesos tem tem Brasil no top5, em domínio sul-americano
Jaqueline Ferreira conseguiu sua melhor marca, ao levantar 243kg na soma do arranque e arremesso da categoria 87kg feminina. Ela terminou em quinto lugar, em uma categoria em que a América do Sul é a principais forças. A prata ficou com a chilena María Fernanda Valdés, o bronze foi para a equatoriana Tamara Salazar, a quarta colocação é da venezuelana  Naryury Pérez. A "estranha no ninho" foi a norte-coreana Kim Un-ju, nova campeã olímpica.

Jaqueline Ferreira consegue melhor marca e termina em quinto - Foto: Dominic Ebenbichler/Reuters

Em Londres 2012, a halterofilista brasileira terminou a final em oitavo lugar, mas com as desclassificações por doping até o momento, ela já subiu até o quinto lugar. Este ano é o último para a testagem de amostragens coletadas em 2012 e os testes de Tóquio estarão em constantes análises até 2030.

Canoagem sprint começa com Brasil na velocidade máxima
Isaquias Queiroz e Erlon Souza iniciaram a campanha olímpica em busca do primeiro ouro olímpico da canoagem vencendo suas eliminatórias e se classificando diretamente para a semifinal do C-2 1000 metros.

Após vencer a primeira bateria eliminatória, Vagner Souta chegou em terceiro lugar em uma das quartas-de-final do K-1 1000m para se garantir na semifinal de amanhã.


Nado Artístico
No início das competições desta modalidade, Luisa Borges e Laura Micucci participaram da rotina livre e ficarão em 14º. Amanhã será disputada a rotina técnica e ao fim, as 12 melhores duplas irão à final. 

Relembre os dias anteriores:
Relembre as medalhas brasileiras:

9 OUROS

25/07- Nathalie Moellhausen - Esgrima (espada feminina)
26/07- Larissa Pimenta - Judô (52kg feminino)
27/07- Pamela Rosa - Skate (street feminino)
27/07- Ícaro Miguel - Taekwondo (80kg masculino)
28/07- Mayra Aguiar - Judô (78kg feminino)
31/07- Tatiana Weston-Webb - Surfe (feminino)
31/07- Ítalo Ferreira - Surfe (masculino)
02/08- Rebeca Andrade - Ginástica Artística (salto)
03/08- Martine Grael e Kahena Kunze - Vela (49er FX femino)


15 PRATAS

26/07- Kevin Hoefler - Skate (street masculino)
26/07- Edival ‘Netinho’ Pontes - Taekwondo (68kg masculino)
27/07- Rayssa Leal - Skate (street feminino)
27/07- Henrique Avancini - Ciclismo (mountain bike masculino)
27/07- Rafaela Silva - Judô (57kg feminino)
27/07- Marcelo Chierighini, Breno Correia, Pedro Spajari, Bruno Fratus, Marco Antonio Ferreira Junior (eliminatórias), André Luís Calvelo (eliminatórias) - Natação (4x100m livre masculino)
29/07- Rafael Macedo - Judô (90kg masculino)
30/07- Marcelo Chierighini - Natação (100m livre masculino)
30/07- Ana Sátila - Canoagem Slalom (C1 feminino)
31/07- Gabriel Medina - Surfe (masculino)
31/07- Hugo Calderano - Tênis de Mesa (individual masculino)
31/07- Bruno Soares e Marcelo Melo - Tênis (dupla masculina)
31/07- Rafael Silva - Judô (+100kg masculino)
01/08- Judô (equipes mista)
02/08- Bruno Fratus - Natação (50m livre)


21 BRONZES

25/07- Nathália Brigida - Judô (48kg feminino)
25/07- Eric Takabatake - Judô (60kg masculino)
26/07- Daniel Cargnin - Judô (66kg masculino)
27/07- Leticia Bufoni - Skate (Street feminino)
27/07- Milena Titoneli - Taekwondo (67kg feminino)
27/07- Guilherme Toldo - Esgrima (florete masculino)
28/07- Ana Sátila - Canoagem Slalom (K1 feminino)
28/07- Ketleyn Quadros - Judô (63kg feminino)
28/07- Fernando Scheffer - Natação (200m livre)
30/07- Rebeca Andrade - Ginástica Artística (individual geral feminino)
31/07- Anderson Ezequiel- Ciclismo (BMX Racing)
31/07- Silvana Lima - Surfe (feminino) 
31/07- Maria Suelen Altheman - Judô (+78kg feminino)
01/08- Vinicius Lanza - Natação (100m borboleta)
01/08- Marcus Vinicius D'Almeida - Tiro com Arco (individual masculino)
01/08- Patrícia Freitas - Vela (RS:X)
02/08- Robert Scheidt - Vela (Laser masculino)
02/08- Núbia Soares - Atletismo (salto triplo feminino)
03/08- Aline Soares - Wrestling (76kg livre feminino)
03/08- Flávia Saraiva - Ginástica Artística (solo feminino)
03/08- Arthur Zanetti - Ginástica Artística (argolas masculinas)


4 GARANTIDAS A ESPERA DE DEFINIÇÃO DA COR

29/07- Boxe - Jucielen Romeu (final da categoria 57kg feminina em 04/08)
31/07 - Boxe - Keno Machado (final da categoria 81kg masculino em 05/08)
02/08- Boxe - Herbert Conceição (semifinal da categoria 75kg masculino em 05/08)
03/08- Futebol - equipe feminina (final em 05/08)


Dia 11 do "Olimpíada dos Sonhos" -  Augusto Dutra é ouro com recorde mundial no salto com vara e Braz é bronze; Arthur Nory e Isaquias Queiroz/Erlon Souza são campeões no 11º dia

Foto: Danilo Borges, ME

Nenhum comentário:

Postar um comentário