Guilherme Toldo busca vaga olímpica nesta sexta-feira no Grand Prix de Florete - Surto Olímpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Guilherme Toldo busca vaga olímpica nesta sexta-feira no Grand Prix de Florete

Compartilhe
Guilherme Toldo brazil fencing esgrima brasileira


Começa na madrugada desta sexta-feira (26) o Grand Prix masculino de Florete em Doha, Catar. As oito equipes já estão definidas para os Jogos Olímpicos de Tóquio, desde a última Copa do Mundo, ainda em 2020, mas ainda há disputa pelas seis vagas individuais e o brasileiro Guilherme Toldo tem tudo para conquistar a cota americana e levar a segunda vaga nacional da esgrima. A etapa feminina do Grand Prix tem início no sábado.



Guilherme Toldo entra em pista às 4h, horário de Brasília pela fase de grupos, onde é um dos cabeças de chave. Ele é o único brasileiro no torneio masculino. Pela competição feminina, Ana Beatriz Bulcão e Rafaella Gomes estreiam no sábado (27), enquanto ambas finais serão no domingo.

Ao fim da Copa do Mundo de Florete Masculino em fevereiro do ano passado, as oito equipes seguintes estão classificadas: EUA, França, Itália, Rússia, Hong Kong, Egito, Alemanha e Canadá. Os dois melhores da Europa, dois melhores da Ásia/Oceania, o melhor das Américas e melhor da África que não estejam classificados levarão a vaga ao fim do torneio no sábado.

Apenas a Coreia do Sul e Japão já garantiram as vagas continentais e dependendo dos resultados eliminatórios desta sexta-feira outras cotas continentais poderão ser definidas, entre elas a da 198ª vaga brasileira em Tóquio.



Guilherme Toldo é o 26º do ranking mundial, com 72 pontos, enquanto seu único adversário é Victor Leon, 66º, com 24,375. Ele já havia ficado a uma vitória da classificação ainda em 2020. Se León for campeão no sábado, ele sobe para 72,375. O pior resultado de Toldo é 1 ponto, assim ele garante sua classificação ao alcançar a última rodada da fase classificatória, o T64 preliminar, que dá exato 1,5 ponto (indo para 72,5), ou claro, se ele se classificar diretamente para a fase final nas poules. Em caso de imprevisto e eliminação precoce, basta que Victor León não leve o título para que Toldo se junte aos brasileiros classificados aos Jogos Olímpicos de Tóquio.




Confira a disputa pelas outras cinco vagas


Na corrida para a vaga africana, a Tunísia tem tudo para garantir presença já nesta sexta. Mohamed Samandi é o 37º do mundo com 42 pontos e favorito para pegar a vaga, enquanto Mohamed Ayoub Ferjani está em 44º, com 35,125. Ele só tem chances de ultrapassar o compatriota se chegar nas oitavas de final. Correndo atrás estão o argelino Salim Heroui (70º) e Jeremy Fafa Keryhuel (72º), da Costa do Marfim, com 23,75 e 22,5 pontos respectivamente. Eles precisam de uma surpreendente quartas de final para entrarem na briga. Ainda com pequenas chances, Victor Alves de Oliveira, de Cabo Verde e Boubker Abouti, de Marrocos, precisam do título e de uma improvável combinação de resultados.

Pelas duas vagas asiáticas, a Coreia do Sul e Japão  garantiram as duas vagas, já que a equipe masculina da China não participará do torneio. Lee Kwanghyun (11º) também garantiu sua presença nominal nos Jogos Olímpicos, já que o único compatriota que podia lhe ultrapassar no ranking, Son Young Ki (23º), não está inscrito. 

Para o japonês Shikini Takahiro (20º) perder a segunda vaga asiática, Saito Toshiya (27º) precisa no mínimo chegar nas oitavas, Matsuyama Kyosuke (34º), na semi, ou Miyake Rio (39º) na final.


Disputando as  duas vagas europeias, apenas quatro atletas têm chances. Marcus Mepstead (15º), britânico e vice-campeão mundial se garante independentemente de outros resultados ao alcançar as quartas de final, enquanto o espanhol Carlos Llavador (18º) estará em Tóquio com uma semi. De qualquer maneira, eles só perdem as vagas se seus adversários não só se classificarem nesta sexta-feira, mas tiverem uma fase final iluminada no sábado: O tcheco Alexander Choupenitch (21º) precisa de no mínimo uma semifinal para ter chances enquanto o polonês Michal Siess (28º) necessita de nada menos que uma final, além de um mal desempenho dos rivais que estão na frente.

Foto: Cristiane Rosa/Rede do Esporte

+ Gosta de nosso trabalho? Participe da campanha em prol do jornalismo esportivo independente e  AJUDE O SURTO OLÍMPICO IR A TÓQUIO

Nenhum comentário:

Postar um comentário