Últimas Notícias

Justiça de São Paulo diz que Tandara 'beira a má-fé' ao culpar farmácia por doping

Foto: JUNG Yeong-je/AFP

 

Tandara Caixeta, que foi condenada pelo (Tribunal de Justiça Desportiva Antidopagem) TJDAD a quatro anos de suspensão por doping, pelo uso de Ostarina, estaria agindo de má fé, segundo a Justiça de São Paulo. Para o tribunal, a ex-jogadora estaria tentou culpar a farmácia de manipulação pela presença de ostarina, em atualização do caso divulgado pela coluna Olhar Olímpico do UOL nesta sexta-feira (3).

Segundo Tandara, o remédio fitoterápico que comprou em uma farmácia de São Paulo, estaria contaminado com Ostarina, substância proibida no âmbito esportivo e que possui comercialização restrita no Brasil.

O fator que complica a teoria da defesa de Tandara é que não existem provas que que a farmácia teria manipulado. Também pesa contra o fato dos laboratórios que trabalham com fitoterápicos e anabolizantes serem de naturezas distintas, o que torna bem improvável uma contaminação.

"Não existe o mínimo indício de que a ré teria, acidentalmente, manipulado o produto. Os documentos apresentados pela ré, emitidos pela vigilância sanitária, apontam que sua licença é apenas para produzir fitoterápicos", diz trecho da sentença do juiz Mario Sergio Leite, divulgado pela coluna.

Marcelo Franklin, advogado de Tandara, já conseguiu vitórias na justiça antidoping com a defesa de que, se um suplemento enviado para análise da justiça antidopagem estava contaminado com uma substância X, é provável que o suplemento também estivesse contaminado, alterado. No caso em questão, com osatrina.

A Associação Nacional de Farmacêuticos Magistrais (Anfarmag) já afirmou há tempos que essa contaminação cruzada em produtos e medicamentos é "uma hipótese extremamente improvável"

Após receber a suspensão, Tandara tentou carreira política como candidata a deputada federal pelo MDB, defendeu pautas anti trans e contra mulheres no esporte, se alinhou a direita paulista e não conseguiu se eleger.

O processo de Tandara corre em segredo na 2ª Vara Cível de Osasco, bem como o processo na Justiça Civil.

Com informações do Olhar Olímpico do UOL, de Demétrio Vecchioli

0 Comentários

.

APOIE O SURTO OLÍMPICO EM PARIS 2024

Sabia que você pode ajudar a enviar duas correspondentes do Surto Olímpico para cobrir os Jogos Olímpicos de Paris 2024? Faça um pix para surtoolimpico@gmail.com ou contribua com a nossa vaquinha pelo link : https://www.kickante.com.br/crowdfunding/ajude-o-surto-olimpico-a-ir-para-os-jogos-de-paris e nos ajude a levar as jornalistas Natália Oliveira e Laura Leme para cobrir os Jogos in loco!

Composto por cinco editores e sete colaboradores, o Surto Olímpico trabalha desde 2011 para ser uma referência ao público dos esportes olímpicos, não apenas no Brasil, mas em todo o mundo.

Apoie nosso trabalho! Contribua para a cobertura jornalística esportiva independente!

Digite e pressione Enter para pesquisar

Fechar