Oscar Pistorius pode ser posto em liberdade condicional após conversa com os pais da vítima - Surto Olímpico

Pesquisar:

Arquivo do blog

Últimas Notícias

Oscar Pistorius pode ser posto em liberdade condicional após conversa com os pais da vítima

Compartilhe





A ex-estrela do esporte paralímpico Oscar Pistorius pode ganhar liberdade condicional após cumprir metade de sua pena de 13 anos e 5 meses por assassinato de Reeva Stenkamp, com quem ele namorava. Para isso, o sul-africano terá que ter uma reunião e estabelecer um diálogo com os pais da modelo.


Segundo a lei da África do Sul, é necessário um diálogo entre vítima e infrator que dá a vítima ou a família dela o direito de exigir um encontro cara a cara antes que o infrator tenha seu pedido de liberdade condicional aceito pela justiça. A família tem o poder de referendar ou vetar a sua soltura.


Segundo a mídia sul-africana, os pais de Reeva Barry e June Steenkamp, querem ouvir da boca de Pistorius por que ele matou a filha deles. "Eles (Barry e June) acham que Reeva tem voz. Eles são a voz de Reeva, e devem isso à sua filha amada", disse Tania Koen, a advogada dos Steenkamps, em entrevista coletiva hoje (8). A expectativa é que o encontro aconteça até o fim do ano. Pistorius pode, desde julho, solicitar a liberdade.


Após o encontro com o assassino da filha, os pais de Reeva terão permissão para fazer recomendações ao conselho de liberdade condicional, mas ainda não se sabe se eles vão se opor à libertação de Pistorius No ano passado, Bill Schroder, antigo professor de Pistorius na escola, que o visitou quatro vezes na prisão, disse que o maior objetivo do corredor é o perdão da família. "Ele está mais preocupado com o perdão do que realmente em liberdade condicional. Na verdade, ele tem muito medo de conseguir liberdade condicional, pois sabe que isso será uma reação adversa", comentou 


Oscar Pistorius assassinou sua namorada em 14 de fevereiro de 2013 em sua casa em Pretória ao atirar quatro vezes através da porta do banheiro onde Reeva estava. O atleta alegou ter sido um acidente, pois achava que era um ladrão, mas o julgamento concluiu que o assassinato foi um feminicídio. Meses antes, Oscar tinha feito história em ser o primeiro atleta paralímpico a disputar uma olimpíada no atletismo, ficando na semifinal dos 400m rasos.


foto: Divulgação

Com informações do UOL


Nenhum comentário:

Postar um comentário