Confira na íntegra final feminina do vôlei sentado feminino e cerimônia do pódio com bronze do Brasil

Time de vôlei sentado brasileiro em pé no pódio segurando mascote, medalhas e flores



Estados Unidos da América e República Popular da China decidem o título paralímpico do vôlei sentado feminino neste sábado (4) a partir das 22h e você pode acompanhar ao vivo no link abaixo. Nesta madrugada, o Brasil conquistou a medalha de bronze e você também poderá ver as jogadoras brasileiras recebendo o bronze na cerimônia de pódio. A seleção brasileira receberá o bronze logo em sequência na cerimônia de pódio.

É a quarta vez consecutiva que as duas principais potências esportivas se enfrentam na final dos Jogos Paralímpicos. Em Pequim 2008 e Londres 2012 deu China, enquanto no Rio 2016 os EUA venceram por 3 a 0. O gigante asiático também levou o ouro em Atenas 2004.


Para a delegação dos EUA a partida é fundamental na pretensão de terminar no top3 do quadro de medalhas. Com 35 ouros e 36 pratas, briga com o Comitê Paralímpico Russo, que tem 36 ouros e 32 pratas. Como os russos já encerraram sua campanha, é necessário uma vitória ou do time feminino de vôlei sentado ou do time masculino de basquete em cadeira de rodas para garantir o terceiro lugar.


Foto: Matsui Mikihito/CPB.

Código adsense convertido aqui
Mateus Nagime

Mestre em cinema pela UFSCar com tese sobre cinema queer brasileiro e mestrando em Estudos Olímpicos pela Academia Olímpica Internacional (IOA) Universidade de Peloponeso (Grécia), com pesquisa em andamento sobre relações entre esportes e audiovisual.

Postar um comentário

APOIE O SURTO OLÍMPICO EM PARIS 2024 Sabia que você pode ajudar a enviar duas correspondentes do Surto Olímpico para cobrir os Jogos Olímpicos de Paris 2024? Faça um pix para surtoolimpico@gmail.com e nos ajude a levar as jornalistas Natália Oliveira e Laura Leme para cobrir os jogos in loco! Composto por cinco editores e sete colaboradores, o Surto Olímpico trabalha desde 2011 para ser uma referência ao público dos esportes olímpicos, não apenas no Brasil, mas em todo o mundo. Apoie nosso trabalho! Contribua para a cobertura jornalística esportiva independente!
To Top