Zverev vira contra Djokovic, impede sonho do Golden Slam e vai à final de Tóquio 2020 - Surto Olímpico

Pesquisar:

Arquivo do blog

Últimas Notícias

Zverev vira contra Djokovic, impede sonho do Golden Slam e vai à final de Tóquio 2020

Compartilhe

O sonho acabou, pelo menos em Tóquio 2020. Alexander Zverev bateu Novak Djokovic nesta sexta-feira (30), e está classificado para a final olímpica de simples masculino, impedindo o desejo do sérvio de conseguir o 'Verdadeiro Golden Slam', (vencer os quatro Majors e a medalha de ouro olímpica). Vitória do alemão foi de virada, pelo placar de 2 sets a 1, com parciais de 1-6, 6-3 e 6-1, em 2h03 de jogo.

Curiosamente, Zverev encara na final olímpica, o russo Karen Khachanov. A última vez que tenistas da Alemanha e da Rússia (Comitê Olímpico Russo) chegaram à disputa pela medalha de ouro em simples masculino, foi em Sydney 2000, num duelo entre Yevgeny Kafelnikov e Tommy Haas.

De quebra, Zverev garante no mínimo uma medalha de prata, levando a Alemanha ao pódio de um torneio olímpico de tênis em simples pela segunda edição seguida dos Jogos. No Rio de Janeiro 2016, Angelique Kerber ficou com a prata no evento feminino.

Dono de uma medalha de bronze em Pequim 2008, Djokovic encara Pablo Carreno Busta na disputa pelo terceiro lugar no torneio de simples, tentando buscar sua segunda medalha olímpica.  

Nesta sexta, ele ainda deve disputar a semifinal do torneio de duplas mistas ao lado de Nina Stojanovic. 

A partida

Primeiro set
O jogo começou equilibrado, mas Zverev foi o primeiro a chegar ao break point, no terceiro game. No entanto, foi Djokovic quem conseguiu a primeira quebra de serviço, e rapidamente abriu 4-1 no placar.

Extremamente dominante e contando ainda com um Zverev 'errático' nos pontos importantes, Djokovic quebrou mais uma vez o serviço do tenista alemão. Na sequência o tenista sérvio confirmou seu saque e venceu a parcial por 6-1.

Djokovic fez 29 pontos, contra 20 de Zverev, com três aces e 63% de aproveitamento nos pontos jogados com o primeiro serviço. O sérvio disparou seis winner e cometeu apenas cinco erros não-forçados.

Sofrendo com o calor de Tóquio, Djokovic teve uma queda de desempenho durante o jogo. Foto: Mike Segar/Reuters
Segundo set
No primeiro game de saque de Djokovic, Zverev pressionou, viu o adversário cometer erros e chegou ao break point. Mas o sérvio foi cirúrgico ao efetuar ótimos saques e fechar a porta para o alemão, confirmando seu serviço.

Irritado com as oportunidades perdidas, Zverev passou a perdeu o controle. Com isso, Djokovic tirou proveito e efetuou a quebra de saque. Enquanto o sérvio abria vantagem, o alemão tomava advertência por sua conduta em quadra.

Mas no game seguinte, Zverev se mostrou mais concentrado que Djokovic. Fez boas bolas, deixou o sérvio contra as cordas e chegou ao triplo break point. Com um erro no voleio, Zverev quebrou o saque do número 1 do mundo e 'voltou' para o jogo.

Após confirmar seu saque, Zverev passou a demonstrar estar mais inteiro fisicamente. Ele pressionou mais uma vez o sérvio e quebrou o saque do adversário, abrindo 5-3. Sacando para o set, o alemão até encontrou certa resistência de Djokovic, mas matou o set com um belo forehand na cruzada.

Zverev foi muito mais agressivo que Djokovic na segunda parcial. O alemão disparou 11 winners, contra apenas 3 do sérvio. O número de erros não-forçados do número 1 do mundo também foi muito alto: 14, enquanto Zverev teve 11.

Zverev se emociona após a vitória de virada. Foto: Mike Segar/Reuters
Terceiro set
O terceiro set começou da mesma forma que terminou o segundo. Zverev tinha mais intensidade em suas jogadas enquanto Djokovic tentava sobreviver seus ataques. Mas o sérvio sucumbiu e o alemão começou a parcial com uma nova quebra de saque.

No terceiro game, Zverev ampliou ainda mais sua vantagem, abrindo 3-0, enfrentando um abatido Djokovic. A partir disso, coube ao alemão manter a vantagem. Mas ele fez mais, ao quebrar novamente o saque do sérvio, para fechar a parcial em 6-1 e garantir a vaga na final olímpica, com vitória de virada.

Foto: Mike Segar/Reuters

Nenhum comentário:

Postar um comentário