Irã assegura equipe completa na luta livre masculina e Quirguistão lidera conquistas ao fim do Pré-Olímpico de wrestling - Surto Olímpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Irã assegura equipe completa na luta livre masculina e Quirguistão lidera conquistas ao fim do Pré-Olímpico de wrestling

Compartilhe
Amir Mohammad YAZDANI Irã wrestling

As doze últimas vagas dos pré-olímpicos continentais foram definidas neste domingo com o término do torneio asiático em Almaty, principal cidade do Cazaquistão. O Uzbequistão se saiu melhor com quatro vitórias, e o Irã aproveitou a oportunidade para completar sua equipe de luta livre masculina. A última chance de vaga estará no Pré-Olímpico mundial a ser disputado em Sofia, Bulgária, em maio, com participação do Brasil, liderado pela número 1 do ranking Giulia Penalber.


A república islâmica, que promoveu seletiva nacional no mês passado, é a única nação com equipe completa garantida na luta livre masculina, enquanto na greco-romana apenas Cuba já tem asseguradas as seis vagas. Na luta livre feminina, China e Japão asseguraram o feito neste sábado, se igualando aos EUA, que atualmente tem a maior delegação total com 15, seguido da Rússia (13).


O Quirguistão foi o país que mais coletou vagas no pré-olímpico, com sete atletas se classificando, totalizando  9 representantes dos 18 possíveis, até o momento. China e Irã já tem 11 atletas classificados - todos do Irã no masculino -, o maior número de todos asiáticos, pouco a frente do Cazaquistão e Japão com 10. 


Apenas a Coreia do Sul levou vaga inédita no wrestling através do pré-olímpico, ambas no primeiro dia nas disputas de luta greco-romana com outros oito países que já haviam garantido representação no esporte aumentando sua delegação. A Coreia do Norte havia obtido duas vagas pelo Mundial mas anunciou a desistência dos Jogos Olímpicos de Tóquio


Surte+ Conheça a rica trajetória esportiva do Irã rumo a Tóquio 2020 na Parada das Nações Irã 


A decepção do dia ficou por conta do Turcomenistão que enviou representantes para todas categorias, mas nenhum atleta chegou até as semifinais. Única ex-república soviética sem medalha olímpica, o país ainda não tem nenhuma vaga garantida em Tóquio.


Pela categoria 57kg, Gulomjon Abdullaev, do Uzbequistão venceu Bekbolot Myrzanazar Uulu, do Quirguistao por 8 a 4, garantindo a vaga asiática, ao lado do chinês Liu Minghu, que venceu o tajique Muhammad Ikromov (6-3). Abdullaev terminou com o ouro, e os representantes do Quirguistão e Tajiquistão venceram as duas disputas de bronze do torneio.


O cazaque Nurislam Sanayev, o indiano Ravi Kumar Dahiya e o iraniano Reza Atri obtiveram suas vagas no Mundial de 2019.


No 65kg, o iraniano Amir Mohammad Yazdani (foto acima) derrotou Haji Mohamad Ali, de Brunei por superioridade técnica. Já Ernazar Akmataliev, do Quirguistão perdia por 8 a 4, mas derrubou Ilyas Bekbulatov, do Uzbequistão (foto abaixo) para levar a segunda vaga, e eventualmente o título. Ali levou o primeiro bronze. Bekbulatov, campeão europeu em 2017, não apareceu para disputar o bronze, concedido a Kerim Hojakow, do Turcomenistão.


Numa final disputadíssima e aguerrida, Alkmatiev perdia por 12 a 8 mas obteve a virada e venceu por 15 a 13, em um confronto de muitos golpes ofensivos. Quatro asiáticos já tinham obtido a vaga pelo mundial: Daulet Niyazbekov (KAZ)  Bajrang Punia (IND), Tömör-Ochiryn Tulga (MGL) e Otoguro Takuto (JPN).


Dois favoritos do 74kg, o uzbeque Bekzod Abdurakhmonov e o iraniano Younes Emami levaram as vagas mas não disputaram a final, concedida a Emami. Os bronzes foram para Elaman Dogdurbek Uulu, do Quirguistão, derrotado pelo uzbeque na primeira semifinal e ao chinês Meng Hejigan, que venceu o semifinalista Sandeep Singh Mann, da Índia. 


Cazaquistão e Japão não participaram da categoria, já que Daniyar Kaisanov e Okui Mao levaram as vagas no mundial.


Pelos 86kg, o japonês Takatani Sosuke, vice-campeão mundial em 2014 e que busca sua terceira olimpíada caiu na semfiinal para o chinês Lin Zushen. A outra vaga foi para Javrail Shaplev, do Uzbequistão, que venceu Azamat Dauletbekov, do Cazquistão. Os bronzes foram conquistados por Takatani e Dauletbekov.


Finalistas do mundial, Hassan Yazdani, do Irã e Deepak Punia, da Índia, já estavam garantidos em Tóquio 2020.


Surte+ Laís Nunes vence duas adversárias de peso e é campeã na Bulgária


Nos 97kg, Mohammad Hossein Mohammadian foi o campeão. O iraniano bronze no mundial de 2014 e filho do medalhista olímpico Askari Mohammadian levou a vaga ao vencer Satyawart Kadian, da Índia na semifinal por superioridade técnica. O uzbeque Magomed Ibragimov, bronze na Rio 2016, levou a outra cota continental ao derrotar Symbat Sulaimanov, do Quirguistão. Os bronzes que nada valem em matéria olímpica foram para o paquistanês Muhammad Inam, duas vezes campeão dos Jogos da Commonwealth, e Kadian.


O cazaque Alisher Yergali era o único asiático garantido até então, pela campanha no Mundial de 2019.


Já pela categoria mais pesada, com lutadores com até 125kg, Yusup Batirmurzayev, do Cazaquistão venceu o indiano Sumit Malik, por 2 a 0. O japonês Tanaka Yetsuya caiu para o mongol Mönkhtöriin Lkhagvagerei e nem apareceu para a disputa de bronze diante de Aiaal Lazarev, do Quirguistão. Malik levou a outra medalha. Já garantidos em Tóquio, o representante do Cazaquistão venceu o lutador da Mongólia na final.


Deng Zhiwei e Yadollah Mohebbi levaram vagas para China e Irã através do mundial de 2019.



Veja o resumo de quantas vagas cada país da Ásia conquistou e quantas ela tem até o momento, considerando as vagas obtidas no Mundial. Os asiáticos que não conseguirem as vagas podem disputar o pré-olímpico mundial em Sofia, Bulgária, no próximo mês.


Quirguistão: 7 vagas no pré-olímpico + 2 vagas no Mundial = 9 vagas ao fim do torneio

China: 6 vagas no pré-olímpico + 5 vagas no Mundial = 11 vagas ao fim do torneio

Irã : 5 vagas no pré-olímpico + 6 vagas no Mundial = 11 vagas  ao fim do torneio

Uzbequistão: 5 vagas no pré-olímpico + 3 vagas no Mundial = 8 vagas ao fim do torneio

Mongólia:  5 vagas no pré-olímpico + 2 vagas no Mundial = 7 vagas ao fim do torneio
Japão: 2 vaga no pré-olímpico + 8 vagas no Mundial = 10 vagas ao fim do torneio

Cazaquistão: 2 vagas no pré-olímpico + 8 vagas no Mundial = 10 vagas ao fim do torneio

Índia: 2 vagas no pré-olímpico + 4 vagas no Mundial = 6 vagas ao fim do torneio

Coreia do Sul: 2 vagas no pré-olímpico + 0 vagas no Mundial = 2 vagas ao fim do torneio


No continente asiático, além desses países, apenas a Coreia do Norte, conquistou 2 vagas  pelo Mundial de 2019, a serem realocadas após a desistência do país de enviar competidores aos Jogos Olímpicos de Tóquio.


Surte +: Gosta de nosso trabalho? Participe da campanha em prol do jornalismo esportivo independente e Ajude o Surto Olímpico a carimbar sua vaga e estar em Tóquio

Nenhum comentário:

Postar um comentário