Guia Paralimpíadas Tóquio 2020: Taekwondo - Surto Olímpico

Pesquisar:

Arquivo do blog

Últimas Notícias

Guia Paralimpíadas Tóquio 2020: Taekwondo

Compartilhe
Quais são as regras do parataekwondo

O PARATAEKWONDO

Versão adaptada do taekwondo, o parataekwondo fará sua estreia em Jogos Paralímpicos este ano, em Tóquio, com a disputa de seis categorias, todas de luta (kyorugui), sendo três masculinas (61kg, 75kg e +75kg) e três femininas (49kg, 58kg e +58kg). O parataekwondo também compreende poomsae, que consiste em uma série de movimentos individuais, mas a disciplina não faz parte do programa paralímpico.

Os atletas do parataekwondo possuem algum tipo de deficiência física, principalmente nos braços, com amputação ou não. Os parataekwondistas são divididos em duas classes de acordo com a deficiência: K44 e K43. Oficialmente, apenas a K44 integra o programa paralímpica, mas os lutadores da K43, que é voltada para atletas com mais um grau de comprometimento, também podem competir.

Assim como em outras lutas, o parataekwondo é uma disputa entre dois atletas. No caso específico da modalidade, cada um utiliza um colete de uma cor, um azul e outro vermelho, e meias com 12 sensores em pontos distintos do pé. O colete possui sensores que são capazes de medir a potência do chute quando em contato com a meia do oponente.

Parataekwondo nas Paralimpíadas
Socos também são válidos no parataekwondo, mas não valem pontos (Foto: Daniel Zappe/Exemplus/CPB)

O objetivo principal do parataekwondo é atingir o colete do adversário com chutes. Para cada tipo de chute, há uma pontuação diferente: 2 pontos para chute reto, 3 pontos para chute giratório em 180º e 4 pontos para chute giratório em 360º. Ainda é dado 1 ponto para cada falta cometida pelo adversário (no caso de chutes altos, por exemplo).

Cada luta é realizada em três rounds de dois minutos, com um minuto de intervalo entre eles. Ganha o atleta que tiver mais pontos ao término do último round. Caso acabe empatado, haverá um golden score, uma espécie de round extra em que quem fizer os dois primeiros pontos vence. O combate ainda pode ser encerrado antes do fim do terceiro round, no caso específico de um atleta conseguir uma diferença de 20 pontos sobre o adversário, o que configura superioridade técnica.

CLASSIFICAÇÕES

Há apenas duas divisões de classe no parataekwondo nas disputas do kyorigui (luta): a K44 e a K43. A K44, oficialmente no programa paralímpico, contempla atletas com amputação unilateral do cotovelo até a articulação da mão, dismelia unilateral, monoplegia, hemiplegia leve e diferença de tamanho nos membros inferiores. Já a K43 representa amputação bilateral do cotovelo e, apesar da diferenciação, podem competir nas Paralimpíadas junto aos da K44.

K43 - Atletas com amputação bilateral do cotovelo até a articulação da mão, dismelia bilateral

K44 - Atletas com amputação unilateral do cotovelo até a articulação da mão, dismelia unilateral, monoplegia, hemiplegia leve e diferença de tamanho nos membros inferiores

Classes do parataekwondo
Duas atletas da classe K44 lutando no Parapan de Lima (Foto: Daniel Zappe/Exemplus/CPB)

HISTÓRICO DO BRASIL

O Brasil fará sua primeira aparição no parataekwondo em Jogos Olímpicos, logo na estreia da modalidade no programa. O país contará com três atletas: Silvana Cardoso (58kg), Débora Menezes (+58kg) e Nathan Torquato (61kg).

O Brasil chega com expectativas altas com seus três classificados. Débora foi campeã mundial e prata no Parapan de Lima em 2019, enquanto Nathan e Silvana foram campeões parapan-americanos no mesmo ano, tendo à época apenas 18 e 20 anos, respectivamente.


BRASILEIROS EM TÓQUIO-2020

Brasileiros no parataekwondo nas Paralimpíadas de Tóquio
Silvana Cardoso não participou do Mundial de 2019, mas venceu os Jogos Para-Pan-Americanos de Lima (Foto: Alê Cabral/CPB)
Silvana Cardoso (58kg): K44
Idade: 22 anos
Altura: 1,65m
Participações paralímpicas: 0

Brasileiros no parataekwondo nas Paralimpíadas de Tóquio
Mais experiente entre os parataekwondistas brasileiros, Débora Menezes é atual campeã mundial (Foto: Daniel Zappe/Exemplus/CPB)
Débora Menezes (+58kg): K44
Idade: 31 anos
Altura: 1,60m
Participações paralímpicas: 0

Brasileiros no parataekwondo nas Paralimpíadas de Tóquio
Nathan Torquato tem apenas 20 anos e é uma das grandes chances de medalha brasileira (Foto: Alê Cabral/CPB)
Nathan Torquato (61kg): K44
Idade: 20 anos
Altura: 1,70m
Participações paralímpicas: 0

DISPUTAS

Homens: 61kg, 75kg, +75kg
Mulheres: 49kg, 58kg, +58kg

CALENDÁRIO

01/09, a partir das 22h
49kg feminina: oitavas e quartas
61kg masculina: oitavas e quartas

02/09, a partir das 05h
49kg feminina: semi e final
61kg masculina: semi e final

Calendário do parataekwondo em Tóquio
O parataekwondo terá três dias de disputas em Tóquio-2020 (Foto: Alê Cabral/CPB)
02/09, a partir das 22h
58kg feminina: oitavas e quartas
75kg masculina: oitavas e quartas

03/09, a partir das 05h
58kg feminina: semi e final
75kg masculina: semi e final

03/09, a partir das 22h
+58kg feminina: oitavas e quartas
+75kg masculina: oitavas e quartas

04/09, a partir das 05h
+58kg feminina: semi e final
+75kg masculina: semi e final

Nenhum comentário:

Postar um comentário