Últimas Notícias

Em busca de um sonho: Conheça Luiz Felipe, velocista de Caieiras

 

Sorridente, Luiz Felipe mostra sua cesta de chocolates e sua placa, com seu Instagram e Pix (Foto: Surto Olímpico)

Quem passa pela região do Jd.Paulistano, na zona oeste de São Paulo ou pela estação Cidade Jardim da CPTM, já deve ter visto ele. Com pouco mais de 1,70m, um jovem de porte atlético com 21 anos de idade está vendendo chocolates e outros doces. Não é uma cena muito diferente de outras regiões da metrópole, mas o seu caso é especial.

Luiz Felipe Muniz de Sousa é natural de Caieiras, região metropolitana de São Paulo e sai todos os dias de sua cidade para poder vender comida. O seu objetivo é apenas ganhar dinheiro? Não! E é isso que o diferencia. Luiz é velocista - tem como especialidade os 100 e os 200m - e treina dia sim, dia não das 06h às 10h na pista de Caieiras para chegar às 12h na capital e poder trabalhar.

Seu tempo nos 100m é 10.67s e nos 200m, segundo o próprio, está na casa dos 21 segundos, entre 21.09 (sua melhor marca) e 21.25s. Luiz tem um problema, por não ter um clube e não estar federado, suas marcas não estão registradas na CBAt (Confederação Brasileira de Atletismo), mesmo estando entre os 30 mais rápidos do país.

O atleta já participou de regionais no estado e tentará em 2023, participar do Troféu Brasil de atletismo. Ele já deixou sua ficha pelos clubes da capital paulista, para tentar - finalmente - conseguir se profissionalizar, se federar e conseguir viver do seu esporte.

Para conseguir investir em si mesmo e poder pagar suas contas, Luiz Felipe vende chocolate nas ruas do Jd.Paulistano e guloseimas na estação Cidade Jardim. Ele conta que não conseguiria manter um emprego fixo, pois um patrão não o liberaria, talvez, para um fim de semana de competição.

"Eu vivo sozinho, pago aluguel, tenho contas tenho finanças para arcar, então eu empreendo para poder dar conta das minhas finanças e também da conta das despesas que o treinamento de alto rendimento traz né? Com a suplementação e a academia aqui no caso. No momento, eu não estou nem conseguindo fazer por conta do financeiro, né, mas deveria estar fazendo também, né?", conta Luiz.

Detalhe da placa que Luiz carrega enquanto passa pelas ruas de São Paulo vendendo doces (Foto: Surto Olímpico)

"A parte de treinamento, é a que eu mais gasto, a parte que mais exige aí eu desembolsar um valor (maior) para poder tá seguindo um treino de forma correta. Ainda assim tem me faltado algumas coisas, né? Para conseguir tá alcançando um desempenho maior", completou ele, ressaltando que não está conseguindo fazer academia.

A sua dedicação chega a ser reconhecida pelos clubes. Alguns dos quais ele deixou sua ficha chegaram a entrar em contato, mas por enquanto, ele segue sem ter uma camisa para representar. Luiz não irá desistir, logo no começo de 2023 irá fazer uma seletiva em São Bernardo, buscando um lugar ao sol.

É possível ajudá-lo não apenas comprando os seus doces. O jovem atleta pode ser ajudado através de sua chave pix: luizfelipemunizdesousa@gmail.com .



1 Comentários

  1. Parabéns pelo trabalho de divulgar e direcionar uma luz aos atletas brasileiros

    ResponderExcluir

.

APOIE O SURTO OLÍMPICO EM PARIS 2024

Sabia que você pode ajudar a enviar duas correspondentes do Surto Olímpico para cobrir os Jogos Olímpicos de Paris 2024? Faça um pix para surtoolimpico@gmail.com ou contribua com a nossa vaquinha pelo link : https://www.kickante.com.br/crowdfunding/ajude-o-surto-olimpico-a-ir-para-os-jogos-de-paris e nos ajude a levar as jornalistas Natália Oliveira e Laura Leme para cobrir os Jogos in loco!

Composto por cinco editores e sete colaboradores, o Surto Olímpico trabalha desde 2011 para ser uma referência ao público dos esportes olímpicos, não apenas no Brasil, mas em todo o mundo.

Apoie nosso trabalho! Contribua para a cobertura jornalística esportiva independente!

Digite e pressione Enter para pesquisar

Fechar