Parada das Nações Tóquio 2020 - Ucrânia - Surto Olímpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Pesquisar:

Últimas Notícias

Parada das Nações Tóquio 2020 - Ucrânia

Compartilhe



INTRODUÇÃO


A Ucrânia é habitada desde 32 mil anos antes de cristo, sendo um local chave para a cultura eslava oriental durante a idade média. 


Após a sua fragmentação no século XIII, o país dominado e dividida por diversas vezes, como pela Comunidade Polaco-Lituana, Império Austro-Hungaro e o Império Otomano. Entre os séculos XVII e XVIII, houve o surgimento do Império Cossaco, que foi dividido entre a Polônia e o Império Russo.


Após a Revolução Russa de 1917, foi declarada a República Popular da Ucrânia no mesmo ano, mas em 1923, a parte ocidental da Ucrânia se fundiu com a República Socialista Soviética da Ucrânia, e virou parte da União Soviética até 1991, quando declarou a sua independência. 


TRAJETÓRIA OLÍMPICA


A Ucrânia competiu em Jogos Olímpicos como parte de outras nações, como União Soviética e Comunidade de Estados Independentes, por exemplo. Mas participa como nação independente nos Jogos Olímpicos desde Atlanta 1996, quando enviaram 231 atletas para os Estados Unidos. O país enviou atletas para disputar 21 esportes em sua primeira participação olímpica, conseguindo 23 medalhas no total (9 de ouro).

A nadadora Yana Klochkova é o maior nome do país nos Jogos. A ucraniana faturou quatro medalhas de ouro na modalidade, sendo duas nos 200m Medley e outras duas nos 400m medley em Sidney 2000 e Atenas 2004, além de uma prata nos 800m livres. Outro grande nome é o de Yuriy Chebin. O ucraniano tem dois ouros nas provas do C1-200m da Canoagem velocidade, prova em que inclusive superou o brasileiro Isaquias Queiroz no Rio 2016.

Vale mencionar o nome de Sergey Bubka. O saltador, ex-recordista mundial do salto com vara, é nascido na Ucrânia, mas representou a União Soviética e a CEI. Bubka foi prata em Seul 1988 (pela URSS) e ouro em Barcelona 1992 (pela CEI).



ESPORTES DO PAÍS


+ Ginástica

Desde a época em que pertencia a União Soviética, a Ucrânia colaborou com grandes ginastas para para o quadro de medalhas. O exemplo maior é o de Larisa Latynina. Nascida em Kherson (UKR), Latynina conquistou 18 medalhas olímpicas, sendo nove de ouro, entre Melbourne 1956 e Tóquio 1964.


Já como Ucrânia, o país faturou sete ouros, quatro pratas e oito bronzes. Lilia Podkopayeva faturou dois ouros e uma prata.

+ Boxe

Celeiro de campeões olímpicos e mundiais, o boxe ucraniano é uma força presente nos Jogos. Com 14 medalhas (4 ouros, 3 pratas e 7 bronzes), é a segunda modalidade mais forte do país. O nome mais conhecido é o de Wladimir Klitschko. 


Wladimir foi campeão olímpico em Atlanta 1996 na categoria superpesado e logo após se profissionalizou, o ucraniano foi campeão mundial na WBO em 1996, tendo permanecido até 2003 com o cinturão. Mas a era mais dominante foi entre 2004 e 2015, chamada de Era Klitschko.




ATLETAS DE DESTAQUE


+ Oleg Vernayev (Ginástica Artística)


Em 2016, Vernayev desafiou Kohei Uchimura (JPN) pelo titulo do Individual Geral na ginástica artística , sendo que perdeu o ouro apenas no último aparelho, a barra fixa, para o japonês, ficando com a prata por apenas 0.099 pontos.

Antes de 2016, ele já tinha sido campeão mundial nas barras paralelas em 2014

Ainda no Rio, o ucraniano venceu as barras paralelas. Após os Jogos Olímpicos, Vernaiev conquistou duas medalhas em Mundiais - prata em 2017 e bronze em 2018 - além de ganhar o ouro nos Jogos Europeus de 2019.


+ Olha Kharlan (Esgrima)


Uma das maiores esgrimistas da atualidade, Kharlan irá para a sua quarta Olimpíada. A ucraniana estreou com apenas 17 anos em Pequim 2008 com o título por equipes no sabre, tendo marcado mais da metade dos pontos na final contra a China e ser responsável pela vitória final. 


Nos Jogos seguintes, conquistou mais três medalhas: bronze no sabre individual em Londres 2012 e no Rio 2016 e uma prata por equipes no Rio 2016.


A ucraniana tem quinze medalhas em mundiais, sendo quadro individuais e duas por equipes, também no Sabre.

Nenhum comentário:

Postar um comentário