Filipe Toledo é campeão e pinta Margaret River de verde e amarelo em dia histórico para o Brasil - Surto Olímpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Pesquisar:

Últimas Notícias

Filipe Toledo é campeão e pinta Margaret River de verde e amarelo em dia histórico para o Brasil

Compartilhe


A Brazilian Storm não para! Filipe Toledo se sagrou campeão da etapa de Margaret River do Circuito Mundial de Surfe (WSL), ao derrotar nesta madrugada o sul-africano Jordy Smith, por 17,40 a 14,23. Ele voltou a erguer um troféu  após quase dois anos. Com o título de Tatiana Weston-Webb na disputa feminina, o Brasil varreu a competição, que é a terceira da perna australiana e a quarta da temporada.


Até chegar à final, Filipinho precisou passar por dois adversários nesta segunda-feira. Primeiro, bateu o compatriota Ítalo Ferreira, numa disputa emocionante. Pouco depois, restando como o único brasileiro ainda vivopassou pelo sul-africano Mattheu McGilviray, já com certa folga. Quando chegou a decisão, protagonizou um duelo incessante com Jordy, intenso desde os primeiros minutos.


O brasileiro começou com uma rasgada forte para dentro e fez um 6,67. Logo, recebeu a resposta de Smith, que assumiu a liderança com onda de 8,00. Não demorou muito tempo e o sul-africano conseguiu outra bela nota, um 6,00. Em desvantagem, Filipinho, pegou uma onda desafiadora e conquistou 8,33 dos jurados com boas rasgadas para virar a bateria.


A partir daí, Filipe ganhou confiança e passou a tomar conta da bateria. Com um junção perfeita, ele ganhou 9,00 na sequência, que o deixaram em situação muito confortável. Muito abalado, Jordy chegou a inovar, mas não conseguiu avaliações positivas. O brasileiro, por sua vez, ainda conseguiu trocar sua menor nota para um 8,40. O sul-africano tentou um tubo no final, mas recebeu apenas 6,03.



Com a vitória garantida, os surfistas (homens) da Brazilian Storm mantiveram o 100% de aproveitamento na perna australiana. Ítalo Ferreira venceu em Newcastle, Gabriel Medina, em Narrabeen, e Filipe Toledo, em Margaret River. O título desta vez fez com que Toledo subisse para a terceira colocação, juntando-se aos dois compatriotas no top-3 do ranking mundial.


Além de garantir uma boa colocação na classificação, o troféu representou a quebra de um jejum  de quase dois anos para Toledo. Ele não conquistava um título do circuito desde junho de 2019, quando triunfou no Rio Open, em Saquarema. Curiosamente, na ocasião, ele também encarou Jordy Smith na final. 


Toledo também garantiu uma dobradinha brasileira em Margaret River, juntando-se a Tatiana Weston-Webb como campeões da etapa. Esta foi a segunda vez em que o Brasil conseguiu um feito do tipo em etapas da WSL. Em 2017, o próprio Filipe e Silvana Lima venceram em Trestles, na Califórnia, Estados Unidos.


Visando manter a boa forma, os surfistas brasileiros não terão muito tempo de descanso até a próxima competição. A janela da etapa de Rottnest Island, no quarto e último evento da perna australiana, abre já no próximo sábado (15), com transmissão no site, app e YouTube da WSL, além dos canais ESPN e Watch ESPN.


Foto em destaque: Matt Dunbar/WSL

Nenhum comentário:

Postar um comentário