Treinos mostram nível da dificuldade que esqui cross-country terá em Pequim 2022

Eduarda Ribeiro em Pequim

Não está fácil para ninguém. O termômetro marcava -16° quando Manex Silva, do esqui cross-country, entrou na pista para um dos últimos treinamentos antes de sua estreia em Pequim 2022 no próximo dia 06. Pra completar, a sensação térmica era bem mais baixa, de -24°, no Cento Nacional de Esqui Cross-country, em Zhangjiakou, porque ventava bastante. As condições são as mesmas que os atletas vem enfrentando desde o primeiro treino, no dia 30. Mesmo para quem está acostumado, a preparação não tem sido fácil.

“Os treinos foram duros, mas não pela atividade em si, pela pista mesmo. É um circuito muito duro, muito mesmo. A temperatura é muito baixa e, normalmente, tem muito vento. A neve é artificial e, por isso, a neve é mais pesada e mais dura para esquiar”, comentou Manex.

“A pista é bem alta também, acima de 1700m, o que faz a pista mais dura ainda. Eu acho que ainda não me adaptei muito bem nesse tipo de percurso porque é bem diferente de qualquer outro lugar onde já esquiei”, completou o atleta de 19 anos.

A temperatura não foi o maior problema para Jaqueline Mourão, que estava treinando numa temperatura semelhante no Canadá, onde mora. O que mais chamou a atenção da atleta, que chega à sua quinta edição de Jogos Olímpicos de Inverno, foi o desnível do circuito, com uma altimetria bastante ampla, com muitas subidas e descidas, o que exige muito dos atletas.

“É um circuito digno de Jogos Olímpicos mesmo, muito exigente. Foi importante chegar cedo, tivemos já sete dias de treino, principalmente, para se aclimatar à altitude e ao fuso. Já fiz um simulado de prova de 5km para me habituar com as curvas, para chegar forte nas descidas e também sentir como meu corpo vai reagir no percurso nessa altitude. Como são duas voltas, vamos ter que saber como dosar para chegar bem”, disse Mourão, que irá disputar a inédita prova de Sprint por equipes ao lado de Eduarda Ribera, de 17 anos. A experiência de outros quatro Jogos Olímpicos de Jaqueline tem sido importante para ajudar a estreante.

“A Jaqueline me ajudou muito. Com a experiência dela, a gente conseguiu planejar os treinos que estão bem intensos, mas têm sido legais. Aqui é muito alto, tem sido um pouco difícil porque nos primeiros dias tive que me adaptar ao fuso e à altitude. Está sendo um bom teste para mim que vou estrear, principalmente para o coração. Está sendo uma experiência muito boa”, disse Eduarda.

Nesta sexta, Jaqueline teve um day off, já que vai conduzir a bandeira do Brasil na Cerimônia de Abertura. A atleta planeja ainda, ao lado de Duda, mais algumas atividades intensas até a estreia das duas no próximo dia 08, na prova de Sprint individual. E alertou para uma outra questão importante: a neve artificial irá exigir um planejamento ainda mais detalhado do tipo de esqui.

“Agora são mais alguns treinos para abrir o motor. O Sprint vai exigir muito fisicamente, se comparado com as outras pistas que competi nos Jogos Olímpicos. O gelo gruda muito e acaba tirando a cera muito rápido, gerando mais resistência e exigindo mais força dos atletas. Nós estamos testando vários tipos diferentes de esqui para escolher o melhor para o momento. Na prova de 50km, os atletas vão poder trocar de esqui algumas vezes. Vai ser uma prova também de estratégia com pit stop, estilo Fórmula 1”, completou.

Foto: Alexandre Castello Branco/COB

Postar um comentário

To Top