China fica com o ouro no trampolim sincronizado masculino em Tóquio 2020 - Surto Olímpico

Pesquisar:

Arquivo do blog

Últimas Notícias

China fica com o ouro no trampolim sincronizado masculino em Tóquio 2020

Compartilhe

Os chineses Xie Siyi e Wang Zongyuan venceram a final do trampolim sincronizado masculino nos Jogos Olímpicos. A dupla da China fez 467.82 pontos para levarem o terceiro ouro do país nos saltos ornamentais em Tóquio.

Xie e Wang tiveram um desempenho excelente nos dois saltos iniciais, de dificuldade igual para todos os saltadores. Destaque para as notas 10 em sincronismo no segundo salto: um pontapé à lua carpado. A dupla teve um susto na quinta rodada, quando Xie teve uma execução ruim no triplo e meio mortal de costas, mas não foi o suficiente para tirar os chineses do primeiro lugar.

A dupla dos Estados Unidos, formada por Andrew Capobianco e Mike Hixon, levou a prata. Os norte-americanos tiveram um desempenho constante em todas as rodadas, conseguindo sempre notas entre 7.5 e 9.0. 

Hixon e Capobianco - Foto: Antonio Bronic/Reuters
O bronze foi para os alemães Patrick Hausding e Lars Rudiger. A dupla esteve no meio da calssificação durante a maior parte da prova. Na rodada final, eles fizeram um quadruplo mortal e meio para frente, que recebeu notas 8.0 de sincronismo, levantando a dupla para o terceiro lugar, à frente dos mexicanos que estavam no pódio, mas fizeram o mesmo salto na sexta rodada com uma execução ruim.

Hausding e Rudiger - Foto: Antonio Bronic/Reuters
Quem também perdeu a chance de levar um bronze na última rodada foi a dupla do Comitê Olímpico Russo. Nikita Shleikher e Evgenii Kuznetsov também tentaram um salto com quatro mortais e meio para frente, mas tiveram uma finalização péssima, com os dois saltadores tocando os pés antes das mãos na água e recebendo nota zero.

Classificação final:
1. China 467.82
2. Estados Unidos 444.36
3. Alemanha 404.73
4. México 400.14
5. Japão 393.13
6. Itália 388.05
7. Grã-Bretanha 382.80
8. Comitê Olímpico Russo 331.08

Foto de capa: Aleksandra Szmigiel/Reuters


Nenhum comentário:

Postar um comentário