Federação Internacional de Hipismo destaca carreira do cavaleiro paralímpico Rodolpho Riskalla - Surto Olimpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Federação Internacional de Hipismo destaca carreira do cavaleiro paralímpico Rodolpho Riskalla

Compartilhe

"Algumas pessoas pensam que não podem mudar, mas podemos ver agora que, quando somos forçados a mudar, conseguimos." Essa frase veio de um homem que sabe do que fala, Rodolpho Riskalla, 35 anos, cavaleiro brasileiro.

Ele está tão decepcionado quanto todos os outros pelo fato de os Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020 terem sido adiados para o próximo ano, e o hipismo em geral ter parado devido à pandemia de Covid-19.

Mas ele aprendeu a tirar de tudo que acontece na vida algo a seu favor. Ele sabe como é ter seu mundo virado de ponta-cabeça e os melhores planos serem varridos em um instante.

Ele também sabe o que é cerrar os dentes e se recuperar - no caso dele, duas novas próteses - sem tirar os olhos do objetivo.

E agora seus olhos estão totalmente focados em nada menos que uma medalha de ouro nos Jogos Paralímpicos de Tóquio, em agosto de 2021.

Quando o distanciamento social francês estava prestes a começar, Rodolpho rapidamente fechou sua casa em Paris e mudou seus dois cavalos de seus alojamentos habituais no Polo Club, no coração da capital francesa, para que ele pudesse continuar perto deles no campo.

"Na época, ainda não sabíamos se as Paralimpíadas seriam este ano ou não", disse ele, "foi um caos!"

Agora, Riskalla está em um trailer com sua mãe, Rosangele, e sua irmã Victoria, perto dos estábulos de Haras de Champcueil, a cerca de 60km ao sul de Paris.

Trabalho na Dior
O brasileiro trabalha como gerente de eventos da casa de moda de Paris Christian Dior e normalmente exercita seus dois cavalos de competição às 7h30 da manhã, todos os dias, antes de ir para o escritório.

“O Polo Club é normalmente aberto ao público, mas fomos informados de que seria fechado a partir de 16 de março (devido ao bloqueio pandêmico), então os trouxemos para cá imediatamente”, explicou.

Adaptar-se a novas situações tem sido um modo de vida para Rodolpho, que viajava para casa em São Paulo, no Brasil, para a França e para outros lugares da Europa durante a adolescência.

"Passei alguns meses com Mariette Witthages na Bélgica e fui para a Alemanha aos 20 anos e passei dois anos com Norbert van Laak", contou ele. Mariette é belga, foi diretora da FEI (Federação Equestre Internacional) e treinadora da Seleção Brasileira olimpica de adestramento durante os Jogos do Rio 2016, já van Laak é um treinador alemão, medalhista olímpico, com cinco participações olímpicas. 

"Então voltei ao Brasil por cerca de cinco anos antes de decidir partir novamente para a Europa, para estar perto de cavalos, apresentações e treinamentos, e isso me trouxe aqui para trabalhar na França", contou.

Rodolpho, cuja mãe é juíza e treinadora de adestramento, sempre mostrou potencial. Ele conquistou o ouro no Campeonato Sul-Americano de Adestramento de Jovens Cavaleiros em Buenos Aires, Argentina, em 2004 e venceu o Grand Prix Special, terminou em terceiro no Grand Prix e em quarto no Freestyle no CDI3 em São Paulo, Brasil, em fevereiro de 2012.

Ele alcançou uma série de expressivos resultados nas aulas de cavaleiros jovens no circuito francês no ano seguinte e esperava evoluir com seu cavalo, Divertimento, até o nível do Big Tour, e tentar um lugar nos Jogos Olímpicos Rio 2016, quando a tragédia o atingiu no verão de 2015. Ele teve que retornar urgentemente ao Brasil.

“Meu pai ficou doente e ele morreu, aconteceu muito rápido e quando cheguei lá, ele já havia partido. Eu tinha que cuidar de toda a papelada para isso, e eu precisava ficar com minha família por um tempo. Mas duas semanas depois fiquei doente”, contou Rodolpho.

Foi meningite bacteriana. "É um pouco como o Coronavírus, algumas pessoas podem pegá-lo e não são afetadas por ele, mas podem infectar outra pessoa", disse ele.

"Foi do nada, eu estava bem de manhã, fui ver o advogado e depois encontrei um de meus amigos. À tarde, senti que estava pegando uma gripe e estava com febre alta. No dia seguinte, minha mãe me levou para o hospital."

"Eu estava muito doente. Eles me colocaram em coma alguns dias depois, para que eu pudesse respirar, meu coração e tudo estava parando.”

"Fiquei em coma por quase três semanas. De alguma forma eu consegui sobreviver, disseram que provavelmente porque estava com boa saúde e em forma. Mas minhas mãos e minhas pernas sofreram muito. Meu convênio médico estava na Europa. A Dior conseguiu me levar de volta, e eu fiz as amputações em Paris ”, narrou.

“Em junho, eu competia no CDI2 em Compiegne e perseguia um sonho olímpico. Em outubro, havia perdido os dois pés, todos os dedos da mão direita e alguns da esquerda.”

E então, em novembro, embora ainda estivesse muito fraco, ele teve que ser transferido para um centro de reabilitação muito antes do esperado, porque seu leito hospitalar era necessário para as vítimas dos ataques terroristas de Paris em 2015.

"Não tive tempo de pensar muito, isso é bom, e tive muita sorte de ter minha família e amigos comigo o tempo todo, isso foi tão importante", lembrou Rodolpho.

No dia 2 de janeiro de 2016, menos de cinco meses depois de adoecer, ele foi ao estábulo, onde um dos cavalos que ele estava montando foi mantido e foi levado para a sela. Riskalla não tinha suas próteses nesta fase.

“Nós podíamos sair todos os fins de semana da reabilitação e, sim, era loucura subir no cavalo naquele dia, mas esse momento mudou algo na minha cabeça, e de repente eu percebi que conseguia!”

"Quando você tem tudo (todos os seus membros), acha que nunca poderia ficar sem eles. Eu era uma daquelas pessoas que olhavam para alguém em uma cadeira de rodas pensando que nunca seria como elas"

Ele perdeu 30kg e, com suas cicatrizes de amputação ainda cruas, teve que esperar até março para que suas próteses pudessem ser ajustadas.

No entanto, quando recebeu alta da reabilitação em 1º de maio, ele já havia participado de suas duas primeiras apresentações paraequestres em um cavalo emprestado de um amigo.

Seus médicos o deixaram sair furtivamente da clínica de reabilitação dizendo: “Vá! mas não conte a ninguém no hospital", ele disse com uma risada.

Rodolpho agora domina seu movimento tão bem que possui um par separado de próteses para poder correr algumas vezes por semana também. 

Ele voltou a competir no hipismo.

Transição para o paralímpico

“Como já tinha competido até o nível de Grand Prix, eu achei a transição para o hipismo paralímpico um pouco desconcertante no começo.”

Existem cinco classes de competição e a Rodolpho compete no grau IV.

“Há muitas transições e pequenos giros, e os juízes olham para tudo! Quando você monta no GP de São Jorge ou no Grand Prix, é um movimento após o outro. É sobre retidão, flexibilidade, contato, boas transições e realmente melhorou meus cavalos porque você tem que estar no ponto certo, tudo precisa ser fluido.”

"Às vezes, os cavaleiros de nível superior produzem um meio-passe chamativo, mas esquecem o básico. Sinto agora que meu cavalo está muito mais interessado em ajudar", explicou Rodolpho.

É difícil acreditar que ele chegou às Paralimpíadas em seu país natal apenas quatro meses depois de deixar o hospital em 2016, terminando individualmente em 10º.

E então, dois anos depois, garantiu prata no individual e na dupla no Paraequestre nos Jogos Equestres Mundiais da FEI 2018 em Tryon, EUA, cavalgando Don Henrico, que tem desde 2017.

“Ele é um macho e sensível, mas logo nos demos bem. Alguns cavalos não se adaptam muito bem aos cavaleiros do paralímpico, você não pode ter um cavalo muito preguiçoso ou muito grande. No meu caso, a deficiência são minhas pernas e as rédeas (Rodolpho usa rédeas em loop), mas Don Henrico realmente jogou o jogo. Ele é super divertido", pontou.

Depois veio o irmão de Don Henrico, Don Frederic.

“Eu precisava de um segundo cavalo e minha irmã estava trabalhando para Ann Kathrin na época e me contou sobre ele. Ela disse que ele era melhor e me cairia bem."

No entanto, Ann Kathrin não estava pronta para vender, então Rodolpho continuou sua busca por um passeio de reserva até que, em um telefonema com o enteado de Ann Kathrin, Matthias Alexander Rath, a caminho de casa, no Campeonato Europeu da FEI de Roterdã, no verão passado, surgiu o convite para experimentar o cavalo.

Eles realmente combinaram e, graças à amiga brasileira Tania Loeb Wald que o comprou, Don Frederic se juntou à equipe de Rodolpho em novembro de 2019.

“Demorou alguns meses para ele se adaptar e me ajudar um pouco mais, mas ele é realmente ótimo, um pouco menos sensível que Don Henrico, que às vezes tem personalidade demais”, disse Rodolpho.

"Começamos este ano competindo no equestre e no paraequestre e eu o levei para Doha (CPEDI3 em fevereiro de 2020), e conseguiu três resultados muito bons, vencendo todas as três provas."

No início de fevereiro, Rodolpho competiu com Don Henrico no CDI1 em Neumünster, Alemanha, terminando em quarto no Freestyle Intermediário e em quinto no Prix St Georges, ambos vencidos pela estrela alemã Helen Langehanenberg.

O adiamento dos Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020 para agosto de 2021 significa que ele tem ainda mais tempo para realmente consolidar sua parceria com Don Frederic.

"Portanto, estou na posição de sorte de ter dois cavalos de campeonato e agora não queremos apenas ir a Tóquio para uma medalha - queremos ouro!" ele disse com outra risada.

Mas não é uma piada. Este é um homem com força interior colossal e determinação de aço.

Ele sorri quando confirma: “Sim, eu sempre quero mais, quero ganhar, quero melhorar, sempre fui assim! Foi assim que passei pelo que passei, porque consegui me adaptar. Adaptabilidade é a palavra-chave, e forçando um pouco seus próprios limites. Todos temos mais força do que pensamos! ”, Ele insiste.

Para concluirmos, foi perguntado se Rodolpho tem uma mensagem para as pessoas preocupadas com a instabilidade no mundo devido à pandemia e ele respondeu: “Não é um momento fácil para ninguém, porque não sabemos o que o futuro reserva . Precisamos superar isso e chegaremos lá, mas não podemos apressar o tempo e precisamos ser pacientes."

Foto: MPIX/CPB

Nenhum comentário:

Postar um comentário