A cinco meses da Olimpíada, golfista Adilson da Silva vê com otimismo chance classificação - Surto Olímpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

A cinco meses da Olimpíada, golfista Adilson da Silva vê com otimismo chance classificação

Compartilhe

Foi com uma tacada de Adilson da Silva no Rio-2016 que o golfe iniciou sua retomada olímpica oficial após 112 anos de ausência do megaevento. E quatro anos após aquele momento mágico, o brasileiro olha com otimismo a sua possibilidade de classificação para mais uma Olimpíada, desta vez a de Tóquio, ainda em 2021. Foi isso que o golfista disse em entrevista ao site Surto Olímpico


A exatamente cinco meses da abertura dos Jogos Olímpicos de Tóquio, Adilson ocupa a 367ª colocação no ranking mundial de golfe, após ter terminado 2020 em 344º. Prejudicado pelo atraso na retomada do Sunshine Tour, o circuito sul-africano de golfe, no qual disputa eventos há anos, o brasileiro se prepara para voltar com força total mirando a vaga na Olimpíada. 


“Acho que precisarei escalar 100 posições para assegurar a classificação. Ficar ali na faixa do 250º, 260º deve dar boas chances de entrar. Então vou focar nos próximos sete torneios, onde vou ter que jogar bem para fazer pontos suficientes. Mas ainda tenho bastante tempo para me classificar”.


Sempre figurando na lista de suplentes para os Jogos Olímpicos, a inatividade de Adilson gerou uma queda de posições no ranking mundial o que causou sua ausência na simulação da lista dos reservas para o evento. Neste momento a 60ª e última vaga iria para o chileno Mito Pereira, atual 312 do mundo. 


Vale lembrar que existe um limite de vagas por país. Uma nação pode levar até quatro golfistas aos Jogos caso todos eles estejam entre os 15 primeiros no ranking mundial, como é o caso dos Estados Unidos com Dustin Johnson (1º), Justin Thomas (3º), Xander Schauffele (4º) e Collin Morikawa (6º). 


Se o país não tiver até quatro atletas no top-15, o número de vagas disponíveis cai para duas, como é o caso da Espanha com Jon Rahm (2ª) e Sergio Garcia (42º). 


Torneio olímpico deve contar com os melhores do mundo


Ao contrário do que aconteceu no Jogos do Rio de Janeiro em 2016, o torneio olímpico de golfe em Tóquio deverá contar com a participação dos melhores do mundo, tendo ao menos uma quantidade menor de desistências como na última edição. É o que disse o próprio Adilson da Silva. 


“Dessa vez tem muito mais competição para entrar. Acho que o pessoal que desistiu e não participou no Rio-2016 se arrependeu bastante. Toda a atmosfera lá foi incrível, além de ter sido muito bem divulgado no mundo do golfe”. 


Hoje Adilson é o oitavo melhor golfista da América do Sul, ficando abaixo de nomes de destaque no PGA Tour, como o chileno Joaquin Niemann (29º), o colombiano Sebastian Munoz (62º) e o argentino Emiliano Grillo (159º).  


Destes três citados acima, só Grillo disputou a Olimpíada, ficando com a oitava colocação. No Rio-2016. Na ocasião, Adilson encerrou sua participação em 39º, com 285 tacadas, uma abaixo do par do campo. 


Surte +Max Homa vence o Genesis Invitational no playoff e conquista seu segundo título no PGA Tour


O campo do torneio olímpico


Foto: Kasumigaseki Country Club

O torneio de golfe nos Jogos Olímpicos de Tóquio será realizado no Kasumigaseki Country Club, fundado em 1929. Apesar de ter jogado alguns torneios no Japão durante a carreira, Adilson revela não ter experiência no campo que receberá a Olimpíada. 


“Não me recordo de ter jogado lá. Mas no Japão os campos são todos lindos. Eles são muito perfeccionistas e colocam muito esforço nos cuidados com o gramado. Então tudo tem que estar certo 100%. Além disso, a temperatura durante o período dos Jogos deve ser das melhores. Se o evento fosse um pouco mais tarde os atletas poderiam enfrentar muito frio”.  


Golfe feminino brasileiro sem expectativa de vaga em Tóquio


Com Luiza Altamnn, melhor golfista brasileira, ocupando apenas a 1257ª colocação no ranking mundial feminino da modalidade, o Brasil está muito distante de uma vaga nos Jogos Olímpicos de Tóquio. E Adilson alertou para o atual cenário do esporte e pediu maior investimento e apoio às golfistas do país. 


“É uma pena que nenhuma das gurias poderá entrar nos Jogos de Tóquio. O país deve olhar com mais cuidado para isto e dar mais apoio para elas e não só para os jogadores do masculino. É uma honra tão grande participar da Olimpíada, então por que não dar a possibilidade para elas terem a chance de conquistar esta vaga? É uma questão grande para a CBGolfe e o Comitê Olímpico Brasileiro (COB)”, declarou. 


Na última semana, a Confederação Brasileira de Golfe iniciou uma pesquisa com as jogadoras de golfe para buscar pontos em que o esporte pode ser melhorado em prol da evolução da mulher na modalidade. Esse foi um dos compromissos assumidos pelo presidente da entidade, Osmar da Costa Sobrinho, como é possível conferir na entrevista concedida pelo dirigente ao site Surto Olímpico no vídeo abaixo. 




Os rankings de classificação do golfe para os Jogos Olímpicos de Tóquio serão encerrados nos dias 21 de junho para os homens e 28 de junho para as mulheres, concedendo 60 vagas para cada naipe. 


Confira o calendário provisório do Sunshine Tour para a temporada 2021-2022


 05/03/21 - Kit Kat Group PROAM

11/03/21 - Players Championship

18/03/21 - Gauteng Championship presented by BETWAY

24/03/21 - Serengeti Pro-Am Invitational

22/04/21 - Limpopo Championship

29/04/21 - Cape Town Open

06/05/21 - Dimension Data Pro-Am


Foto: Carl Fourie/Sunshine Tour


Nenhum comentário:

Postar um comentário