"Olimpíada dos Sonhos" - 15º dia é o mais dourado da história do Brasil, com vôlei, praia, futebol e Isaquias em feito inédito - Surto Olimpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

"Olimpíada dos Sonhos" - 15º dia é o mais dourado da história do Brasil, com vôlei, praia, futebol e Isaquias em feito inédito

Compartilhe

Com colaboração de Wesley Felix

Vamos fazer um dia-a-dia dos Jogos Olímpicos de 2020 como se eles tivessem acontecendo agora (estamos com dois dias de atraso, ou seja, estamos falando do dia 15, último sábado olímpico). Ou seja, não tem coronavírus (ou teve, mas acabou rápido)! Mas como é para fantasiar, por que não sonhar alto? Vamos ter uma tendência declarada a pensar nos melhores resultados possíveis - e imaginários - para os brasileiros. 

Antes de mais nada, é uma brincadeira fantasiosa, mas as escolhas para o "Time Brasil" e os resultados são baseados nos verdadeiros potenciais dos atletas e em resultados alcançados em outras competições. Ah e para homenagear os japoneses que estão recebendo tão bem a equipe do Surto Olímpico, os nomes japoneses serão escritos da maneira correta (sobrenome antes do nome).

Venham conosco e esperamos que tudo torne-se realidade em 2021!

Relembre aqui o Dia 1Dia 2Dia 3Dia 4Dia 5Dia 6Dia 7Dia 8Dia 9Dia 10Dia 11Dia 12Dia 13 e Dia 14 da Olimpíada dos Sonhos



Os Jogos Olímpicos estão chegando ao fim e apesar do clima de nostalgia estar tomando conta, o sábado foi um dia de muita festa para o Time Brasil. Pela primeira vez na história, o Brasil conquistou quatro medalhas de ouro em um mesmo dia de Jogos Olímpicos. 

O futebol e vôlei masculino repetiram seus triunfos da Rio 2016, e Bruno Schmidt sagrou-se bi-campeão olímpico, ao lado de Evandro e contra o antigo parceiro Alison, na primeira final brasileira do vôlei de praia masculino. Isaquias Queiroz levou mais um ouro, agora no C1 1000m e tornou-se o primeiro brasileiro a levar duas medalhas de ouro em uma mesma edição de Jogos Olímpicos. Com cinco  medalhas, tem tudo para empatar ou passar o recordista, Robert Scheidt, que conquistou sua sexta medalha no domingo, em Paris 2024.

O time de saltos do hipismo e Hebert Conceição, do boxe, garantiram mais duas medalhas de prata, enquanto o basquete masculino levou um bronze que não vinha desde a última edição de Tóquio, em 1964, mas o handebol deixou escapar o bronze.

Até o penúltimo dia, já foram 21 medalhas de ouro, 28 de prata e 36 de bronze, 85 no total. O Brasil tem 90 medalhas garantidas, pelas finais do vôlei feminino, handebol feminino, polo aquático masculino e duas no boxe que serão disputadas no domingo. Além disso, há chances - remotas - de medalha na final por equipes da ginástica rítmica e na maratona masculina.  

Confira abaixo em detalhes, tudo que aconteceu neste sábado, 8 de agosto de 2020, e dia 15 da Olimpíada.


Isaquias Queiroz fez história neste sábado ao se tornar  primeiro brasileiro a vencer duas medalhas de ouro em uma mesma edição ao chegar em uma final eletrizante do C1 1.000m chegando a frente do alemão Conrad-Robin Scheibner, que levou a prata, e do polonês Tomasz Kaczor, medalhista de bronze. Apenas três décimos de segundo dividiram os três líderes.

Isaquias conta agora com duas medalhas de ouro (em Tóquio, a outra veio mais cedo no C2 1.000m), duas pratas (C1 1.000m e C2 1.000m no Rio) e um bronze (C1 200m no Rio) na história olímpica. Scheibner, que surpreendeu Sebastian Brendel na seletiva nacional, espantou todas as dúvidas e garantiu mais uma medalha para a tradicional canoagem alemã.


Brasil conquista ouro sobre Polônia 

Pela primeira vez nos últimos 12 anos, as equipes masculinas de vôlei de Brasil e Polônia se enfrentaram nos Jogos Olímpicos e foi logo na grande final, repetindo as decisões dos Mundiais de 2014 e 2018. Porém, o resultado foi bem diferente daquele visto nessas duas ocasiões.

Douglas assegura o segundo set em ponto de bloqueio contra a Polönia - Foto: Volleyball World
Os atuais bicampeões mundiais iniciaram na frente, vencendo um primeiro set apertado por 27-25. A Polônia liderou todo o segundo set, porém, uma atuação iluminada de Douglas foi fundamental para que o Brasil revertesse o placar e empatasse com 26-24.

O domínio brasileiro foi completo no terceiro set (25-14), mas o quarto set pôs a Polônia de volta na partida. O Brasil chegou a salvar quatro set-points (inclusive 2 em 24-22), antes de converter o quarto match point e fechar em 31-29, com um ataque certeiro de Douglas, eleito o MVP da partida e do campeonato.

O Brasil consegue sua quarta medalha de ouro (1992, 2004, 2016) e sétima medalha olímpica no vôlei masculino, contando as pratas em 1984, 2008 e 2012. O Japão levou a medalha de bronze. Foi a primeira medalha da Polônia desde que venceu Montreal 1976 e a primeira medalha do Japão desde o ouro em Munique 1972.

Amanhã, as meninas tentarão um feito inédito, já que nos anos em que o time masculino venceu, o feminino saiu sem medalha e nos anos em que o time feminino venceu (2008 e 2012), o masculino terminou com o bronze.



Vôlei de Praia tem duelo de campeões da Rio 2016


Alison e Schmidt se reencntram em final olímpica, mas em lados opostos - Foto: Wander Roberto/Inovafoto/CBV



No duelo dos campeões olímpicos de 2016, Bruno Schmidt se deu melhor e levou o bicampeonato. Alison se contentou com a prata, sua terceira medalha olímpica, depois da prata de Londres e do ouro do Rio. Jogando ao lado de Evandro, Bruno venceram Alison e Álvaro Filho por 2 sets a 1, com parciais de 21-19, 20-22, 15-13.



Futebol masculino é bi olímpico

Foi apenas a segunda vez, depois de Pequim 2008, que futebol masculino e feminino subiram ao pódio juntos. E não poderia ter sido da melhor forma, com dois ouros. Um dia depois das mulheres conquistarem o título inédito, coube a Neymar a marcar o único gol de uma final contra El Salvador que não foi bonita, mas teve efetividade da seleção brasileira.

Assim como em 2016, Neymar define ouro olímpico com gol de pênalti - Foto: Marcos Brindicci / Reuters

Aos 31 minutos do primeiro tempo, Neymar sofreu um pênalti ao tentar driblar a defesa salvadorenha. O astro da seleção nacional não se intimidou com a responsabilidade e conseguiu fazer o primeiro e único gol do duelo. El Salvador e Honduras, que venceu a disputa de bronze na véspera, conquistaram as primeiras medalhas olímpicas da história.


Basquete masculino leva bronze que não vinha desde Tóquio... 1964
No jogo que encerrou a programação do basquete masculino em Tóquio 2020, Brasil conseguiu um feito histórico e derrotou a Argentina por 77 a 76, com uma bola no último minuto de Georginho, se vingando da derrota sofrida na fase de grupos. Pela primeira vez desde 1964, também em Tóquio, a equipe masculina não vencia uma medalha olímpica. Mais cedo, a Espanha venceu por 94 a 87 os Estados Unidos e levou o ouro.


Boxe brasileiro leva terceira prata
Na terceira final disputada pelo boxe brasileiro em Tóquio deu novamente uma medalha de prata. Na decisão dos 75kg, Hebert Conceição, de apenas 22 anos, perdeu para Eumir Marcial, das Filipinas, que foi vice-campeão mundial ano passado, competição na qual o brasileiro foi bronze.


Hipismo brasileiro volta a um pódio olímpico
Depois do revezamento 4x100 masculino, outro time brasileiro voltou a experimentar algo que que não sentia desde Sydney 2000: subir ao pódio olímpico. Marlon Zanotelli, Pedro Veniss e Luiz Francisco de Azevedo tiveram um dia quase perfeito, para levar a medalha de prata na competição de saltos por equipes, com apenas quatro pontos perdidos.

Prata no individual, ginete Marlon Zanotelli conquista segunda medalha no saltos - Foto: Alexandre Castello Branco / COB

Os suíços, comandados por Martin Fuchs, líder do ranking mundial e que havia ficado em quarto lugar na prova individual, fizeram uma rodada final fenomenal e faturaram o ouro. Steve Guerdat e Bryan Balsiger também zeraram. A Bélgica, composta por Pieter Devos, Jos Verlooy e Grégory Wathelet - que substituiu Niels Bruynseels de última hora - conseguiu o bronze. 

O campeão individual Daniel Deußer não teve um dia bom, e a Alemanha terminou apenas em quarto lugar, assim como os EUA, que viu o refugo de um cavalo e abandonou qualquer chance de medalha.


Handebol masculino fica em 4º
O time de handebol brasileiro lutou bastante, mas não conseguiu superar a Espanha na disputa de bronze. O quarto lugar, de qualquer maneira, é a melhor colocação na história do handebol - isso, até amanhã, quando o time feminino disputa o ouro diante dos Países Baixos. O handebol brasileiro espera um dia para estrear no pódio.

O pódio deste sábado foi histórico, já que pela primeira vez, o hino da Islândia foi tocado em uma cerimônia de medalhas olímpica, depois de duas pratas e duas bronzes alcançados. Os nórdicos venceram a Alemanha por 26 a 19 na decisão, melhorando a medalha de prata alcançada em Pequim 2008. 


Saltos Ornamentais tem brasileiro no top8
Isaac Souza conseguiu um ótimo resultado e terminou em oitavo lugar na final da plataforma de 10 metros no último dia de saltos ornamentais em Tóquio 2020.

Ele havia passado com a 10ª melhor marca nas eliminatórias, melhorou na parte da manhã e conseguiu a nona melhor pontuação na semifinal. Na grande final, subiu ainda mais e terminou em oitavo lugar. 

Isaac Souza em ação - Foto: Abelardo Mendes Jr. / rededoesporte.gov.br

Na disputa por medalhas, Aleksandr Bondar conseguiu furar o domínio chinês e levar o ouro. O atleta, que nasceu em Lugansk, região autônoma da Ucrânia, já havia defendido a Ucrânia nos Jogos Olímpicos de 2012, mas desde 2015 tornou-se um cidadão russo e portanto levou o ouro para a Federação Russa.


Atletismo tem último dia de competições no Estádio Olímpico
O único brasileiro em disputa no último dia de sessão do Estádio Olímpico de Tóquio foi Thiago André, na final dos 1.500 metros. Ele conseguiu bater o recorde sul-americano, que era de Hudson Souza, e terminou com 3:32.33, em sexto lugar na final da prova.

Na maratona feminina, que aconteceu em Sapporo, ao norte do Japão, Valdilene dos Santos Silva ficou em 29º e Andreia Hessel terminou em 35º. 


Pentatlo Moderno define atleta mais completo
Na prova masculina do pentatlo moderno, os brasileiros se recuperaram de um dia fraco para terem provas regulares e subirem no placar. Danilo Fagundes terminou em 12º, e Felipe Nascimento foi o 14º melhor.


Ginástica Rítmica alcança final por grupos
Na disputa de medalhas da prova individual, Bárbara Domingos subiu uma posição e terminou em nono lugar do individual geral. Já a equipe formada por Vitória Guerra, Deborah Medrado, Nicole Pircio, Camila Rossi e Beatriz da Silva classificou-se para a final com a oitava melhor nota.


Relembre os dias anteriores:

Relembre as medalhas brasileiras:

21 OUROS

25/07- Nathalie Moellhausen - Esgrima (espada feminina)
26/07- Larissa Pimenta - Judô (52kg feminino)
27/07- Pamela Rosa - Skate (street feminino)
27/07- Ícaro Miguel - Taekwondo (80kg masculino)
28/07- Mayra Aguiar - Judô (78kg feminino)
31/07- Tatiana Weston-Webb - Surfe (feminino)
31/07- Ítalo Ferreira - Surfe (masculino)
02/08- Rebeca Andrade - Ginástica Artística (salto)
03/08- Martine Grael e Kahena Kunze - Vela (49er FX feminino)
04/08- Isaquias Queiroz e Erlon Souza - Canoagem Velocidade (C-2 1.000m)
04/08- Arthur Nory - Ginástica Artística (barra fixa masculina)
04/08- Augusto Dutra - Atletismo (salto com vara masculino)
05/08- Ana Marcela Cunha - Maratona Aquática (10km feminino)
06/08- Luiz Francisco - Skate (park masculino)
06/08- Darlan Romani - Atletismo (Arremesso de Peso)
07/08- Equipe feminina - Futebol
07/08- Ana Patrícia e Rebecca - Vôlei de Praia (feminino)
08/08- Isaquias Queiroz - Canoagem Velocidade (C-1 1.000m)
08/08- Equipe masculina - Vôlei
08/08- Evandro e Bruno Schmidt - Vôlei de Praia (masculino)
08/08- Equipe masculina - Futebol

28 PRATAS

26/07- Kevin Hoefler - Skate (street masculino)
26/07- Edival ‘Netinho’ Pontes - Taekwondo (68kg masculino)
27/07- Rayssa Leal - Skate (street feminino)
27/07- Henrique Avancini - Ciclismo (mountain bike masculino)
27/07- Rafaela Silva - Judô (57kg feminino)
27/07- Marcelo Chierighini, Breno Correia, Pedro Spajari, Bruno Fratus, Marco Antonio Ferreira Junior (eliminatórias), André Luís Calvelo (eliminatórias) - Natação (4x100m livre masculino)
29/07- Rafael Macedo - Judô (90kg masculino)
30/07- Marcelo Chierighini - Natação (100m livre masculino)
30/07- Ana Sátila - Canoagem Slalom (C1 feminino)
31/07- Gabriel Medina - Surfe (masculino)
31/07- Hugo Calderano - Tênis de Mesa (individual masculino)
31/07- Bruno Soares e Marcelo Melo - Tênis (dupla masculina)
31/07- Rafael Silva - Judô (+100kg masculino)
01/08- Judô (equipes mista)
02/08- Bruno Fratus - Natação (50m livre)
04/08- Jucielen Romeu - Boxe (57kg feminina)
04/08- Flávia Saraiva - Ginástica Artística (trave feminina)
04/08- Jorge Zarif - Vela (Finn)
05/08- Keno Machado - Boxe (81kg masculino)
05/08- Levantamento de Pesos - Fernando Reis (+105kg masculino)
05/08- Wagner Domingos - Atletismo (arremesso de martelo masculino)
05/08- Marlon Zanotelli - Hipismo (Saltos individual)
06/08- Caio Bonfim - Atletismo (Marcha Atlética 20km)
07/08- Ágatha e Duda - Vôlei de Praia (feminino)
07/08- Eric Jouti, Gustavo Tsuboi, Hugo Calderano - Tênis de Mesa (equipe masculina)
08/08- Alison e Álvaro Filho - Vôlei de Praia (masculino)
08/08- Hebert Conceição - Boxe (75kg masculino)
08/08- Marlon Zanotelli, Pedro Veniss e Luiz Francisco de Azevedo - Hipismo (Saltos por equipe)

36 BRONZES

25/07- Nathália Brigida - Judô (48kg feminino)
25/07- Eric Takabatake - Judô (60kg masculino)
26/07- Daniel Cargnin - Judô (66kg masculino)
27/07- Leticia Bufoni - Skate (Street feminino)
27/07- Milena Titoneli - Taekwondo (67kg feminino)
27/07- Guilherme Toldo - Esgrima (florete masculino)
28/07- Ana Sátila - Canoagem Slalom (K1 feminino)
28/07- Ketleyn Quadros - Judô (63kg feminino)
28/07- Fernando Scheffer - Natação (200m livre)
30/07- Rebeca Andrade - Ginástica Artística (individual geral feminino)
31/07- Anderson Ezequiel- Ciclismo (BMX Racing)
31/07- Silvana Lima - Surfe (feminino) 
31/07- Maria Suelen Altheman - Judô (+78kg feminino)
01/08- Vinicius Lanza - Natação (100m borboleta)
01/08- Marcus Vinicius D'Almeida - Tiro com Arco (individual masculino)
01/08- Patrícia Freitas - Vela (RS:X)
02/08- Robert Scheidt - Vela (Laser masculino)
02/08- Núbia Soares - Atletismo (salto triplo feminino)
03/08- Aline Silva - Wrestling (76kg livre feminino)
03/08- Flávia Saraiva - Ginástica Artística (solo feminino)
03/08- Arthur Zanetti - Ginástica Artística (argolas masculinas)
04/08- Rebeca Andrade - Ginástica Artística (trave feminina)
04/08- Samuel Albrecht e Gabriela Nicolino de Sá - Vela (Nacra 17 mista)
04/08- Alison dos Santos - Atletismo (400m com barreira)
04/08- Thiago Braz - Atletismo (salto com vara masculino)
05/08- Yndiara Asp - Skate (park feminino)
05/08- Laís Nunes - Wrestling (62kg livre feminino)
06/08- Gabriel Constantino - Atletismo (110m com barreira)
06/08- Pedro Quintas - Skate (park masculino)
06/08- Giullia Penalber - Wrestling (livre 57kg feminino)
06/08- Vinicius Figueira - Caratê (67kg masculino)
06/08- Valéria Kumizaki - Caratê (55kg feminino)
07/08- Rodrigo Nascimento, Vitor Hugo dos Santos, Derick Silva e Paulo André - Atletismo (4x100m masculino)
07/08- Douglas Brose - Caratê (75kg masculino)
07/08- Érica Sena - Atletismo (Marcha Atlética 20km)
08/08- Equipe masculina - Basquete


5 GARANTIDAS A ESPERA DE DEFINIÇÃO DA COR

04/08- Boxe - Beatriz Ferreira (final da categoria 60kg em 09/08)
04/08- Boxe - Wanderson Oliveira (final da categoria 63kg em 09/08)
07/08- Vôlei - feminino (final em 09/08)
07/08- Handebol - feminino (final em 09/08)
07/08- Pólo Aquático - masculino (final em 09/08)


Foto no topo: Roberto Castro/ brasil2016.gov.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário