A mentalidade campeã do conjunto brasileiro juvenil de ginástica rítmica


O Pan-Americano juvenil de ginástica rítmica acabou no último domingo (13) e teve como grande destaque, a atuação do conjunto brasileiro, que venceu todos as competições que disputou: o geral, as cordas e as bolas.

As apresentações foram muito boas e levantaram o público em todos os dias de competição, mas não foi só isso que tornou a equipe, a grande campeã do torneio.

Lavínia Silvério, Isadora Bedushi, Fernanda Heinemann, Laura Gamboa e Yumi Moriyama passaram três meses longe de casa, afastada de pais e amigos, por como elas mesmo disseram, um propósito. O objetivo era o Pan e o desafio era grande.

Por isso, Juliana Coradine, técnica do conjunto, implementou a filosofia "o processo dói, mas o resultado é a cura."

O que é essa filosofia?

Conjunto brasileiro nas cordas (Foto: Ricardo Bufolin/CBG)

Segundo a própria treinadora, a mentalidade foi implementada devido o curto tempo entre o início dos treinamentos e a competição, apenas três meses.

"No começo, elas sentiram um pouquinho a diferença, porque é diferente você treinar dentro do clube e dentro de uma seleção brasileira, que a carga horária dobra né? Treinar de manhã e de tarde são muitas repetições, mas desde o primeiro dia até hoje antes de entrar na quadra, eu expliquei para elas que a gente consegue.", disse ela em entrevista ao Surto.

A equipe conta com atletas adolescentes, sendo formada por atletas entre 13 e 15 anos, em uma idade na qual ocorrem muitas diferenças de humor e personalidades bem diferentes. 

Juliana então explicou que no começo foi difícil, mas aprendeu a lidar com as dificuldades e conseguiu juntar a equipe.

"Eu fui aprendendo como lidar, algumas eu percebi que eu tinha que chamar mais para perto algumas eu já dar uma acordada assim numa palavra mais firme e ela já entendia. Durante o treino a gente vê que tem uma situação mais sensível, tem uns que são mais firmes. Tem umas que às vezes são mais lentas no processo, mas a gente conseguiu juntar isso daí e esse objetivo primeiro foi alcançado agora", comentou a técnica.

O que pensam as atletas?

Após os três ouros, as atletas faziam questão de deixar claro que elas estavam satisfeitas com o que fizeram e que valeu a pena todo o processo. 

"No final, tudo vale a pena, porque foi para isso e é para isso que a gente treina, porque a gente tem um propósito", disse uma das atletas.

"A gente faz de tudo pelo objetivo. Ficar longe dos pais por três meses tem um propósito, a gente trabalhou para isso e se uniu para isso. Chegamos e falamos, vamos que dá e a gente foi, se abraçou e juntas, completamos umas às outras como uma equipe".

Os próximos passos da equipe são o Sul-Americano em outubro, na Colômbia e o Mundial, em 2023. 

Foto; Ricardo Bufolin/CBG

Postar um comentário

To Top