Últimas Notícias

Por onde andam: as brasileiras campeãs mundiais de basquete feminino em 1994

Divulgação/CBB

12 de junho é um dia histórico no basquete feminino brasileiro, pois faz 30 anos da conquista do título mundial que eternizou a geração de Paula,Hortência, Janeth e cia no coração do torcedor. O por onde anda volta para mostrar como estão as jogadoras que estiveram na vitória de 96 a 87 em cima da China estão fazendo hoje em dia.Confira abaixo:


4- Hortência - Considerada a rainha do basquete, Hortência foi a maior pontuadora do Brasil no mundial com 27.6 pontos por partida. No pós carreira, Hortência virou empresária, palestrante e atuou por anos como comentarista de basquete do grupo Globo

5- Helen Luz - Na época uma jovem e talentosa armadora que comandava a segunda unidade do Brasil, Helen Luz atuou no fim da carreira como dirigente e atualmente é comentarista de basquete nos canais ESPN

6- Adriana - Outro jovem talento daquela seleção, Adriana encerrou sua carreira em 2010, quando apssou trabalhar em projetos sociais e treinadora em categorias de bas no basquete. Ela também trabalhou alguns anos como dirigente na Confederação Brasileira de Basquete (CBB) 

7- Leila Sobral - Um dos grandes destaques da segunda unidade do Brasil, Leila, que é irmã mais nova de Marta Sobral, encerrou a carreira e virou empresária,comandando uma empresa de festas e buffet, e também atua palestrante e missionária evangélica

8 - Magic Paula - Outra craque daquele grupo, Magic Paula encerrou a carreira e se tornou gestora esportiva e empreendedora. É dona do instituto 'passe de mágica' e chegou a ser vice-presidente da Confederação Brasileira de Basquete (CBB). Atualmente, ela é Colegiado de Direção do Comitê Brasileiro de Clubes (CBC) e Conselheira Fiscal da Federação Paulista de Futebol (FPF) 

9- Janeth - Segunda cestinha do Brasil no mundial, com 23.3 pontos por jogo, Janeht se aposentou em 2007 e logo em seguida, fundou o Insituto Janeth Arcain. Ela também seguiu carreira como treinadora nas categorias de base, chegando até na seleção brasileira sub19 e atualmente é comentarista da TNT Sports e da Cazé TV

10 -Roseli Gustavo - Uma das armas defensivas de Miguel Angelo da Luz nos anos 90, Roseli após encerrar a carreira virou gestora, além de cuidar do insituto com o seu o nome. Desde 2018 ela coordena a equipe do Sesi Araraquara, onde trabalhou como cinco anos como técnica e é diretora de seleções de basquete feminino na CBB

11-Simone - Mais conhecida como 'Si', a pivô começou a cursar administração de empresas após encerrar a carreira em 2007. Recentemente, passou a cursar educação física e espera voltar ao mundo do basquete, de onde esteve afastada.

12 - Ruth - Outra pivô de importante papel defensivo na conquista do mundial, Ruth virou técnica em Três Lagoas (MS) após o fim da carreira, no início dos anos 2000. Ela faleceu em 2021 por conta da Covid-19.

13- Alessandra - Grande destaque defensivo daquela seleção, Alessandra teve uma longeva carreira na seleção e em clubes, encerrando a carreira em 2014. Atualmente ela é personal trainer, palestrante e treinadora de basquete 3x3

14-Cíntia Tuiú - Outra pivô de destaque na conquista do mundial, Cíntia Tiuú também teve uma carreira longeva, Cíntia foi morar na Itália após o fim da carreira em 2012 onde é treinadora das categorias de base 

15- Dalila - Após o título mundial, encerrou sua carreira um ano depois para seguir carreira em Zootecnia, em que ela se formou na universidade do Texas. Anos depois ela passou a trabalhar na secretaria de Esporte e Laser do município de Curitiba, onde nasceu, além de atuar na seleção brasileira master.

Técnico: Miguel Ângelo da Luz - Na época um jovem e promissor treinador, Miguel rodou por clubes do basquete feminino e masculino e hoje em dia é professor de educação física em um colégio no bairro de Botafogo, no Rio de Janeiro

0 Comentários

.

APOIE O SURTO OLÍMPICO EM PARIS 2024

Sabia que você pode ajudar a enviar duas correspondentes do Surto Olímpico para cobrir os Jogos Olímpicos de Paris 2024? Faça um pix para surtoolimpico@gmail.com ou contribua com a nossa vaquinha pelo link : https://www.kickante.com.br/crowdfunding/ajude-o-surto-olimpico-a-ir-para-os-jogos-de-paris e nos ajude a levar as jornalistas Natália Oliveira e Laura Leme para cobrir os Jogos in loco!

Composto por cinco editores e sete colaboradores, o Surto Olímpico trabalha desde 2011 para ser uma referência ao público dos esportes olímpicos, não apenas no Brasil, mas em todo o mundo.

Apoie nosso trabalho! Contribua para a cobertura jornalística esportiva independente!

Digite e pressione Enter para pesquisar

Fechar