Brasil, 100 Anos Olímpicos - Atlanta 1996 - Surto Olimpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Brasil, 100 Anos Olímpicos - Atlanta 1996

Compartilhe



As Olimpíadas comemoravam 100 anos de existência em 1996 e, quando todos os fãs dos Jogos Olímpicos imaginavam que ela seria no mesmo lugar que renasceu na era moderna, em Atenas, o COI cedeu ao poder do dinheiro e levou a edição centenária para Atlanta, sede de uma das patrocinadoras mais antigas dos Jogos e que investiu rios de dinheiros para que eles fossem para a cidade americana.

VEJA TAMBÉM
Brasil, 100 anos olímpicos - Montreal 1976
Brasil, 100 anos olímpicos - Moscou 1980
Brasil, 100 anos olímpicos - Los Angeles 1984
Brasil, 100 anos olímpicos - Seul 1988
Brasil,100 anos olímpicos - Barcelona 1992

Em uma Olimpíada em que o gigantismo de países e eventos atingiu o seu ápice, o Brasil também foi com a maior delegação da história e com uma nova filosofia, possibilitando treinamentos para atletas dentro e fora do Brasil, e conseguiu o maior número de medalhas em sua história até aquele momento, com quinze láureas, quase o dobro do recorde de Los Angeles 1984 com oito medalhas conquistadas.

Além da quantidade de medalhas, a Olimpíada de Atlanta foi marcante pois, após 64 anos da primeira participação, finalmente as mulheres brasileiras voltaram de uma Olimpíada com medalhas, finalmente mostrando o potencial esportivo que tinham e que há anos não era explorado pelos dirigentes brasileiros. No vôlei de praia, estreando em Jogos Olímpicos, as duplas Jaqueline e Sandra e Adriana e Mônica dominaram a competição e fizeram uma final 100% brasileira, algo inédito em toda a história dos Jogos Olímpicos e até hoje nunca repetido.

Assim como os confrontos na primeira fase, Jackie e Sandra venceram Adriana e Mônica novamente na grande final e foram postas na história como as primeiras mulheres brasileiras a se tornarem campeãs olímpicas. E desde então, sempre tivemos uma brasileira no pódio em todas as Olimpíadas seguintes.

As outras duas medalhas das mulheres brasileiras foram em esportes coletivos. O basquete feminino, campeão mundial em 1994, confirmou o seu favoritismo com um basquete de altíssimo nível e chegou à final contra os Estados Unidos. As americanas engasgadas pela derrota na semifinal do Mundial passado, atropelaram as brasileiras por 111 a 87, única derrota do país na competição.

foto:Divulgação/COB
Apesar da derrota, Paula, Hortência, Janeth e cia comemoraram muito essa conquista que consagrou essa que foi a melhor geração da história do basquete feminino do Brasil. Essa foi a última competição da 'Rainha' Hortência, que se aposentou da seleção após os Jogos. 

Foto: reprodução

No vôlei feminino, a seleção comandada por Bernardinho mostrava sua força. E na semifinal, um confronto épico contra Cuba, melhor time do mundo, que terminou com derrota brasileira por 3 sets a 2. Uma grande confusão se instalou na rede e que terminou com briga dentro dos vestiários entre brasileiras e cubanas, com esse confronto entrando para história olímpica não da melhor maneira. Na decisão do terceiro lugar, O Brasil enfrentou a Rússia e em outro jogo épico e dramático, venceu por 3 sets a 2, garantindo a primeira medalha da história do vôlei feminino.

Mas se teve um esporte que brilhou em Atlanta foi a vela. Após o péssimo desempenho em Barcelona, os velejadores brasileiros se redimiram e conquistaram três medalhas: ouro com o jovem talento Robert Scheidt na estreante classe Laser – que travou um intenso duelo contra Ben Ainslie (GBR). Com a vantagem antes regata da medalha, Scheidt se usou da estratégia e queimou a largada e foi acompanhado pelo britânico. Os dois foram desqualificados e o brasileiro foi o primeiro campeão olímpico da classe Laser. Essa seria a primeira de muitas medalhas de Scheidt em Olimpíadas.

Melhor entrosados com mais apoio para se prepararem, Torben Grael e Marcelo Ferreira dominaram as regatas e conquistaram ouro na classe star, com Torben se tornando o primeiro brasileiro a ter uma medalha olímpica de cada cor - ouro em Atlanta, prata em Los Angeles 84 e bronze em Seul 88.

Foto: Ivo Gonzalez/ Acervo o Globo

E Kiko Pelicano e Lars Grael (acima) levaram a medalha de bronze na classe Tornado - um ponto atrás da medalha de prata. Essa seria a última participação olímpica de Lars, já que em 1998 ele teve seu barco atingido por outra embarcação e ao cair no mar, teve a perna atingida pela hélice do motor do outro barco, o fazendo perder a perna. Ele voltou a competir no iatismo, mas não mais em provas olímpicas.

Outro destaque brasileiro nos Jogos foi Gustavo Borges. Mais experiente, o nadador brasileiro teve grandes atuações nas piscinas americanas com a prata nos 200m livre com 1m48s08, novo recorde sul-americano, e bronze nos 100m masculino, com 49s02, outro recorde sul-americano, em disputa caseira com Fernando Scherer, o ‘Xuxa’ que terminou em quinto. Gustavo Borges se tornou o primeiro atleta brasileiro em 76 anos a ganhar duas medalhas em uma mesma edição de uma Olimpíada e o brasileiro com mais medalhas olímpicas na história até o momento ao lado de Torben Grael.

Foto: Rogério Assis/Folhapress

Fernando Scherer conseguiu sua medalha olímpica nos 50m livre, bronze com 22s29 na prova. E detalhe que  'Xuxa' teve que disputar um desempate por ter feito o mesmo tempo de Francisco Sanchez (VEN) e Bengt Zikarsky (GER) com 22s68. Quem sabe se não tivesse precisado essa prova extra, a prata não teria escapado por 0s03?

Tivemos um recorde de medalhas de bronze em Atlanta, mas uma especialmente foi bem amarga. Com o título mundial em 1994, a seleção foi em busca do único título que ainda faltava em sua galeria, que era o ouro olímpico. Com isso, a CBF fez uma grande preparação e levou para Atlanta o que tinha melhor de jogadores sub23, já que a partir de Barcelona, só era permitido jogadores abaixo dessa idade para disputar os Jogos, por exigência da Fifa. E em Atlanta, três jogadores acima dessa faixa etária poderiam ser chamados. E com um elenco forte, mesclado com nomes consagrados ou outros em ascensão como Dida, Aldair, Roberto Carlos, Rivaldo, Bebeto e Ronaldo ‘Fenômeno’, entre outros, o ouro foi encarado como obrigação.

Foto:CBF

Na semifinal, um confronto contra a Nigéria mostrou que ninguém ganha título só no papel. Vencendo por 3 a 1, o Brasil levou o empate e na prorrogação, sofreu do artifício que estava sendo testado nos Jogos Olímpicos para encurtar as prorrogações de futebol, o gol de ouro, que quem marcasse primeiro no tempo extra o jogo terminaria. E quem marcou primeiro foi Kanu, dando a vitória para os nigerianos, que ainda venceriam os argentinos para ficar com o ouro no futebol. Para o Brasil restou uma goleada em cima de Portugal na disputa do bronze, que sequer os brasileiros ficaram para receber no pódio, em uma tremenda gafe.

Foto:Repdoução/COB
No judô, o Brasil saiu com duas medalhas. Aurélio Miguel tentou mais uma vez o bi olímpico, mas acabou sendo derrotado na semifinal por Pawel Nastula (POL) e conquistou a medalha de bronze vencendo Ben Sonnemans (NED) em sua última participação olímpica – ele se machucaria em 2000 e não conseguiu participar da seletiva que definia a seleção – como o maior medalhista olímpico do judô. Henrique Guimarães foi outro medalhista da modalidade, com um bronze na categoria até 65kg, ao derrotar Phillip Laats (BEL) na disputa do terceiro lugar 

O atletismo superou o jejum de medalhas em Barcelona para conquistar pelo menos uma em Atlanta. No revezamento 4x100m, o quarteto formado por Edson Luciano, André Domingos, Róbson Caetano  - em sua última olimpíada - e Arnaldo Oliveira foi bronze com a ótima marca de 38s41 - recorde sul-americano. 

O hipismo brasileiro conseguiu a primeira medalha olímpica da história com uma medalha de bronze na competição por equipes André Joahannpeter, Álvaro ‘Doda’ Miranda, Luiz Felipe Azevedo e Rodrigo Pessoa - que já mostrava seu talento quase zerando o percurso nas duas tentativas  no comando do cavalo Tomboy - e seus cavalos mostraram todo o seu talento e potencial que ainda estava por vir dessa era de ouro do hipismo brasileiro que começava ali.

Na Trave!

O tênis quase viu a sua primeira medalha olímpica, com Fernando Meligeni, argentino naturalizado brasileiro, que sem muito alarde chegou à semifinal onde foi derrotado. Na disputa do bronze, caiu para o indiano Leander Paes de virada após vencer o primeiro set. Até hoje, é o melhor resultado de um tenista brasileiro em Olimpíadas.

No judô, o hoje dirigente do Comitê olímpico Brasileiro (COB0, Sebastian Pereira perdeu na disputa do bronze da categoria leve para Jimmy Pedro (USA) e quase conseguiu a terceira medalha da modalidade em Atlanta.

No boxe, Daniel Bispo quase quebrou o jejum de medalhas que durava desde 1968, ficando nas quartas de final na categoria meio pesado ao ser derrota por 14 a 7 para Thomas Ulrich (GER).

E quase Xuxa e Gustavo Borges faturaram mais uma medalha na natação, mas o revezamento 4x100m livre, formado pelos dois, Alexandre Massura e André Cordeiro, terminou em quarto lugar. De consolação, ficou o recorde sul-americano da prova.

Estreias

O futebol feminino fez sua estreia nos Jogos Olímpicos e o Brasil, comandado por Sissi, Pretinha, Maicon Jackson, Kátia Cilene e uma menina chamada Formiga fizeram um bom papel em Atlanta, quase conquistando a medalha, ficando na quarta posição, após perder para a Noruega por 2 a 0 na disputa do terceiro lugar.

Outra estreia do Brasil foi no ciclismo mountain bike, com dois ciclistas. Márcio Ravelli foi o brasileiro melhor colocado, na vigésima sétima colocação.

Decepção dos campeões olímpicos

Se no vôlei as mulheres brilharam, no masculino tivemos uma atuação regular. O vôlei masculino, defendendo o título olímpico caiu nas quartas de final para a Iugoslávia por 3 sets a 2, em uma atuação longe daquelas que deram o ouro olímpico em Barcelona e o título de Liga Mundial em 1993.

Outro campeão olímpico que decepcionou foi Joaquim Cruz. Ausente em Barcelona por conta de uma contusão, Joaquim Cruz disputou os 1500 metros e não conseguiu ir muito longe na sua última participação olímpica, ficando em quadragésimo segundo lugar. Ele se aposentaria do esporte em 1997, limitado pelas contusões.

A Despedida do ‘mão santa’

Foto:CBB
Já no basquete masculino, outra queda nas quartas de final, a terceira seguida. O que marcou foi a despedida de Oscar Schmidt, que acabou saindo sem medalha olímpica após cinco participações, mas ficou com a marca de maior cestinha da competição com 1092 pontos, marca essa praticamente insuperável.

A alegria após a tragédia

Hugo Hoyama viajou para Atlanta para a disputa da competição de tênis de mesa sozinho, pois seu amigo e grande adversário Cláudio Kano faleceu dias antes da viagem para as Olimpíadas em um acidente de moto. O brasileiro arrumou forças para fazer uma ótima competição e avançar para a fase eliminatória - com direito a vitória em cima do lendário Jorgen Persson (SWE), caindo nas oitavas de final para Pter Korbel (CZE) por 3 sets a 2, no melhor resultado de um mesatenista brasileiro em Olimpíadas, sendo igualado por Hugo Calderano vinte anos depois.

Quadro de medalhas

Com três medalhas de ouro, três de prata e nove de bronze, o Brasil ficou na vigésima quinta colocação, entre setenta e nove nações que conquistaram medalha em Atlanta.



Nenhum comentário:

Postar um comentário