Djokovic vence Wimbledon pela sexta vez e iguala recorde de Federer e Nadal em títulos de Grand Slam - Surto Olímpico

Pesquisar:

Arquivo do blog

Últimas Notícias

Djokovic vence Wimbledon pela sexta vez e iguala recorde de Federer e Nadal em títulos de Grand Slam

Compartilhe

Novak Djokovic fez história neste domingo (11). Ele bateu o tenista italiano Matteo Berrettini na final do Torneio de Wimbledon 2021, por 3 sets a 1, de virada (6-7, 6-4, 6-4 e 6-3). Desta forma, o sérvio garantiu sua sexta conquista na grama londrina, sendo esse o seu 20º título de Grand Slam, igualando o recorde que era dividido anteriormente pelo suíço Roger Federer e o espanhol Rafael Nadal


Mas essa não foi a única marca alcançada por Djokovic com o título deste domingo. O atual número 1 do mundo igualou Jack Crawford (1933) e Lew Hoad (1956), como os únicos homens na história do tênis a conquistarem os canecos do Australian Open, Roland Garros e Wimbledon em sequência, numa única temporada. Nole também repetiu o feito de Nadal, último a vencer os Major de Paris e Londres no mesmo ano, algo que ocorreu pela última vez em 2010. 

Ao bater Berrettini, Djokovic registrou sua 21ª vitória seguida em Majors, e o 21º triunfo consecutivo em Wimbledon. Desta forma o tenista sérvio mantém viva a esperança de alcançar o inédito ‘Verdadeiro Golden Slam’ (vencer os 4 Grand Slams e o ouro olímpico) no tênis masculino, algo que foi feito apenas no feminino, pela alemã Steffi Graf, em 1988. 

De quebra, Djokovic empatou com a Austrália no número de títulos de Grand Slam em simples masculino, na Era Aberta. Ambos têm 20, sendo que a Austrália teve sete campeões diferentes. 

O jogo 

Djokovic começou sacando mal na decisão do título em Wimbledon. Com duas duplas-faltas, o sérvio viu Berrettini desperdiçar um break point que poderia ser fundamental. Depois o sérvio seguiu com dificuldades no serviço, o italiano teve a oportunidade de abrir 0-40, mas cometeu um erro bobo, perdendo mais uma chance. 

Aliás, Berrettini cometeu muitos erros não-forçados o que proporcionou uma vantagem para o adversário. Djokovic quebrou o saque o italiano e parecia ter o domínio do jogo. Porém, numa pequena bobeira, Berrettini se recuperou, devolveu a quebra e forçou a disputa do tiebreak. No desempate, o italiano levou a melhor com belíssimos pontos e venceu de maneira surpreendente o primeiro set. 

A partir disso, Djokovic passou a controlar mais as ações no jogo. Ele quebrou duas vezes o saque de Berrettini na segunda parcial, abrindo 4-0. Quando sacava para o set, em 5-2, cedeu um game ao italiano, que ainda tentava manter a disputa em aberto. Apesar da pressão, o sérvio aproveitou a vantagem que tinha e fechou o set em 6-4, empatando o jogo. 

Assim como nos outros sets, Berrettini encontrou dificuldades logo no início. Ele foi quebrado por Djokovic no terceiro game, teve dois break points no 3-2, mas não conseguiu aproveitar. O sérvio se manteve soberano no a parcial, vencida por 6-4. 

O quarto set parecia ser o mais equilibrado do jogo. Berrettini e Djokovic encontraram pouquíssimas dificuldades para confirmar seus respectivos serviços, até a metade da parcial. Até que no sétimo game Djokovic conseguiu a quebra de saque derradeira. No fim, Berrettini ainda perdeu mais uma vez seu saque, sagrando o sérvio mais uma vez como campeão. 


Nas estatísticas é possível ver as nuances do jogo. Djokovic não precisou de uma atuação memorável para ser campeão, mas jogou de forma eficiente. Teve poucos aces (5) e fez apenas 31 winners (contra 57 de Berrettini), mas se aproveitou muito dos erros do adversário. O italiano registrou 48 erros não-forçados, enquanto Djokovic teve apenas 21. 

Foto: Reprodução/Twitter Wimbledon 

Nenhum comentário:

Postar um comentário