Cup of China de Patinação Artística - Dia 1



O primeiro dia da Cup of China, quarta etapa do Grand Prix de Patinação Artística`disputada na cidade de Chongqing, foi marcado por dois retornos em alto estilo de competidores da casa em torneios internacionais. Nos Pares, os medalhistas de prata olímpicos Wenjing Sui e Cong Han venceram com um programa novo ousado e complexo, após um longo período de afastamento. No masculino, uma performance ao mesmo tempo brilhante e surpreendente de Han Yan (foto) valeu o primeiro lugar no dia e mostrou que o veterano chinês está novamente em boa forma, após uma luta de anos contra lesões cronificadas onde chegou a anunciar mudança de modalidade e até aposentadoria. Além desses resultados, o dia teve mais duas vitórias da Rússia: Anna Shcherbakova no feminino e a dupla Victoria Sinitsina e Nikita Katsalapov na Dança no Gelo.


Dança no Gelo:

Prova com sabor de retorno para as três duplas que lideraram a Dança Rítmica: todas ainda estão recuperando a rotina de competições após afastamentos relativamente longos. Victoria Sinitsina e Nikita Katsalapov, da Rússia ficaram com a maior pontuação do dia: 85.39 pontos. Os russos entraram no gelo após quase um mês parados após sua última competição, o Shanghai Trophy no início de outubro. Durante esse período sem competir, capricharam nos treinos e não decepcionaram. Ao som de "Singing in the Rain" executaram giros e levantamentos rotacionais em nível máximo, em um programa ágil e de valor alto.

A segunda melhor pontuação do dia ficou com Madison Chock e Evan bates, dos EUA, que vem de um segundo lugar obtido na semana passada, no Internationaux de France. Favoritos para a competição da China, tiveram uma performance bastante vibrante, mas acabaram tendo problemas com um padrão de passos interrompido precocemente que recebeu nível mínimo, terminando o dia cinco pontos atrás dos russos. Madison Chock reconheceu que existem ajustes técnicos necessários a fazer no programa, mas avaliou o saldo como positivo: "É o melhor que fizemos em nossas competições até agora." A dupla dos EUA ainda está em reajustes após mais de um ano afastados de torneios internacionais por motivos de saúde, mas já demonstra força e busca uma vaga nas finais do Grand Prix.

O terceiro lugar ficou com a dupla do Canadá Laurence Fournier Beaudry/Nikolaj Sorensen, que seguem em ótima fase após retornar de um ano de afastamento por motivos burocráticos.

Feminino:

Num dia em que algumas favoritas com saltos fortes não acertaram o pé—nenhuma tentativa de salto triplo Axel foi bem sucedida—sobrou espaço para rotinas de artisticidade e cargas emocionais fortes. A russa Anna Shcherbakova ficou com a melhor pontuação do dia e a melhor de sua carreira em um programa curto: sua complexa apresentação de "O Perfume" valeu 73.51 pontos. Em entrevista, Shcherbakova lembrou que mesmo sem os errosmaiores que cometeu no Skate America, há três semanas atrás, o programa ainda teve falhas e há trabalho a ser feito refinando saltos e sequência de passos: "Quero ainda mais qualidade para meus elementos". Um bom resultado classifica Shcherbakova para as finais do Grand Prix, dia 5 de dezembro, em Turim, Itália.

O segundo lugar do dia ficou com a japonesa Satoko Miyahara, que interpretou "Eguptian Disco" e marcou 68.91 pontos. A apresentação teve apenas erros técnicos pequenos e valeu a melhor nota de componentes de habilidade e artísticos do dia. Miyahara, que vem em um ano de novidades: mudou a base principal de treinos para o clube Granite, no Canadá, sob o comando do técnico Lee Barkell e agora está fazendo um programa de abordagem totalmente diferente dos que fazia quando treinava exclusivamente no Japão: "Eu queria mudar para um novo estilo, e ainda é um programa difícil para mim, preciso trabalhar mais na sequência de passos e na parte final. Mas as partes de dança são realmente divertidas."

Em terceiro ficou Amber Glenn, dos EUA. O resultado fez parte de um momento súbito e especial na vida da patinadora texana, 7a. colocada do Skate America: há menos de uma semana foi nomeada como substituta para a vaga deixada pela finlandesa Viveca Lindfors, que confirmou afastamento para fazer reabilitação de problemas de coluna. A convocação, feita às pressas, deu pouco tempo para a norte-americana ter uma preparação mais adequada. Mas Glenn foi firme, e com uma apresentação emocional e totalmente limpa ao som de "Scars" de Madilyn Bailey conseguiu a boa pontuação de 67.69, a melhor obtida em um programa curto em toda a sua carreira: "Acho que fui bem, considerando que só fiquei sabendo que eu vinha para cá cinco dias antes de viajar. Me senti realmente feliz, foi uma grande oportunidade." 


Masculino:

A mais aguardada performance acabou sendo uma vitória ao mesmo tempo nostálgica e surpreendente: Han Yan, um dos maiores nomes da patinação chinesa de cinco anos atrás voltou vencendo um programa curto em competições internacionais após dois anos parado. Sem quádruplos, mas com uma impressionante performance artística e de altíssima precisão, Yan marcou 86.46 pontos, pouco mais que um acima do compatriota Boyang Jin, que ficou na segunda posição.

Han Yan, três vezes bronze no Torneio dos Quatro Continentes e vencedor das Olimpíadas da Juventude e do Campeonato Mundial Júnior de 2012 vinha lutando com uma lesão de Bankart no ombro esquerdo que evoluiu para fraturas múltiplas de prognóstico desfavorável. A lesão era vista como praticamente irreversível, os tratamentos possíveis apenas tentativos e as chances do patinador voltar a ser competitivo na categoria individual como quase nulas. Operado em 2017, passou por um longo período de reabilitação onde cogitou-se sua mudança de categoria para Dança no Gelo, onde não precisaria realizar torções de corpo para saltar. Em abril de 2018, sua aposentadoria chegou a ser anunciada por meios de comunicação, embora uma nota divulgada pelo próprio Yan não esclarecesse o caso. De volta às competições individuais internacionais, o chinês realizou sua promessa pessoal de voltar a competir em alto nível: "Eu estou só feliz de estar aqui. Eu disse que queria voltar, e quero cumprir minha promessa. O programa curto não foi perfeito, teve errinhos, mas foi animador para mim atuar novamente em competição, eu aproveitei as boas-vindas dos espectadores e juízes", disse.

Boyang Jin, o segundo colocado teve uma queda no salto de abertura do programa, um quádruplo Lutz e teve alguns problemas de estabilidade na combinação de saltos quádruplo toeloop-duplo toeloop, mas ainda assim entregou uma performance forte e emocionante de seu programa curto. Jin explicou:  "Entrei com força demais no meu primeiro salto, perdi o controle e caí. No geral eu senti o resultado como muito positivo. mas eu não pude mostrar meu nível de treinamento hoje."

O terceiro lugar ficou com o italiano Matteo Rizzo, campeão da Universiade de Inverno de Krasnoyarsk-2019. A performance foi a melhor da temporada de Rizzo em um programa curto e teve boa nota de componentes artísticos e de habilidade, mas não foi isenta de falhas severas: após realizar com sucesso um salto quádruplo toeloop e um triplo Axel, ambos de boa avaliação, Rizzo caiu ao executar um salto triplo Lutz em combinação, o que causou a invalidação de ambos os saltos do elemento inteiro. Assim mesmo, o bom fluxo e execução bonita do resto do programa lhe valeu 81.72 pontos e o terceiro lugar: "Óbvio que não estou feliz com o que eu fiz, eu fiz uma bobagem enorme. Mas fiquei bem com o começo do programa, foi bem forte."


Pares:

Um retorno com autoridade e contra a adversidade: assim a dupla chinesa Wenjing Sui e Cong Han voltou a competir obtendo uma sólida vitória no programa curto, em uma performance sensual e dramática, de alto valor artístico e grau de complexidade extremamente elevado. Sui e Han marcaram 80.60 pontos, quase 12 a mais que os segundos colocados, Liubov Ilyushechkina e Charlie Bilodeau, do Canadá. A dupla chinesa, medalhista de prata nas Olimpíadas de PyeongCheng-2018 estava afastada de competições desde o Campeonato Mundial em abril deste ano, dando continuidade à reabilitação de Sui, que tinha lesões múltiplas nos pés..

Em entrevista, Cong Han declarou que a dupla ainda está recuperando o ritmo e timing ideal no gelo, e que deve apresentar resultados mais fluidos nas próximas disputas: "Foi uma boa performance, patinamos como fazemos nos treinos. É nossa primeira competição na temporada, então estávamos um pouco travados. Isso afetou a qualidade de alguns elementos".

Ilyushechkina e Bilodeau, do Canadá mais uma vez apresentaram uma performance que investiu em elementos acrobáticos e teve apenas um erro maior, no salto lado a lado. Ilyushechkina se disse feliz com o resultado: "Realmente gostamos do jeito que nos desenvolvemos para esse programa curto, e estava bastante firme. Houveram erros, mas conseguimos nosso 68 da sorte", comentou, apontando para o placar de 68.98, a melhor marca da dupla na temporada.

O terceiro lugar ficou com outra dupla chinesa, Cheng Peng e Yang Jin., que teve uma queda em um salto triplo toeloop, mas conseguiu uma apresentação boa mesmo com a falha, e somou 68.50 pontos. Yang Jin explicou que a dupla não tem treinado saltos com a constância habitual, poupando Cheng Peng que se machucou durante o Skate America, há três semanas.

Todas as tabelas com resultados, agenda de apresentações em horário local e súmulas detalhadas de julgamentos da Cup of China de 2019 estão disponíveis aqui, no site oficial de resultados do evento.


Foto: Twitter

Postar um comentário

Copyright © Surto Olimpico. Designed by OddThemes