Andre de Grasse conquista o ouro nos 200m de Tóquio-2020 - Surto Olímpico

Pesquisar:

Arquivo do blog

Últimas Notícias

Andre de Grasse conquista o ouro nos 200m de Tóquio-2020

Compartilhe


Depois de quatro medalhas de cores distintas, o canadense Andre de Grasse finalmente conquistou seu primeiro ouro olímpico. Ele venceu  nesta quarta-feira (04) os 200m rasos dos Jogos de Tóquio, com direito a novo recorde nacional, marcando 19.62. O campeão superou os estadunidenses Kenneth Benarek e Noah Lyles, que faturaram prata e bronze, respectivamente.


De Grasse foi vice-campeão nesta prova na Rio-2016, ficando atrás apenas de Usain Bolt. Ele ainda foi bronze nos 100m e no revezamento 4x100m naquela edição, além de bronze nos 100m em Tóquio, há quatro dias. Pensando em competições grandes, o canadense também nunca havia conquistado um ouro: foi bronze nos 100m nos Mundiais de 2017 e de 2019 e prata nos 200m no Mundial de 2019.


De Grasse não chegou com grandes expectativas em Tóquio, já que não vinha fazendo boas competições este ano - tinha como melhor marca 19.89 -. Ele cresceu na competição e bateu o recorde nacional já nas semifinais, com 19.73, chegando na final com a melhor marca entre os classificados, balizado na raia 6.


O canadense "voou" na decisão. Ele não teve um início tão bom e cresceu nos 100m finais, disputando até os últimos metros com Bednarek e Lyles. Bednarek anotou 19.68, seu recorde pessoal, enquanto o campeão mundial Lyles marcou 19.74 para ficar com o bronze - marca que não foi nem mesmo o seu melhor na temporada. O também estadunidense Erriyon Knighton foi o quarto, com 19.93.


Andre de Grasse, que tem 26 anos, é apenas o terceiro atleta de seu país a conquistar o ouro nos 200m rasos, o primeiro em 93 anos. O canadense também entra num seleto grupo de atletas que medalharam nas duas provas mais rápidas do atletismo em duas edições olímpicas seguidas, que tem o norte-americano Carl Lewis (1984 e 1988), o namibiano Frankie Fredericks (1992 e 1996), o trinitino Ato Boldon (1996 e 2000) e o jamaicano Usain Bolt (2008, 2012 e 2016).


Foto de capa: Aleksandra Szimigiel/REUTERS

Nenhum comentário:

Postar um comentário