Estudo lança luz sobre famosa jogada do Badminton - Surto Olimpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Estudo lança luz sobre famosa jogada do Badminton

Compartilhe

O salto é o mais espetacular e um dos golpes mais elementares do badminton, mas a biomecânica envolvida nele levanta muitas questões importantes. Um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Loughborough como parte de um projeto financiado pelo Programa de Bolsas de Pesquisa da BWF lança luz sobre alguns aspectos vitais desse importante golpe.

Ao melhorar nossa compreensão dos elementos envolvidos, o estudo visa explicar como os melhores jogadores podem aumentar a velocidade do smash por meio da técnica e do treinamento de força.

Dezoito jogadores masculinos de badminton de padrões regionais, nacionais e internacionais participaram deste estudo, cada um realizando uma série de golpes de pulo de forehand.

Cada um deles foi anexado com 47 marcadores retrorreflexivos. O equipamento deles também estava preso com fita refletora - um marcador foi colocado na parte inferior da alça da raquete, sete pedaços de fita refletora foram presos à armação da raquete e um único pedaço de fita refletora foi preso em torno da base da peteca.

Os ângulos articulares e o fator X (separação do plano transverso da pelve-tórax) foram calculados em instantes-chave: preparação, final da retração, ponto mais baixo da raquete, ponto de viragem e contato com a peteca.

As velocidades lineares do pico da articulação do ombro, cotovelo e punho, duração da fase e altura do salto também foram calculadas.

Os fatores que causam as variações nas velocidades de smash foram investigados.

Um achado interessante deste estudo foi a “correlação não significativa” da velocidade da peteca com a altura do salto.

Os resultados sugerem que jogadores e treinadores devem se concentrar nos movimentos proximais do segmento para aumentar a velocidade da peteca. Especificamente:

- Maior separação pélvis-tórax durante a fase de retração
- Maior rotação interna do ombro em contato com a lançadeira

Nenhum comentário:

Postar um comentário