Em dia ruim para o Brasil, briga olímpica se acirra no Grand Prix de florete feminino - Surto Olímpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Em dia ruim para o Brasil, briga olímpica se acirra no Grand Prix de florete feminino

Compartilhe
Bia Bulcão Rafaella Gomes esgrima brasileira

A etapa eliminatória do Grand Prix de Florete Feminino aconteceu em Doha, Catar, neste sábado (27), com o afunilamento na disputa de vagas olímpicas individuais e um dia ruim para as brasileiras Ana Beatriz Bulcão e Rafaella Gomes. Dentre as seis vagas em disputa, Alemanha, China, Coreia do Sul e Tunísia, já estão garantidas, com disputas internas ainda acontecendo enquanto a segunda vaga europeia e a vaga americana seguem em aberto.

Pelas vagas asiáticas, a sul-coreana Jeon Hee Sook (8ª) já estava garantida. A chinesa Shi Yue (14ª) está com um pé na segunda vaga continental, e só perde a passagem para Tóquio se a compatriota Chen Qingyuan (20ª) chegar ao menos na quartas-de-final.

Situação parecida enfrenta Saskia Loretta van Erven García (40ª) que nem viajou para o Catar. A mexicana Nataly Michel (82ª) se classificou para a fase principal com uma vitória apertada de 7/6, mas precisa chegar na semifinal para roubar a vaga da colombiana.

Outra vaga ratificada neste sábado foi a da tunisiana Ines Boubakri (22ª), pela África. Apesar da eliminação na última rodada classificatória, nenhuma de suas concorrentes competiu no torneio.


Mais emoções se encontram na disputa pelas vagas europeias. A Alemanha já tem uma vaga e basta duas vitórias neste domingo para Leonie Ebert (11ª) carimbar seu lugar na delegação alemã. Por outro lado, Anne Sauer (33ª), precisa ser campeã e torcer para que a compatriota seja eliminada na primeira ou segunda rodada para conquistar o posto.

Apesar da queda precoce, a segunda vaga europeia permanece por enquanto com a espanhola Maria Tereza Diaz (37ª), que terá 45 pontos no ranking ao fim do domingo. Curiosamente ela caiu para a polonesa Martyna Synoradzka que derrotou em sequência outra forte postulante, a israelense Nicole Pustlink (39ª).

Basicamente, qualquer europeia que não seja alemã, francesa, húngara, italiana ou russa pode levar a segunda cota continental desde que seja campeã. Mas a que tem melhor chance de conquistar a vaga é a polonesa Hanna Lyczbinska (43ª), que precisa vencer duas partidas e chegar nas oitavas para ultrapassar Tereza Diaz. Martyna Synodradska (51ª), por sua vez, precisa chegar nas quartas e estar uma fase a frente de Lyczbinska.

Mesmo cenário da turca Irem Karamate (54ª), mas como ela tem meio ponto a menos que Synodradska na corrida olímpica, por sua vez precisa também chegar uma fase a frente da rival polonesa.

Completando a lista, com chances matemáticas estão a também polonesa Martyna Jelinska (67ª), que precisa de semifinal, a romena Maria Boldor (97ª), que só entra na briga indo a final e a ucraniana Kristina Petrova (275ª) e a grega Maria-Eleni Chaldaiou (251ª) que precisam necessariamente do título.

Dia ruim para o Brasil

No dia seguinte em que comemoramos a 198ª vaga brasileira em Tóquio, as brasileiras tiveram um péssimo dia em Doha. Bia Bulcão que tinha chances matemáticas de se garantir no Japão ainda este fim-de-semana perdeu todos os cinco seus combates e terminou em 131º geral, três posições a frente da compatriota Rafaella Gomes.

Ana Beatriz Bulcão chegou mais perto da vitória contra a polonesa Julia Walczyk (5/4), mas caiu também para a uzbeque Yana Alborova (5/2); a sul-coreana Sim Soeun (5/2); a ucraniana Kristina Petrova (5/2); a russa Adelya Abdrakhmanova (5/3) e a francesa Alice Recher (5/3).

Rafaella Gomes caiu para a chilena Katina Proestakis (5/4), para a sul-coreana Oh Hye Mi (5/3), a italiana Martina Sinigalia (5/1), a belarussa Hanna Andreyenka (5/2), a francesa Anita Blaze (5/1) e a ucraniana Anna Taranenko (5/0).

Neste domingo também acontece as fases finais do Grand Prix masculino. Já classificado, o brasileiro Guilherme Toldo desafia o vice-campeão mundial Marcus Mepstead às 3:20 da manhã, horário de Brasília, pela primeira rodada da fase final.

Surte +: Gosta de nosso trabalho? Participe da campanha em prol do jornalismo esportivo independente e Ajude o Surto Olímpico ir a Tóquio!

Foto: Arquivo Pessoal / Confederação Brasileira de Esgrima (CBE)

Nenhum comentário:

Postar um comentário