Últimas Notícias

Brasil avança no masculino e é eliminado no feminino da Copa do Mundo de Basquete 3x3

Jogadores de Brasil e Madagascar durante o jogo
Foto: Divulgação/FIBA


Vai ter Brasil no mata-mata da Copa do Mundo de Basquete 3x3. Nesta quinta-feira, 1 de junho, o time masculino venceu Madagascar, caiu diante da Sérvia, e avançou com o segundo lugar do Grupo A para as oitavas de final do torneio disputado em Viena, na Áustria. O resultado já é o melhor da história do basquete masculino 3x3, que pela primeira vez avança ao mata-mata. Do outro lado, o feminino, que vinha da melhor participação em 2022, ficando entre as oito do mundo, caiu na primeira fase ao perder da Áustria e da Espanha.

A Seleção masculina terá pela frente nas oitavas de final uma equipe do Grupo D, que sairá de Países Baixos, Suíça, Mongólia ou Hungria. A partida será no dia 3 de junho, sábado, em horário ainda a ser divulgado pela FIBA 3x3, ao vivo no Youtube da FIBA e com delay no SporTV.

- Tivemos esse luxo de enfrentar a Sérvia, o melhor time do mundo, em um momento como esse, em que já estávamos classificados. Serve de aprendizado. E também de preparação para o mata-mata. Nós jogamos para vencer mas sabíamos o quão difícil era vencer os atuais campeões. Então por enquanto tudo está saindo como planejado. Iremos com certeza crescer mais durante a competição. Pelas possibilidades, devemos enfrentar alguma equipe com nível semelhante ao nosso. Jogo vai ser duro mas confio demais no trabalho que estamos fazendo - disse o treinador Luca Carvalho.

Na abertura da segunda rodada, a Seleção masculina dosou o ritmo e conseguiu controlar Madagascar para vencer por 20 a 17 e assim já garantir um lugar no mata-mata da Copa do Mundo. Branquinho foi muito bem nas bolas de fora para dar essa vantagem ao Brasil.

Depois, o Brasil mostrou que vem evoluindo no 3x3 ao fazer grande partida perante ao time que é considerado há anos o melhor do mundo. Um máquina de títulos, a Sérvia foi parada dura, mas o Brasil fez grande jogo, ofereceu boa resistência e chegou a estar à frente do placar, mas foi derrotado por 21 a 17.

No primeiro jogo do dia, a Seleção feminina fez um jogo duríssimo contra a Áustria. E manteve-se praticamente o jogo inteiro à frente do placar. Na reta final, com decisões também duvidosas da arbitragem, as austríacas viraram para 19 a 18, sob os olhares da torcida local em Viena.

No segundo duelo, contra a forte seleção da Espanha, o Brasil tentou equilibrar o jogo, mas acabou superado por 21 a 14, dando adeus à Copa do Mundo no feminino. Em 2022, a Seleção chegou ao mata-mata, ficando entre as oito melhores do mundo. E agora, vai buscar em 2024 retornar para o mata-mata.

- Não conseguimos a classificação para o mata-mata este ano, mas cada torneio é um aprendizado. Fizemos bons jogos, tivemos a chance da vitória contra a Áustria para conseguir a classificação, mas desta vez não deu. É trabalhar mais e voltar em 2024 para buscar uma campanha melhor para voltar no mata-mata e entre as oito do mundo como fizemos em 2022 - disse Lays.

Empate quintuplo no grupo C

O grupo C registrou um empate quintuplo entre todas as equipes. Polônia, Lituânia, Bélgica, Porto Rico e Israel empataram todos com 2 vitórias e 2 derrotas. No desempate, os poloneses avançaram diretamente para as quartas de final, enquanto lituanos e belgas vão para o playoff.

A França acabou se classificando em terceiro no grupo A, atrás de Sérvia e Brasil.

Na disputa feminina, Áustria e França empataram com três vitórias e uma derrota no grupo A, com as austríacas avançando em primeiro lugar para as quartas de final. As francesas e a Espanha vão para o playoff.

Pelo grupo C, o Canadá avançou em primeiro para as quartas de final. Estados Unidos e República Tcheca vão para os playoffs.

0 Comentários

.

APOIE O SURTO OLÍMPICO EM PARIS 2024

Sabia que você pode ajudar a enviar duas correspondentes do Surto Olímpico para cobrir os Jogos Olímpicos de Paris 2024? Faça um pix para surtoolimpico@gmail.com ou contribua com a nossa vaquinha pelo link : https://www.kickante.com.br/crowdfunding/ajude-o-surto-olimpico-a-ir-para-os-jogos-de-paris e nos ajude a levar as jornalistas Natália Oliveira e Laura Leme para cobrir os Jogos in loco!

Composto por cinco editores e sete colaboradores, o Surto Olímpico trabalha desde 2011 para ser uma referência ao público dos esportes olímpicos, não apenas no Brasil, mas em todo o mundo.

Apoie nosso trabalho! Contribua para a cobertura jornalística esportiva independente!

Digite e pressione Enter para pesquisar

Fechar