Campanha histórica do Brasil em Tóquio será celebrada no Prêmio Brasil Olímpico nesta terça-feira


Depois de dois anos de espera, chegou a hora da festa de gala do esporte brasileiro homenagear os melhores atletas do país em um ano histórico para o esporte brasileiro. Organizado desde 1999 pelo Comitê Olímpico do Brasil (COB), o Prêmio Brasil Olímpico acontece nesta terça-feira, dia 7, no Teatro Tobias Barreto, em Aracaju (SE), e celebrará a melhor participação do Brasil em Jogos Olímpicos.

Prêmio principal da noite, o troféu de Melhor Atleta do Ano, tem como concorrentes os medalhistas olímpicos nos Jogos de Tóquio, Ana Marcela Cunha (maratonas aquáticas), Rayssa Leal (skate) e Rebeca Andrade (ginástica artística), no feminino; e Hebert Conceição (boxe), Isaquias Queiroz (canoagem velocidade) e Italo Ferreira (surfe), no masculino.

Além dos 51 melhores atletas de cada modalidade em 2021, todos os medalhistas em Tóquio foram convidados para subir ao palco para uma homenagem especial. A vitoriosa participação brasileira nos Jogos Pan-americanos Jr. de Cali também terá espaço de destaque na cerimônia. Representando todos os medalhistas brasileiros na competição, Maria Eduarda Alexandre, da ginástica rítmica, e Igor de Queiroz, do Wrestling, subirão ao palco do evento para receberem uma placa comemorativa. Em Cali, o Time Brasil conquistou 164 medalhas, sendo 59 ouros, 49 pratas e 56 bronzes e terminando a competição na liderança do quadro de medalhas.

“Temos muito a comemorar no retorno do Prêmio Brasil Olímpico, já que ano passado não foi possível realizar a festa por causa do estágio da pandemia. O ano de 2021 foi muito especial para o esporte brasileiro. Conseguimos superar todas as dificuldades para realizar a melhor campanha olímpica da história em Tóquio. Além disso, nossos jovens acabaram de mostrar que estão no caminho certo com a grande campanha que fizeram nos Jogos Pan-americanos Júnior de Cali”, disse o presidente do COB, Paulo Wanderley Teixeira. “Tenho certeza de que o PBO será uma grande celebração ao talento do atleta brasileiro que, em 2021, foi colocado à prova e, mais uma vez, respondeu à altura”, completou o presidente do COB.

Para valorizar a melhor campanha da história olímpica brasileira, pela primeira vez serão 20 concorrentes ao prêmio Atleta da Torcida, sendo dez mulheres e dez homens: Alison Santos (atletismo), Ana Marcela Cunha (maratonas aquáticas), Beatriz Ferreira (boxe), Bruno Fratus (natação), Darlan Romani (atletismo), Douglas Souza (vôlei), Fernanda Garay (vôlei), Formiga (futebol), Gabriel Medina (surfe), Hebert Souza (boxe), Isaquias Queiroz (canoagem velocidade), Ítalo Ferreira (surfe), Kahena Kunze (vela), Martine Grael (vela), Mayra Aguiar (judô), Pedro Barros (skate), Rayssa Leal (skate), Rebeca Andrade (ginástica artística), Robert Scheidt (vela), Rosamaria Montibeller (vôlei).

Representando os valores positivos do esporte, o Troféu Adhemar Ferreira da Silva será entregue à Janeth dos Santos Arcain, uma das estrelas da principal geração do basquete feminino do Brasil, e dona de duas medalhas olímpicas - prata em Atlanta 1996 e bronze em Sydney 2000 – e do título mundial em 1994. Janeth receberá a homenagem das mãos da filha do Adhemar, Adyel Silva.

Haverá ainda a entrega dos troféus de Melhores Treinadores do Ano para André Jardine (futebol), nas modalidades coletivas; Fernando Possenti (maratonas aquáticas), Francisco Porath (ginástica artística), Javier Torres (vela), Lauro Souza (canoagem velocidade) e Mateus Alves (boxe), nas individuais.


E ainda haverá duas novidades: o Troféu Transforma, para projetos que transmitam os Valores Olímpicos, e o Prêmio Inspire, uma homenagem  às mulheres de destaque no Movimento Olímpico do Brasil.

A noite reservará outros momentos marcantes. Quatro ídolos do esportes terão a cerimônia de entrada no Hall da Fama realizada: Magic Paula, campeã mundial de basquete em 1994 e prata nos Jogos Olímpicos Atlanta 1996; Sebastián Cuattrin (canoagem velocidade), 11 medalhas em Jogos Pan-americanos; e os já falecidos Adhemar Ferreira da Silva (atletismo), bicampeão olímpico no salto triplo; e Tetsuo Okamoto (natação); primeiro medalhista olímpico da natação brasileira: bronze nos 1.500m livre, em Helsinque 1952.

Foto: Julio Cesar Guimarães

0 Comentários