Membro do Comitê Organizador busca ajuda de Joe Biden para salvar os Jogos de Tóquio: "Depende dos EUA" - Surto Olímpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Membro do Comitê Organizador busca ajuda de Joe Biden para salvar os Jogos de Tóquio: "Depende dos EUA"

Compartilhe


Os Jogos Olímpicos de Tóquio vivem um cenário conturbado. Por conta da pandemia do coronavírus e do recente crescimento de casos no Japão e em todo o mundo, a situação do megaevento ainda é incerta, a menos de seis meses de sua abertura. Para todos esses problemas, o membro do Comitê Organizador dos Jogos, Haruyuki Takahashi, indicou que o recém-eleito presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, poderá ser o "salvador" do megaevento com um discurso de apoio.


"O senhor Biden está lidando com uma situação difícil com o coronavírus", disse Takahashi ao jornal norte-americano Wall Street Journal. "Mas se ele fizer uma declaração positiva sobre as Olimpíadas, ganharemos um forte impulso".


Tradicionalmente, os Estados Unidos são os donos da maior delegação olímpica e possuem a maior cota televisiva dos Jogos, com a NBC. O país também é um importante aliado político e militar do Japão. Um apoio discursivo do governador ianque poderia ser fundamental para tranquilizar os demais países e alentar a população japonesa, ainda cética quanto à realização do megaevento. 


Uma pesquisa recente, divulgada no início da semana, mostrou que cerca de 72% dos japoneses é contra a realização dos Jogos este ano, pedindo seu adiamento ou um cancelamento total. A incerteza sobre a organização do megaevento cresceu desde o final do ano passado, mesmo com a chegada potencial das vacinas em diversos países do mundo. O Japão iniciará sua campanha somente no final de fevereiro.


O britânico The Times chegou a noticiar na última semana que o Japão estaria procurando uma alternativa para cancelar de vez a Olimpíada, mas a informação foi rapidamente desmentida pelo Comitê Olímpico Internacional (COI) e por autoridades japonesas


Takahashi disse que manter os Estados Unidos próximos, incluindo a emissora NBC - principal fonte de receita olímpica do COI -, ainda atentos aos Jogos, é uma tarefa importante. "Cabe aos EUA. Odeio dizer isso, mas Thomas Bach e o COI não são os únicos que podem tomar a decisão sobre os Jogos. Eles não têm esse nível de liderança".


Em posse da presidência dos Estados Unidos há uma semana, Biden ainda não falou publicamente sobre os Jogos Olímpicos. Ainda segundo o Wall Street Journal, a secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, disse não conhecer as opiniões de Biden sobre as Olimpíadas quando questionada na última sexta-feira. 


As falas de Takahashi sobre o papel influenciador de Biden não foram bem recebidas por membros do COI.  Em resposta, um porta-voz da entidade disse que "é lamentável que o Sr. Takahashi não conheça os fatos. Primeiro: é o USOPC que decide sobre a equipe olímpica e paralímpica dos Estados Unidos. Segundo: o USOPC nunca deixou dúvidas sobre sua participação. Portanto, seus comentários são obsoletos".


Os Jogos Olímpicos de Tóquio estão programados para ocorrer entre 23 de julho e 08 de agosto. Apesar do ceticismo global, os organizadores seguem otimistas em realizá-los, tomando medidas preventivas para haver um megaevento em meio à pandemia. Nesta quarta-feira (27), o Conselho Executivo do COI se reunirá para discutir as atualizações sobre a situação da organização.

Foto de capa: Reuters

Nenhum comentário:

Postar um comentário