Ranking Olímpico do Judô #05 - Medalhas no Pan-Americano alavancam posição dos brasileiros


No último final de semana, aconteceu em Lima, no Peru, o Campeonato Pan-Americano de Judô, que distribuiu vários pontos para o ranking mundial e olímpico. Evento importante para a seleção brasileira, que contou com 18 judocas em Lima.

Dos quinze judocas brasileiros, apenas 3 não ganharam medalhas. Na -73kg, David Lima e Lincoln Neves não subiram ao pódio e evidenciaram a dificuldade que a categoria está tendo para se firmar. Atualmente, a vaga está sendo conquistada mediante cota continental. Na -63kg, Alexia Castilhos perdeu uma boa oportunidade de firmar a liderança na categoria, que tem a disputa direta com Ketleyn Quadros.

Nas demais categorias, várias medalhas. O destaque ficou para as medalhas de ouro que vieram na -52kg (Larissa Pimenta), -66kg (Daniel Cargnin), -78kg (Mayra Aguiar) e +100kg (Rafael Silva). Brasil liderou o quadro de medalhas.

Não podemos esquecer que outros campeonatos continentais já aconteceram, como o Africano e o Ásia-Pacífico, o que também movimentou o ranking. 

Você ainda não sabe como serão distribuídas as vagas olímpicas para o judô? Acesse esse link, que o Surto explica tudo direitinho pra você.

Vamos as posições dos brasileiros no ranking olímpico do Judô: 

CATEGORIAS MASCULINAS 

(-60kg) 
Eric Takabatake (7º) 1230 pontos (classificado diretamente) 
Phelipe Pelim (18º) 607 pontos (classificado diretamente)*
Felipe Kitadai (22º) 455 pontos (não classificado) 
Análise: Eric Takabatake foi vice-campeão Pan-Americano. O resultado fez o brasileiro subir uma posição no ranking olímpico. Phelipe Pelim e Felipe Kitadai foram selecionados para o Grand Slam de Baku e terão que correr atrás do resultado para poderem se reaproximar de Eric. Nesse caso, estando Eric Takabatake e Phelipe Pelim classificados diretamente, a CBJ poderia decidir qual dos dois iria aos Jogos Olímpicos. 

(-66kg) 
Daniel Cargnin (5º) 1346 pontos (classificado diretamente) 
Charles Chibana (19º) 543 pontos (não classificado) 
Análise: Daniel Cargnin aproveitou bem a oportunidade no Pan, sagrou-se campeão e subiu nada menos do que 5 posições, aparecendo em ótimo 5º lugar. A distância para o Chibana, agora, supera 800 pontos. Chibana irá ao Grand Slam de Baku e terá de apresentar um grande desempenho. 

(-73kg) 
Eduardo Barbosa (25º) 572 pontos (classificado pela cota continental) 
Marcelo Contini (38º) 301 pontos (não classificado) 
Análise: Eduardo Barbosa e Contini não lutaram no Pan. Quem subiu no tatame no Pan foram os judocas David Lima e Lincoln Neves, porém nenhum dos dois alcançou o pódio e estão, momentaneamente, bem distante das vagas olímpicas. Eduardo mantém a dianteira na disputa para Tóquio, classificando-se pelas cotas continentais, mas Contini irá ao Grand Slam de Baku, necessitando de um resultado significativo. 

(-81kg) 
Eduardo Yudy (16º) 631 pontos (classificado diretamente) 
Victor Penalber (30º) 368 pontos (não classificado) 
Análise: Medalhista de bronze no Pan, Eduardo Yudy subiu duas posições no ranking e está, agora, na 16º posição. A categoria esteve há pouco tempo fora da região de classificação, mas tem melhorado seu desempenho. Victor Penalber, ainda sem lutar, perde mais posições. Yudy estará em Baku e pode se consolidar ainda mais.

(-90kg) 
Rafael Macedo (12º) 1001 pontos (classificado diretamente)
Análise: Outro que aproveitou bem o campeonato continental foi o Rafael Macedo. Com a prata, em Lima, o brasileiro galgou três posições e está em 12º agora. Irá ao Grand Slam de Baku e pode melhorar ainda mais a posição. 

(-100kg) 
Rafael Buzacarini (12º) 971 pontos (classificado diretamente) 
Leonardo Gonçalves (14º) 932 pontos (classificado diretamente)*
Análise: A CBJ optou por levar Leonardo Gonçalves para o Pan-Americano e o judoca não foi a passeio. Com o vice-campeonato, Leo se aproximou bastante de seu compatriota Rafael Buzacarini na disputa interna pela vaga olímpica. Agora, apenas 39 pontos os separam. Briga esquenta. Buzacarini terá a oportunidade de voltar a ampliar essa vantagem. Ele irá disputar o Grand Slam de Baku, enquanto que Leo ficará em bye. Estando Buzacarini e Leonardo Gonçalves na região de classificação, fica a cargo da CBJ decidir quem representaria o Brasil em Tóquio/2020.

(+100kg) 
Rafael Silva (3º) 1495 pontos (classificado diretamente)
David Moura (10º) 1207 pontos (classificado diretamente)*
Análise: A luta que todo mundo esperava aconteceu logo na final do Pan-Americano. A rivalidade entre Baby (Rafael Silva) e David Moura é antiga. Os dois são grandes judocas e tiveram um embate impressionante no último ciclo olímpico, para o Rio/2016. Dessa vez, não é diferente. Luta após luta, a disputa se mantém. Na final, Rafael Silva levou a melhor sobre o companheiro de equipe e conseguiu abrir uma boa margem, mas nada está definido. Rafael Silva subiu seis posições com o título continental. Está em 3º. David também subiu e se encontra no top 10. Estando Rafael Silva e David Moura classificados diretamente, a CBJ poderia decidir qual dos dois iria aos Jogos Olímpicos. 

CATEGORIAS FEMININAS 

(-48kg) 
Nathália Brígida (14º) 967 pontos (classificada diretamente)
Gabriela Chibana (19º) 462 pontos (não classificada) 
Análise: Brígida chegou à final de sua categoria, mas não foi páreo para a campeã Olímpica Paula Pareto (ARG). Mesmo assim, o seu desempenho garantiu duas posições acima e pontos preciosos na corrida olímpica. Sem ir ao pan, Chibana, que chegou a liderar a corrida olímpica no início, vê a diferença pra Brígida aumentar. Ambas estarão em Baku, o que aumenta a expectativa para a competição.

(-52kg) 
Larissa Pimenta (9º) 960 (classificada diretamente)
Eleudis Valentim (20º) 535 (não classificada)
Erika Miranda (22º) 503 pontos (aposentou-se) 
Jéssica Pereira (23º) 493 pontos (penalizada por doping) 
Análise: Larissa Pimenta não para de surpreender. A jovem passou o rolo compressor no Pan de Lima e foi campeã continental, com direito à vitória sobre a campeã olímpica Sarah Menezes. Larissa tem preenchido um vácuo que parecia difícil de ser alcançado. A categoria -52kg era defendido por ninguém menos do que Érika Miranda, uma das melhores judocas que o país já teve. Depois pela promessa Jéssica Pereira, que, infelizmente, foi pega no exame antidoping. Mas Larissa precisa ficar atenta a Eleudis Valentim, que está na briga pela classificação interna. Com as disputas continentais a todo vapor, Eleudis, que não foi ao Pan, está momentaneamente fora da zona de classificação, em 20º. As duas estarão em Baku.

(-57kg) 
Rafaela Silva (3º) 1864 pontos (classificada diretamente) 
Análise: Mais uma final para Rafaela Silva na temporada, mantendo sua constância. Porém, novamente a brasileira ficou com a medalha de prata. Mesmo assim, o bom desempenho fez a brasileira abrir distância para a 4ª colocada no ranking olímpico. 

(-63kg) 
Alexia Castilhos (14º) 707 pontos (classificada diretamente) 
Ketleyn Quadros (21º) 477 pontos (não classificada) 
Análise: Alexia Castilhos não teve tanto sucesso no Pan. Ficou na 5ª colocação. Foi uma oportunidade importante perdida, porque a disputa pela vaga é uma das mais acirradas. Ketleyn Quadros, que não foi ao Pan, terá de mostrar serviço em Baku, quando terá a oportunidade de se aproximar da colega de seleção.

(-70kg) 
Maria Portela (6º) 1256 pontos (classificada diretamente) 
Ellen Santana (23º) 489 pontos (não classificada) 
Análise: Mais uma final para Maria Portela na temporada. A medalha de ouro esteve em suas mãos, mas um ippon no último segundo de luta (literalmente), a fez ter que se contentar com a prata. A vitória poderia ter elevado ainda mais sua posição no ranking. A prata garantiu a atleta subir três posições. Ellen Santana, que esteve próxima de Portela, agora vê quase 800 pontos a sua frente. Terá que fazer uma boa competição em Baku.

(-78kg) 
Mayra Aguiar (1º) 1850 pontos (classificada diretamente) 
Samanta Soares (14º) 623 pontos (classificada diretamente)* 
Análise: Hexa campeã das Américas. Bom, hein!? Só mais um dia na vida da campeoníssima Mayra Aguiar. Se não bastasse a campanha dourada, a brasileira agora lidera o ranking olímpico e o ranking mundial simultaneamente. Embora tenha se mantido na 14º posição, Samanta Soares está distante da Mayra na disputa pela vaga olímpica. Estando ambas classificadas diretamente, a CBJ poderia decidir qual das duas iria aos Jogos Olímpicos. Apenas Mayra estará em Baku.

(+78kg) 
Maria Suelen Altherman (2º) 2050 (classificada diretamente) 
Beatriz Souza (6º) 1270 pontos (classificada diretamente)* 
Análise: Bom desempenho nas brasileiras no Pan. A categoria com resultados mais consistentes nesse ciclo olímpico trouxe duas medalhas para o país. A prata com Maria Suelen e o bronze com Beatriz.  O resultado fez Maria Suelen subir uma posição e Beatriz melhorar dois tentos. Na categoria, uma situação no mínimo inusitada acontece. Altheman leva larga vantagem no combate direto com Bia Souza, mas coleciona derrotas e mais derrotas contra Idalyz Ortiz (CUB), que se sagrou campeã no Pan. Por sua vez, Beatriz tem colocado Idalys no bolso quando se confrontam. A prova disso veio na disputa por equipes. Bia venceu a campeã olímpica e mundial duas vezes e foi a principal responsável pela conquista brasileira por equipes mistas. Com ambas classificadas, a CBJ poderia decidir qual das duas iria aos Jogos Olímpicos. Luíza Cruz não se classificou para a seleção 2019.

Entre os times, o IJF aponta que o Brasil estaria classificado, devido conter representantes nas categorias exigidas para disputa em equipes.

Fotos: Rafal Burza / CBJ

Postar um comentário

Copyright © Surto Olimpico. Designed by OddThemes