Surto Lista - Os Momentos inusitados da Olimpíada de Tóquio

 

Após  revisitarmos alguns dos momentos mais emocionantes dos Jogos de Tóquio, chegou a hora de nós relembrarmos os momentos mais inusitados dessa olimpíada, que nos arrancaram risadas, raiva, estranheza, vergonha alheia, nos fizeram dançar... Sem muitas delongas, vamos rever todos esses momentos e se faltar algum, fala pra gente nos comentários:


- Dean Boxall enlouqueceu!


O técnico de Ariane Titmus (AUS), Dean Boxall, comemorou a vitória de sua pupila sobre Katie Ledecky nos 400m nado livre por apenas 0,67 segundos da maneira mais ensandecida possível. Sua comemoração extremamente efusiva assustou até a voluntária japonesa que estava perto. Mas ver sua atleta vencer uma das melhores nadadoras da história deve ser muito empolgante mesmo... Relembre no vídeo abaixo:



- Morhad Amdouni derrubando garrafas d'água na maratona


Vale tudo para chegar na frente dos adversários? Para o maratonista francês Morhad Amdouni, parece que sim. Ele virou notícia por ter derrubado fileira de garrafas de água no posto onde os corredores podem passar para se refrescar durante a maratona olímpica e pegando exatamente a última garrafinha da fila. Após uma câmera pegar o gesto e ele ser muito criticado nas redes sociais, o Amdoudi disse que sua mão 'escorregou' e ele derrubou as garrafas ' por acidente'. Bem, veja o vídeo abaixo e tire suas próprias conclusões. 



- Andy Cruz 'Michael Jackson'

Foto: Ueslei Marcelino/Reuters


O boxeador cubano Andy Cruz derrotou Keyshawn Davis dos Estados unidos na decisão da categoria leve no boxe. E para comemorar o primeiro ouro olímpico, o cubano resolveu mandar uns passos de dança do seu grande ídolo, Michael Jackson. Será que ele cantou também? 




- Calma, b*ceta c*ralho!


Em um pedido de tempo, Alison resolveu usar da tática do xingamento motivacional para fazer seu parceiro Álvaro entrar no jogo contra a dupla dos Países Baixos Brouwer e Meeuwsen. O que ele não esperava era que o áudio da câmera que os focalizavam captasse o momento exato em Alison mandava "Respira! Calma, b*ceta c*ralho!", o que causou risos do narrador da Globo Luis Roberto, que tentou contornar os palavrões que saíram ao vivo em rede nacional com ajuda do comentarista Emanuel


No fim, os xingamentos deram certo, Alison e Álvaro venceram a partida e depois que ficaram sabendo que tinham viralizado. Eles riram e pediram desculpa pelo palavrões em rede nacional às 10 da manhã. 


- Lutador de sumo assustando cavalos?


foto: Reuters


Adornos que remetem ao país sede da olimpíada na competição de saltos no hipismo é algo bem tradicional, mas em Tóquio um desses adornos teria assustado os cavalos durante as disputas. Um boneco em forma de lutador de sumô que ficou no obstáculo número 10, teria assustado pelo menos uns cinco cavalos.


"É muito realista. Parece uma pessoa e é meio que assustador. Você sabe, cavalos não querem ver uma pessoa, o algo que pareça alguém, perto de um obstáculo, olhando para eles como se estivessem prontos para atacar." disse o cavaleiro israelense Teddy Vlock na época.



- Van Vleuten comemorando a medalha errada


Foto: Matthew Childs/Reuters


Ammeniek Van Vleuten foi novamente notícia durante a olimpíada. Se em 2016 ela sofreu um grave acidente sendo o grande susto da olimpíada do Rio de Janeiro, em 2021 ela acabou sendo responsável pela gafe da olimpíada de Tóquio.


Ao cruzar a linha de chegada na prova de ciclismo pista, a neerlandesa comemorou efusivamente, pois ela achava que tinha vencido e conquistado o ouro. Mas ela não conquistou. O que ninguém esperava era que a austríaca Anna Kiesenhofer fizesse a prova da vida e levasse esse ouro com 1 minuto e 15 segundos de vantagem para Van Vleuten.


A justificativa para falha da neerlandesa é que ao contrário da World tour, não se corre com comunicação via rádio na prova olímpica. E como Van Vleuten não viu ninguém na sua frente e sem ninguém pra avisar do seu resultado, deduziu que tinha vencido a prova. Ao menos ela não saiu sem o seu ouro de Tóquio, já que ela venceu a prova do contrarrelógio.


- É Brasil, rocambole! pra não falar c*ralho!


A delegação brasileira de boxe recebeu uma reclamação formal da TV portuguesa após Hebert Conceição comemorar efusivamente com alguns palavrões sua ida a semifinal da categoria até 75kg, garantindo pelo menos a medalha de bronze, ter sido captado pelas câmeras.

Para contornar a situação, Bia Ferreira após vencer a finlandesa Mira Potkonen e chegar a grande decisão da categoria até 60kg, gritou: "É Brasil, rocambole!", mostrando que o doce seria gritado ao invés do palavrão. Só que na final de Hebert contra o ucraniano Oleksandr Khyzhniak, após conseguir um nocaute espetacular e garantir o ouro, Hebert não se conteve e gritou:  "É Brasil, rocambole! Pra não falar c*ralho!" o que viralizou nas redes sociais durante os jogos.



- caiaque remendado com camisinha

foto: reprodução/instagram


Uma das grandes favoritas na canoagem slalom, a australiana Jéssica fox se viu com um grande problema após a semifinal do K1: o bico do seu kaiaque se quebrou e sem ter muito tempo para reparar o equipamento, ela e o seu treinador resolveram usar para proteger o local quebrado onde foi colado com uma mistura de carbono uma camisinha, já que a cola não secaria a tempo da decisão.


E deu certo a gambiarra. Jéssica disputou a final e ficou com o bronze. Ela ainda foi ouro na C1, se tornando a primeira mulher a conquistar medalha as duas modalidades em uma mesma olimpíada.


- Tom Daly fazendo tricô


Craque dos Saltos ornamentais, o britânico Tom Daley viralizou nos jogos de Tóquio ao ser flagrado tricotando na arquibancada. Com doze dias de diferença para a prova em dupla para individual, Daley, teve tempo de fazer uma roupa para cachorro, um saquinho para colocar a medalha conquistada e um suéter inspirado nos anéis olímpicos e na Grã-Bretanha. 


O atleta aprendeu tricô e crochê na quarentena, quando passou um período isolado em casa com a mãe, Debbie, o marido, Dustin Lance Black, e o filhinho, Robbie. “Foi assim que preservei a sanidade mental”, diz. Ele tem inclusive um perfil exclusivo para mostrar as peças feitas e todo o lucro da venda é revertido para The Brain Tumor Charity, que atua em pesquisas para combater o câncer no cérebro no Reino Unido.


- Peixinho fotogênico


Ana Marcela Cunha foi arrasadora na prova da maratona aquática, tanto que o fotógrafo do COB Joni Roriz captou o exato momento de um peixinho saindo da frente da atleta durante a prova. Um cena surreal captada pelo fotógrafo que parou nos jornais de todo o país e chegou até no perfil oficial dos Jogos Olímpicos, que considerou a foto uma das mais belas de Tóquio. Perguntado pelo UOL sobre o que pensa da foto, Joni afirmou : "Toda vez que eu vejo a foto tenho vontade de rir. É como se ele estivesse dizendo: 'Cara, vaza que tá passando um trator aí!'"


- Skatista atropelando câmera


As competições de skate na olimpíada foram sucesso absoluto em Tóquio. Tivemos muitas dancinhas que poderiam entrar aqui, mas na lista entra o momento em que o skatista Kieran Woolley, ao tentar usar todo o 'bowl' na classificatória do Skate Park acabou acertando um câmera que filmava sua volta. O câmera atropelado mesmo no chão não deixou de filmar em nenhum momento. Kieran ficou todo preocupado e tentou oferecer ajuda após o feito.  No fim, ficou tudo bem com o câmera e e com Woolley, que terminou em quinto na competição. 



- Técnico de vôlei da França dando um peixinho pra 'salvar' o ponto

Foto: Reprodução

França e Polônia foi um jogaço válido pelas quartas de final do vôlei masculino em Tóquio. O jogo foi tão disputado que em determinado momento do 5º set, quando a França vencia por 12 a 6 e León da Polônia explorou o bloqueio,  o técnico francês Laurent Tillie deu um peixinho na tentativa de salvar um ponto e conseguiu uma bela defesa. Talvez ele tenha esquecido que o treinador não pode participar efetivamente das jogadas...


Após o lance de feito, Tillie cobrou sua equipe efusivamente. E a cobrança deu certo já que a França fechou o set por 15 a 9, venceu o jogo avançando para a semifinal. E dias depois, os franceses conquistaram o inédito ouro olímpico.


- Multiplicação de 'besuntados'

Foto: Reprodução


Pita Taufatofua mais uma vez desfilou besuntado na cerimônia de abertura dos Jogos de Tóquio. Mas o que ele não esperava é que teria rivais que também levaram um estoque de óleo de coco na mala para desfilar besuntado em busca de 'quebrar' a internet também. O porta-bandeira da Vanuatu,  Riilio Rii, também aderiu ao estilo e levou os internautas à loucura. E na cerimônia de encerramento dos Jogos, três atletas de Samoa desfilaram sem camisa e besuntados de óleo. A concorrência está grande para o 'besuntado de Tonga', que vai ter que se reinventar se quiser causar na próxima cerimônia de abertura em Paris...



- DJ Stari MVP da Olimpíada



Após o furor causado pela sua participação na bolha da Liga das Nações, onde foi viralizou nas redes pelo repertório personalizado para cada seleção, DJ Stari marcou presença em Tóquio com suas playlist, tocando de Pablo Vittar passando por Raça Negra e indo até em louvor gospel pra tentar motivar as jogadoras brasileiras em Tóquio, virando ídolo nacional entre os 'vôleifãs' e todos os brasileiros que acompanharam o vôlei nos Jogos Olímpicos, que agora querem Stari em toda competição possível e imaginável (nós apoiamos a causa).

0 Comentários