Últimas Notícias

Ucrânia pressiona por exclusão da Rússia dos Jogos de Paris 2024

 

Reprodução: apnews.com


Com a proximidade das Olimpíadas de Paris no próximo ano e a invasão da Rússia parecendo que ainda deve se prolongar, o ministro dos Esportes da Ucrânia reforçou a ameaça de boicote aos Jogos, isso se Rússia e Belarus puderem competir. Ele disse também que Kiev fará lobby para outras nações se juntarem ao boicote, tal movimento pode levar à maior ruptura no movimento olímpico desde a era da Guerra Fria.


Nenhuma nação declarou que vai boicotar os Jogos de 2024, mas a Ucrânia ganhou o apoio da Polônia, dos países bálticos e da Dinamarca, que se opuseram a ideia do Comitê Olímpico Internacional (COI) de permitir que delegações da Rússia e da aliada Belarus competissem em Paris como “atletas neutros”, sem bandeiras ou hinos.


O ministro ucraniano dos esportes, Vadym Huttsait, disse: “Não podemos comprometer a admissão de atletas russos e belarrussos”, disse o dirigente que também é responsável pelo comitê olímpico nacional, que ainda citou os ataques a seu país, mortes de atletas e destruição de instalações esportivas.


Uma reunião de seu comitê não se comprometeu com um boicote, mas aprovou planos para tentar persuadir as autoridades esportivas globais nos próximos dois meses – incluindo a discussão de um possível boicote.


Huttsait acrescentou: “Como última opção, mas observo que esta é minha opinião pessoal, se não conseguirmos, teremos que boicotar os Jogos Olímpicos”.


Paris será a última Olimpíada sob o comando do atual presidente do COI, Thomas Bach, que busca seu legado após um mandato marcado por disputas sobre o status da Rússia - primeiro por causa de escândalos de doping generalizados e agora por causa da guerra na Ucrânia.


O COI, que anteriormente recomendava excluir a Rússia e Belarus dos esportes mundiais por motivos de segurança, agora argumenta que não pode discriminá-los puramente com base na cidadania.


Os líderes da Estônia, Letônia e Lituânia também pediram ao COI que banisse a Rússia e disseram que um boicote era uma possibilidade.


“Acho que nossos esforços devem ser para convencer nossos outros amigos e aliados de que a participação de atletas russos e bielorrussos é simplesmente errada”, disse a primeira-ministra da Estônia, Kaja Kallas. “Portanto, o boicote é o próximo passo. Acho que as pessoas vão entender por que isso é necessário.”


O COI disse em comunicado que “essa ameaça de boicote só leva a uma escalada ainda maior da situação, não apenas no esporte, mas também em um contexto mais amplo. É lamentável que os políticos estejam usando mal os atletas e o esporte como ferramentas para atingir seus objetivos políticos”. Acrescentou sem rodeios: “Por que punir atletas de seu país pelo fato de o governo russo ter começado a guerra?”


O ministro dos Esportes da Polônia, Kamil Bortniczuk, disse que até 40 países podem condenar conjuntamente a participação da Rússia e de Belarus em Paris em um comunicado na próxima semana, mas que isso pode parar antes de uma ameaça de boicote.


A Dinamarca quer a proibição de atletas russos “de todos os esportes internacionais enquanto continuarem seus ataques à Ucrânia”, disse o ministro da Cultura dinamarquês, Jakob Engel-Schmidt. “Não devemos vacilar em relação à Rússia. A linha do governo é clara. A Rússia deve ser banida”, disse ele. “Isso também se aplica a atletas russos que participam sob uma bandeira neutra. É completamente incompreensível que aparentemente haja dúvidas sobre a linha no COI”.


A Ucrânia boicotou alguns eventos esportivos no ano passado, em vez de competir contra os russos. No entanto, Huttsait disse que um boicote seria muito difícil, dizendo que era “muito importante para nós que nossa bandeira estivesse nos Jogos Olímpicos; é muito importante para nós que os nossos atletas estejam no pódio. Para mostrarmos que a nossa Ucrânia foi, é e será.”


Marta Fedina, 21, medalhista olímpica de bronze na natação artística, disse em Kiev que estava “pronta para um boicote”. “Como vou explicar aos nossos defensores se estou presente no mesmo campo esportivo com essas pessoas”, disse ela, referindo-se aos atletas russos.


Os palestrantes da reunião da assembléia do Comitê Olímpico Ucraniano levantaram preocupações sobre o uso de Paris por Moscou para propaganda e observaram os laços estreitos entre alguns atletas e os militares russos.


A secretária de imprensa da Casa Branca, Karine Jean-Pierre, disse na quinta-feira que se os atletas dos dois países competirem, “deve ficar absolutamente claro que eles não estão representando os estados russo ou de Belarus".


Se a proposta do COI entrar em vigor, Paris será a quarta Olimpíada consecutiva em que atletas russos competirão sem a bandeira ou o hino nacional. As equipes russas nas Olimpíadas de Inverno em 2018 e 2022 e nas Olimpíadas de Verão em 2021 foram todas apanhadas nas consequências de uma série de casos de doping.


A última vez que vários países boicotaram uma Olimpíada foi em 1988, quando a Coreia do Norte e outros se recusaram a participar dos Jogos de Verão na Coreia do Sul. A seleção norte-coreana não compareceu aos Jogos de Tóquio em 2021, citando preocupações com a pandemia de coronavírus. Como resultado, o COI o barrou dos Jogos de Inverno seguintes em Pequim, dizendo que as equipes tinham o dever de comparecer a todas as Olimpíadas. 


Embora o COI dê o tom do debate ao publicar conselhos sobre como ajudar a Rússia e Belarus a competir, as decisões devem ser tomadas pelos órgãos dirigentes de esportes individuais que organizam eventos no programa de Paris. Essas organizações, muitas sediadas na sede do COI em Lausanne, na Suíça, realizam suas próprias competições classificatórias e olímpicas e decidem os critérios de elegibilidade para atletas e equipes.


A União Ciclística Internacional assinou o plano do COI antes de seus eventos de qualificação olímpica para permitir que atletas russos e bielorrussos compitam como “neutros”. O atletismo mundial de atletismo e a FIFA de futebol estavam entre os esportes que excluíam atletas e times russos poucos dias após o início da guerra. Tênis e ciclismo permitem que muitos russos e belsrrussos continuem competindo como neutros. Outros órgãos governamentais estão mais alinhados com o COI ou tradicionalmente têm fortes laços comerciais e políticos com a Rússia.


Uma reunião importante deve acontecer em 3 de março em Lausanne, do grupo de esportes dos Jogos de Verão, conhecido como ASOIF. É presidido por Francesco Ricci Bitti, ex-membro do COI quando liderou a Federação Internacional de Tênis, e inclui o presidente do World Athletics, Sebastian Coe.

0 Comentários

.

APOIE O SURTO OLÍMPICO EM PARIS 2024

Sabia que você pode ajudar a enviar duas correspondentes do Surto Olímpico para cobrir os Jogos Olímpicos de Paris 2024? Faça um pix para surtoolimpico@gmail.com ou contribua com a nossa vaquinha pelo link : https://www.kickante.com.br/crowdfunding/ajude-o-surto-olimpico-a-ir-para-os-jogos-de-paris e nos ajude a levar as jornalistas Natália Oliveira e Laura Leme para cobrir os Jogos in loco!

Composto por cinco editores e sete colaboradores, o Surto Olímpico trabalha desde 2011 para ser uma referência ao público dos esportes olímpicos, não apenas no Brasil, mas em todo o mundo.

Apoie nosso trabalho! Contribua para a cobertura jornalística esportiva independente!

Digite e pressione Enter para pesquisar

Fechar