Comitê Olímpico dos EUA não punirá atletas que protestarem por justiça social e racial - Surto Olímpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Comitê Olímpico dos EUA não punirá atletas que protestarem por justiça social e racial

Compartilhe


O Comitê Olímpico e Paralímpico dos Estados Unidos (USOPC), junto ao Comitê do time EUA sobre Justiça Racial e Social, revelaram na tarde desta quinta-feira (10), que não haverão punições para atletas que protestarem por justiça social e racial. Isso faz parte do conjunto de recomendações feitas pelas entidades, defendendo que as regras que proíbem protestos e manifestações de atletas nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos sejam alteradas. 


"O silenciamento dos atletas durante os Jogos está em total contraste com a importância de reconhecer os participantes dos Jogos como seres humanos em primeiro lugar e depois como atletas. Proibir os atletas de expressarem livremente suas opiniões durante os Jogos, especialmente aqueles de grupos historicamente 'sub-representados e minorizados', contribui para a desumanização dos atletas que está em desacordo com os principais valores olímpicos e paraolímpicos", disse o Comitê do time EUA sobre Justiça Racial e Social em comunicado.


A nota traz ainda recomendações para que a Regra 50 da Carta Olímpica (seção 2.2) seja alterada. Esse trecho da carta fala sobre a proibição de qualquer manifestação política, racial ou religiosa durante os Jogos Olímpicos. 


“Pedimos ao Comitê Olímpico Internacional (COI) e ao Comitê Paralímpico Internacional (IPC) que reconheçam que os protestos focados em iniciativas de direitos humanos e justiça social não sejam qualificados como 'perturbações divisórias' dos Jogos e que não tenham as mesmas consequências que casos de discurso de ódio,  promoção de ideologia racista ou expressões de propaganda discriminatória”. 


A executiva-chefe da USOPC, Sarah Hirshland, apoiou as observações feitas pelo Comitê do Team USA sobre Justiça Racial e Social. "O USOPC valoriza as vozes dos atletas da equipe dos EUA e acredita que seu direito de defender a justiça racial e social e de ser uma força positiva para a mudança está absolutamente alinhado com os valores fundamentais de igualdade que definem o time EUA e os movimentos Olímpicos e Paralímpicos". 


Foto: Reprodução

Nenhum comentário:

Postar um comentário