Judocas da seleção brasileira comemoram período de treinos ao lado de Teddy Riner


Já imaginou treinar ao lado do seu maior ídolo, que também é considerado uma lenda da modalidade que você pratica? Foi essa experiência que João Cesarino, de 26 anos, teve a oportunidade de viver nesta sexta-feira, 11/03. O judoca do Instituto Reação, do Rio de Janeiro, abri os randoris (simulações de luta) no primeiro treino de Teddy Riner na sala de esportes de combate do Centro de Treinamento do Comitê Olímpico do Brasil (COB). Os dois, além de Rafael Silva, bronze em Londres 2012 e na Rio 2016, Juscelino Nascimento e Ruan Isquierdo estão participando do treinamento de campo promovido pela Confederação Brasileira de Judô (CBJ) até o dia 19 de março.

“Não vou mentir, comecei com um certo receio. Tem que ter respeito por um cara desse para treinar. Senti ele muito forte, mas também achei que dá pra pegar (no quimono), dá pra lutar. Quero chegar mais solto nos próximos treinos para poder sentir de verdade, até porque sei que ele também não deu o 100% dele. Treino é diferente da luta”, comentou João.

“É uma oportunidade incrível treinar com uma referência mundial. Ter ele aqui na nossa casa, no Rio de Janeiro, no dia a dia, é diferente. Podemos contar nos dedos quantos países que ele vai treinar. Então, temos que aproveitar”, completou.

Mesmo para quem está acostumado a treinar e enfrentar o francês nas maiores competições internacionais, vai ser importante ter tanto tempo e sessões de treinos ao lado de decacampeão mundial. Nada melhor do que treinar ao lado de um tricampeão olímpico para seguir evoluindo.

“É muito bom ter o privilégio de ter ele aqui em casa. Lá fora é difícil treinar com ele porque é muito concorrido. Poder pegar no quimono dele todo dia é um baita aprendizado. Eu e ele estamos numa fase parecida, procurando inspiração, buscando forças para poder enfrentar mais um ciclo olímpico e chegar bem nos Jogos. Juscelino e Cesarino ainda não tinham tido a oportunidade de treinar com ele e acredito que vai ser uma experiência que vai ser muito proveitosa para ambos”, disse Baby.

Ele ainda não projeta Paris 2024, mas quer seguir buscando evolução a cada ano deste ciclo olímpico. “Este é um ciclo para ter mais tranquilidade, buscar o equilíbrio de quantas competições vou fazer, como vão ser meus treinamentos de campo. Acho que isso é o mais importante”, contou o dono de duas medalhas olímpicas e que foi derrotado justamente por Riner na repescagem em Tóquio.

Foto: Rafael Bello/COB

Postar um comentário

To Top