Bruna Takahashi alcança o Top 20 do ranking mundial de tênis de mesa


Realizadora de sonhos. É dessa forma que Bruna Takahashi pode ser definida. A atleta chegou a uma posição em que nenhuma brasileira alcançou em toda a História: o Top 20 do ranking mundial. O feito era uma das metas estabelecidas pela brasileira, que foi alcançado na terça-feira (3) em lista divulgada pela Federação Internacional de Tênis de Mesa (ITTF).

No ranking atualizado, Bruna figura na 19ª colocação com 780 pontos, um salto de 11 posições em comparação com o último ranqueamento.

“É um sonho realizado, eu consegui cumprir. Isso me dá mais motivação para continuar subindo no ranking, para melhorar ainda mais o meu tênis de mesa e para conquistar mais bons resultados para o Brasil”, comemorou a brasileira, que estará no card preliminar do Desafio Brasil x França.

Antes número 30 do mundo, a paulista ascendeu ainda mais na lista da ITTF após algumas mudanças aplicadas no ranking mundial pela entidade. Dentre elas estão a exclusão total dos “pontos iniciais”, que premiava os atletas pelas oito melhores campanhas de suas respectivas carreiras (elemento transitório durante a pandemia de Covid-19), e a prorrogação da validade da pontuação obtida em 2021 para a primeira semana de 2023.

Bruna Takahashi tem sido afortunada na sua busca para tornar sonhos realidade. Há dez anos, em entrevista ao apresentador Fausto Silva, o Faustão, ela relatou que queria ser campeã mundial, objetivo alcançado no Desafio Mundial de Cadetes em 2015. Anos mais tarde, Bruna tornou público a vontade de estar na lista das vinte melhores atletas do mundo, desejo realizado nesta terça-feira.

A brasileira vem fazendo história no tênis de mesa brasileiro. Desde o início do ano, a atleta de 21 anos já havia conseguido o melhor ranking feminino de todos os tempos para mesa-tenistas do Brasil. Mais tarde, em março, ela foi a primeira a entrar no Top 30 do mundo.

Ao lado da porto-riquenha Adriana Díaz (que chegou ao nono lugar do ranking mundial), Bruna está no topo da lista dentre os atletas das Américas. Para ela, as latino-americanas podem muito mais.

“A gente pode ir muito mais longe, somos novas ainda. Mostra que a América Latina tem o poder de chegar lá. Não ajuda somente a nós, mas também as crianças que estão começando agora perceberem que nada é impossível, independente do lugar que você está e de onde você veio. Se você insistir nos seus sonhos e trabalhar duro, você consegue chegar aonde você quiser”, garantiu Bruna.

Nascida em São Bernardo do Campo-SP, a número 19 do mundo sabe da admiração que provoca em toda a comunidade do tênis de mesa. Ela leva isso de uma forma bem positiva e usa o carinho recebido como combustível para continuar.

“Tento levar de uma forma positiva (a admiração), porque é algo muito legal de se pensar. Muitas crianças olham para você e observam como você treina, as pessoas assistem a jogos que você jamais imaginaria que elas estariam assistindo. Isso me dá muito mais energia para continuar trabalhando”, afirmou a brasileira, que completou sobre o que representa para outras mulheres:

“Fico muito feliz em saber pelo que eu represento. Como mulher, é muito difícil porque muitas pessoas não te dão a visibilidade adequada, mas, com os resultados alcançados por todas as outras mulheres, como a Adriana (Díaz), mostram que não somente os homens estão conseguindo atingir boas marcas, mas a gente também, pois trabalhamos igual a eles”.

Desde o início da temporada europeia de 2021/2022, a brasileira defende um novo clube no Velho Continente, o TTC 1946 Weinheim, da Alemanha. Bruna foi um dos destaques da Bundesliga, o que prova a boa fase vivida por ela no cenário internacional.

“Eu saí de Portugal (jogava pelo Sporting), uma liga média, para uma muito forte, uma das mais disputadas da Europa. Perdi apenas dois jogos por lá e fiquei na terceira colocação no ranking de jogos. Fiquei contente com os meus resultados, pois eu não imaginava me sair tão bem e regular na temporada. Foi uma das melhores que tive na minha carreira, fiquei muito feliz de ter ajudado a minha equipe a se manter na primeira divisão”, comemorou.

Além da marca no individual, Bruna, ao lado de Vitor Ishiy, voltou ao Top 15 do ranking mundial das duplas mistas ao chegar no 13º lugar. Essa é a melhor marca da principal parceria mista das Américas.

Outros brasileiros no ranking mundial


Com as mudanças implementadas pela ITTF, as posições de outros brasileiros foram alteradas na lista divulgada nesta terça-feira. No feminino, o destaque vai para Caroline Kumahara, que saltou e, agora, está no 77º lugar (32 de diferença em relação ao último ranking). Giulia Takahashi também pegou o elevador e é a atual número 280 do mundo, bem como Laura Watanabe na 352ª colocação (ambas saltaram mais de 400 posições). Por outro lado, Jessica Yamada caiu mais de 20 lugares e, com isso, é a 161ª.

No masculino, o principal atleta das Américas, Hugo Calderano, perdeu uma colocação e, agora, é o quarto melhor mesa-tenista do mundo. Gustavo Tsuboi foi para o 53º lugar, Vitor Ishiy para o 59º, Eric Jouti para o 89º e Thiago Monteiro para o 131º.

Foto: ITTF Americas

Postar um comentário

To Top