Treinador de Joaquim Cruz e Zequinha Barbosa morre no Catar - Surto Olímpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Pesquisar:

Últimas Notícias

Treinador de Joaquim Cruz e Zequinha Barbosa morre no Catar

Compartilhe

Luiz Alberto de Oliveira, um dos maiores treinadores de atletismo do Brasil e do mundo, com atletas ganhadores de diversas medalhas em Olimpíadas, Mundiais e Jogos Pan-Americanos, dentre outras competições internacionais e nacionais, faleceu na quarta-feira (30), em Doha, no Catar, onde estava trabalhando há até pouco tempo. Ele estava internado tratando de problemas renais e teve uma parada cardíaca. A Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt) decretou três dias de luto oficial pela importância desse grande personagem.

De temperamento forte e de uma competência ímpar, Luiz Alberto, paulista de São José do Rio Preto, nascido a 11 de fevereiro de 1950, foi o responsável por toda a carreira do campeão olímpico Joaquim Cruz, desde convencê-lo a deixar o basquete em Brasília até levá-lo às maiores glórias do esporte, como o bronze no Mundial de Helsinque-1983, o ouro na Olimpíada de Los Angeles-1984, a prata na Olimpíada de Seul-1988 e outras muitas conquistas. Reconhecido como seu segundo pai, Joaquim resumiu sua tristeza. "O Luiz viveu a vida numa intensidade de 1:41.00 nos 800 m e agora está descansando."

Fez o mesmo com uma grande legião de atletas, como Zequinha Barbosa, Agberto Guimarães, Hudson Santos, Sanderlei Parrela, Wander do Prado Moura, entre muitos outros do Brasil, sem contar com diversos competidores de outros países, que ele orientou nos Estados Unidos e no Catar. Com certeza, dezenas de atletas estão de luto neste momento, bem como os integrantes da comunidade do atletismo.

Foi técnico de supercampeãs como a norte-americana Mary Decker e Maria Mutola, de Moçambique. assim como do somali Abdi Bile e da maratonista japonesa Akemi Masuda.

No Brasil, Flavia Lima, campeã brasileira e sul-americana dos 800 m este ano, lamentou a doença de seu treinador nessas conquistas, comovida pelo drama de saúde de seu mentor, desde que treinava com ele em Uberlândia (MG) e em Manaus (AM). Orientou muitos outros brasileiros vencedores como Pedro Paulo Chiamulera, Edgar Martins de Oliveira, Gilmar da Silva Santos...

“O Luiz Alberto foi um treinador uns 30 anos na frente de todo mundo. Acompanhei todo o seu problema. Estou muito chateado por ele não terminar sua vida trabalhando no Brasil e não consigo definir a dor imensa que estou sentindo. É uma grande tristeza”, comentou Zequinha Barbosa, que nos últimos meses foi um contato entre o treinador e outros atletas que ele orientou no Brasil e no mundo. Zequinha tem inúmeras conquistas como as medalhas de prata no Mundial de Tóquio-1991 e de bronze no Mundial de Roma-1987, além do ouro no Mundial Indoor de Indianápolis-1987 e da prata em Budapeste-1989, também em pista coberta.

Agberto Guimarães, um dos melhores meio-fundistas da história do Brasil, ao lado de Joaquim e Zequinha, também deu seu depoimento. “É triste saber que uma pessoa com a qual a gente conviveu parte importante da vida tenha falecido. E tão longe de todo mundo. Mas, ao mesmo tempo, acompanhando o que vinha acontecendo com o Luiz nos últimos tempos, a doença, ele descansou. E que Deus o tenha e ajude a família. Muito triste”, disse o campeão pan-americano dos 800 m e dos 1.500 m nos Jogos de Caracas-1983.

Sanderlei Parrela e Wander Moura prestaram homenagens nas redes sociais. "Que momento triste. Você fará falta na vida de muitos. Como eu sempre te disse, você transformou a minha vida. Dói saber que meu amigo, meu segundo pai, não está mais entre nós", escreveu Sanderlei, recordista brasileiro e vice-campeão mundial dos 400 m em Sevilha-1999. "Treinador obrigado por tudo que foi para mim, mestre, treinador, amigo, pai e uma pessoa responsável por meus grandes resultados.Que Deus possa lhe receber em seus braços, gratidão eterna por tudo. Você fará falta", comentou Wander, recordista sul-americano dos 3.000 m com obstáculos.

O presidente do Conselho de Administração da Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt), Wlamir Motta Campos, faz questão de reverenciar o treinador. “O Luiz Alberto foi um dos gigantes do atletismo mundial, enalteceu o Brasil mundo afora, democratizando seu conhecimento, fazendo campeões em vários campos do mundo e especialmente no Brasil. Foi o primeiro e único treinador do Joaquim Cruz, do Zequinha, Agberto, Hudson Santos, Sanderlei Parrela, entre muitos outros”, comentou Wlamir. “O Brasil perde uma grande referência. Apaga-se uma luz do atletismo, uma pessoa pela qual tinha uma elevadíssima estima, respeito e consideração. Tive o prazer e a oportunidade de conversar muito com ele, que nos apoiou nesta jornada. Que o arquiteto do universo o receba em seu descanso eterno.

Luiz Alberto teve de retirar um rim em novembro passado e estava fazendo hemodiálise, enquanto esperava um possível transplante. Ele havia sofrido um AVC ainda no Brasil e recentemente teve de colocar seis stents. O pulmão, o coração e o fígado também foram prejudicados.

Foto: Arquivo Pessoal

Nenhum comentário:

Postar um comentário