COB estuda não mandar delegação para a cerimônia de abertura de Tóquio-2020, diz jornal - Surto Olímpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Pesquisar:

COB estuda não mandar delegação para a cerimônia de abertura de Tóquio-2020, diz jornal

Compartilhe

 


A 101 dias do início dos Jogos Olímpicos de Tóquio, o Comitê Olímpico Brasileiro (COB) não garante a presença da delegação verde-amarela na cerimônia de de abertura, segundo reportou O Globo na manhã desta terça-feira (13). Segundo o veículo, a entidade sente falta de informações sobre como será a Parada das Nações, que gera aglomeração, podendo infectar seus atletas.

O Comitê Olímpico Internacional (COI) recebeu da China uma oferta para vacinar todos os atletas até às vésperas dos Jogos, porém os participantes não serão obrigados a tomar as doses para competir. Já foi anunciado que os atletas serão testados a cada quatro dias e os organizadores estudam isolar por dez dias aqueles que positivarem para o coronavírus, em um hotel reservado apenas para isso. Vale lembrar que os Jogos têm a duração de 17 dias.

O diretor de esportes do COB, Jorge Bichara, se pronunciou sobre o assunto. "Nós ainda estamos recebendo informações do Comitê Olímpico Internacional e do Comitê Organizador dos Jogos sobre o desfile no cenário atual. Faltam informações que permitam uma avaliação das condições de segurança para os atletas, mas é fato que nós não vamos expor os atletas e oficiais a uma situação que possamos identificar como sendo de risco".

No sábado (10), o comitê brasileiro anunciou o cancelamento de três programas sociais a fim de reduzir em cem pessoas a delegação em Tóquio. Uma das medidas foi a redução do número de dirigentes na Olimpíada, estando confirmados apenas o presidente da entidade, Paulo Wanderley, o CEO do comitê, Rogério Sampaio, ex-judoca medalhista de ouro em Barcelona-1992, e o chefe de missão, Marco La Porta, que também ocupa a vice-presidência do COB.


Foto: Flavio Florido/Exemplus/ COB


Nenhum comentário:

Postar um comentário