Últimas Notícias

30 dias para Paris-2024: saiba mais sobre a 'máquina de títulos' Ana Marcela Cunha!




Faltam apenas 30 dias para os Jogos Olímpicos de Paris 2024! O destaque de hoje na nossa contagem regressiva é a Ana Marcela Cunha! Vamos conhecer um pouco mais sobre a primeira mulher brasileira a levar ouro em provas aquáticas

Nome: Ana Marcela Jesus Soares da Cunha

Local e data de nascimento:  Salvador (BA), 23 de março de 1992 

Olimpíadas

  • Pequim 2008  - 5º lugar - 10km da maratona aquática
  • Rio 2016 - 10º lugar - 10km da maratona aquática
  • Tóquio 2020  - Ouro - 10km da maratona aquática

Principais conquistas

  • Travessia Capri-Napoli 2014 (1º lugar - 36km) - novo recorde: 6 horas e 24 minutos
  • Copa do Mundo de Maratonas Aquáticas 2014 (1º lugar - 10km)
  • Heptacampeã mundial (25km: 2011, 2015, 2017, 2022 - 5km: 2019, 2022)
  • Hexacampeã do circuito mundial de águas abertas (2010, 2012, 2014, 2018,2021 e 2022)
  • Campeonato Pan-Pacífico 2018 (bronze - 10km)
  • Ouro nos Jogos Pan-Americanos de Lima-2019
  • cinco ouros nos Jogos Sul-Americanos (5km: 2006, 2010 - 10km: 2006, 2022 - 3km equipe: 2014)
  • Hall da fama internacional de natação em 2019
  • Prêmio de maior nadadora de águas abertas do mundo (2010, 2014, 2015, 2017, 2018 e 2019)


Você sabia?

  • É filha de pai nadador e mãe ginasta, que apoiaram Ana Marcela desde as primeiras braçadas
  • Começou a nadar aos dois anos, na creche que frequentava e aos 8 anos, já nadava em mares e rios e aos 14 fazia parte da seleção brasileira
  • Estreou na olimpíada na edição de Pequim aos 16 anos, onde terminou em quinto lugar
  • Após não se classificar para Londres, Ana Marcela se classificou para a Rio-2016 e terminou em décimo, muito por conta de não ter ficado sem sua suplementação durante a prova
  • É Terceiro-Sargento da Marinha brasileira
  • É a mulher brasileira com mais medalhas obtidas em campeonatos mundiais de esportes olímpicos, com 16 no total
  • Ana Marcela levou o o ouro olímpico com um show de estratégia, se mantendo no pelotão da frente para atacar nos 3km finais e garantindo a liderança até o fim da prova, vencendo com tranquilidade. 
  • Em 2016, a nadadora descobriu uma doença autoimune e precisou passar por uma cirurgia para retirar o baço no final do ano. Em menos de 2 meses, Ana Marcela retomou os treinos.  
  • Está atrás apenas de Larisa Ilchenko, outra multimedalhista em mundiais
  • Dá nome à prova “Troféu Ana Marcela”, realizado no Guarujá
  • Junto com Rayssa Leal, é a atleta mais patrocinada do Brasil, fechada com 13 marcas

0 Comentários

.

APOIE O SURTO OLÍMPICO EM PARIS 2024

Sabia que você pode ajudar a enviar duas correspondentes do Surto Olímpico para cobrir os Jogos Olímpicos de Paris 2024? Faça um pix para surtoolimpico@gmail.com ou contribua com a nossa vaquinha pelo link : https://www.kickante.com.br/crowdfunding/ajude-o-surto-olimpico-a-ir-para-os-jogos-de-paris e nos ajude a levar as jornalistas Natália Oliveira e Laura Leme para cobrir os Jogos in loco!

Composto por cinco editores e sete colaboradores, o Surto Olímpico trabalha desde 2011 para ser uma referência ao público dos esportes olímpicos, não apenas no Brasil, mas em todo o mundo.

Apoie nosso trabalho! Contribua para a cobertura jornalística esportiva independente!

Digite e pressione Enter para pesquisar

Fechar