Após falas machistas, Yoshiro Mori deixa presidência do Comitê Organizador dos Jogos de Tóquio - Surto Olímpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Após falas machistas, Yoshiro Mori deixa presidência do Comitê Organizador dos Jogos de Tóquio

Compartilhe


Depois de muita pressão por conta de falas machistas ditas na última semana, Yoshiro Mori deixou a presidência do Comitê Organizador dos Jogos de Tóquio. O japonês, de 83 anos, anunciou a renúncia nesta sexta-feira (12), em uma reunião com o Conselho Executivo de Tóquio 2020. Ele deixa o cargo após sete anos. Um sucessor ainda não foi definido. 


Em seu discurso de saída, Mori disse que não teve a intenção de ofender as mulheres, afirmando que seus comentários foram "mal interpretados" e culpou a mídia por "alvoroçar" o público. Ele também falou que sua permanência no cargo poderia atrapalhar a organização dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos pela polêmica já gerada, por isso pediu para sair.


"O importante é fazer as Olimpíadas em julho, então não posso atrapalhar os preparativos", disse ele, que já foi primeiro-ministro do Japão. "Se eu causar problemas por permanecer no cargo, nossos esforços serão em vão", completou, referindo-se ao processo de reorganização dos Jogos de Tóquio após seu adiamento.


Yoshiro Mori proferiu falas machistas durante uma reunião do Comitê Olímpico Japonês (JOC) na última semana, que tinha como pauta a expansão da participação feminina no conselho da entidade, de 20% para 40%. No encontro, ele afirmou que encontros com muitas mulheres demandariam "muito tempo", já que elas "falam demais", são "irritantes" e possuem um "forte senso de rivalidade".


Mori foi duramente criticado pelo público local e mundial e foi pressionado pela renúncia. Em algumas oportunidades, ele se desculpou pelas falas e garantiu que permaneceria no cargo até as Olimpíadas. No entanto, a pressão cresceu à medida que políticos desaprovaram a atitude e o Comitê Olímpico Internacional (COI) publicou uma nota tratando a atitude do japonês como "inadequada". O dirigente, então, renunciou nesta sexta.


Depois de dias conturbados, a atenção se vira agora para a escolha do sucessor de Mori na presidência do comitê organizador. O CEO de Tóquio 2020, Toshiro Muto, disse em entrevista que um nome deve ser anunciado "o mais breve possível", embora não haja uma data-limite específica. Segundo ele, a experiência com Olimpíadas e Paralimpíadas e o entendimento sobre diversidade e igualdade de gêneros são requisitos básicos para o novo chefe.


Entre os cotados, está Saburo Kawabuchi, ex-presidente da Associação Japonesa de Futebol (JFA) e membro do conselho executivo do comitê organizador. Fontes chegaram a cravar que ele seria o sucessor, mas seu nome perdeu forças nas últimas horas. Agora, a favorita é  Seiko Hashimoto, a ministra olímpica do Japão.


Vale destacar que Mori é um dos maiores defensores da realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio, que vivem um cenário conturbado por conta da pandemia do coronavírus. O japonês, juntamente com Thomas Bach, tem cravado que a Olimpíada acontecerá de 23 de julho a 08 de agosto, independentemente da situação sanitária global. O comitê organizador até então encabeçado por ele lançou os Playbookslivros com as medidas preventivas a serem tomadas durante os Jogos.


Foto de capa: Asia Times

Nenhum comentário:

Postar um comentário