Guia Tóquio 2020: Triatlo - Surto Olímpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Pesquisar:

Últimas Notícias

Como funciona o triatlo

FICHA TÉCNICA
Local de disputa: Parque Marinho de Odaiba
Período: 26/07 (masculino), 27/07 (feminino) e 31/07 (revezamento misto)
Número de países participantes: 39
Total de atletas: 110 (55 homens e 55 mulheres)
Brasil: 3 atletas: Luisa Baptista (individual feminino), Manoel Messias (individual masculino) e Vittoria Lopes (individual feminino)


HISTÓRICO
O triatlo foi um dos principais destaques de Sidney 2000, quando fez sua estreia. A competição feminina foi um dos primeiros eventos logo na manhã do sábado, dia 16, acontecendo próximo à famosa Ópera de Sidney. A australiana Michellie Jones chegou a liderar, mas ficou com a prata, e a Suíça foi ouro e bronze, com Brigitte McMahon sendo a primeira campeã olímpica do esporte.

Na competição masculina, que aconteceu no dia seguinte, o australiano Greg Welch era um dos principais favoritos, mas teve que abandonar o sonho de levar um ouro em casa depois de descobrir um problema cardíaco, e o ouro foi para o Canadá, com Simon Whitfield.

Pelo feminino, Loretta Harrop levou outra prata para a Austrália em Atenas (com vitória da austríaca Kate Allen), até que o ouro finalmente foi para down under em Pequim 2008, com triunfo de Emma Snowsill. Em Londres, o hino da Suíça voltou a tocar com Nicola Spirig, que quase conseguiu o bi olímpico, mas perdeu o ouro para a estadunidense Gwen Jorgensen na Rio 2016. Na cidade brasileira, foi a primeira vez que a Austrália não levou uma medalha no triatlo feminino.

Nicola Spirig e Gwen Jorgensen final triatlo 2016
Spirig e Jorgensen correram lado a lado para alegria do público na Rio 2016 (foto: reprodução / Triathlon Magazine)
Entre os homens, a primeira dobradinha aconteceu em Atenas, com a Nova Zelândia levando ouro e prata no masculino (Hamish Carter e Bevan Docherty). Em Pequim, o alemão Jan Frodeno foi ouro.

O britânico Alistair Brownlee levou o ouro na frente de sua torcida, em Londres - única vez que isso aconteceu no triatlo -, e seu irmão Jonathan Brownlee ficou com o bronze. No Rio, os irmãos subiram novamente juntos ao pódio, com Alistair levando o bicampeonato e desta vez em dobradinha: Jonathan ficou com a prata, pouco atrás.


BRASIL
O Brasil sempre teve ao menos um atleta tanto na competição masculino, quanto na feminina. As melhores participações brasileiras em ambos os naipes vieram lá na estreia, em Sidney: Sanda Soldan foi 11ª, enquanto Leandro Macedo foi 14º. Em Londres, Pamella Oliveira chegou a estar no pelotão da frente, mas perdeu terreno e terminou em 30º lugar.

Juraci Moreira e Mariana Ohata são os únicos brasileiros a participar de três Jogos Olímpicos, de Sidney 2000 até Pequim 2008. Aliás, o 22º lugar de Juraci Moreira em 2000 ainda é o terceiro melhor resultado brasileiro da história.

Um total de seis homens e quatro mulheres já representaram o Brasil no triatlo. Em Tóquio, será a primeira vez desde Sidney que a delegação brasileira estará composta apenas de estreantes: Manoel Messias, no masculino, Luisa Baptista Vittoria Lopes somarão 13 atletas olímpicos do Brasil no triatlo.

Quais são as provas do triatlo

FORMATO DE DISPUTA
Na disputa individual, os 55 participantes largam para 1,5km de natação, e depois seguem para 40km de ciclismo, antes de terminar com uma corrida de 10km. A transição de cada prova deve ser feita numa área designada para cada atleta e, se houver problema, pode resultar em punição.

No revezamento misto, novidade de Tóquio 2020, times de quatro atletas disputam a prova. Cada atleta nada 300m, pedala 7,4km e corre 2km. Primeiro abre uma mulher, em seguida um homem e outra mulher competem, antes de um homem fechar a prova.


ANÁLISE

INDIVIDUAL MASCULINO
Prova: 25/07, às 18h30

Favoritos ao ouro: Vincent Luis (FRA) e Jonathan Brownlee (GBR) 

Candidatos ao pódio: Jelle Geens (BEL), Henri Schoeman (RSA), Javier Gómez Noya (ESP) e Mario Mola (ESP)

Podes surpreender: Alex Lee (GBR), Dorian Coninx (FRA), Kristian Blummenfelt (NOR), Gustav Iden (NOR) e Jacob Birtwhistle (AUS)

Brasil: Manoel Messias

Provas de triatlo nos Jogos Olímpicos
Francês Vincent Luis dominou os últimos anos, mas Brownlee tem sua experiência (Foto: Delly Carr / ITU Media)
O bicampeão olímpico Alistair Brownlee ficou de fora de Tóquio-2020 após ser desqualificado por uma entrada desleal na etapa de Leeds da Copa do Mundo, que serviu de seletiva britânica. Pode ser a chance do irmão mais novo, Jonathan Brownlee, finalmente levar seu ouro, depois de bronze em Londres e prata no Rio, ou de um dos fortes integrantes espanhóis aproveitar o buraco. Numa prova muitas vezes decidida nos detalhes e em um ano atípico, quem também pode pintar como favorito é o francês Vincent Luis, que levou os títulos da Copa do Mundo de 2019 e 2020.

Medalhista de prata em Lima 2019, Manoel Messias foi medalhista de prata na Copa do Mundo de Huatulco em junho e vem em boa fase, podendo surpreender.


INDIVIDUAL FEMININO
Prova: 26/07, às 18h30

Favoritas ao ouro: Georgia Taylor-Brown (GBR) e Katie Zaferes (USA)

Candidatos ao pódio: Flora Duffy (BER) e Jessica Learmonth (GBR)

Podem surpreender: Laura Lindemann (GER), Joanna Brown (CAN), Cassandre Beaugrand (FRA), Emma Jackson (AUS), Ashleigh Gentle (AUS), Rachel Klamer (NED), Maya Kingma (NED)

Brasil: Vittória Lopes e Luisa Baptista

Katie Zaferes EUA triatlo
Norte-americana terá forte concorrência de três súditas da Rainha: as duas britânicas e Flora Duffy, do território de Bermudas (Foto: Team USA)
Bermuda só ganhou um bronze em Olimpíadas e Flora Duffy, ouro nos Jogos da Comunidade Britânica é a principal esperança de um ouro, mas ela terá uma competição forte com a norte-americana Katie Zaferes e com o forte time britânico, provavelmente composto por Georgia Taylor-Brown Jessica Learmonth.

Luisa Batista e Vittória Lopes fizeram dobradinha no Pan-Americano de Lima 2019 e buscam surpreender as rivais favoritas.

REVEZAMENTO MISTO
Prova: 30/07, às 19h30

Favoritos ao ouro: França (FRA)

Candidatos ao pódio:  EUA (USA), Austrália (AUS), Grã-Bretanha (GBR) e Espanha (ESP)

Podem surpreender: Nova Zelândia (NZL), Alemanha (GER)

Brasil: Não classificou.

Outrora favorito a dois ouros, a Grã-Bretanha terá vida mais difícil agora sem Alistair Brownlee (Foto: Triathlon Nottingham)
Fazendo sua estreia olímpica, o revezamento misto foi disputada em várias etapas da Série Mundial, sem domínio de nenhum país, por isso em Tóquio as condições poderão mutar os favoritos. A Grã-Bretanha pode ter perdido duas chances de ouro com a saída de Alistair Brownlee e a França aponta como favorita nesta reta final. Espanha tem forte time masculino, mas pode perder força na parte feminina.

Nenhum comentário:

Postar um comentário