Brasileiros participam da qualificação da ginástica artística masculina - Surto Olímpico

Pesquisar:

Arquivo do blog

Últimas Notícias

Brasileiros participam da qualificação da ginástica artística masculina

Compartilhe

Os representantes do Brasil na ginástica artística masculina em Tóquio 2020 participaram da qualificação da modalidade neste sábado (24). Os brasileiros agora aguardam a última subdivisão para saber quais finais o Brasil conseguiu se classificar.

O Brasil tem cinco representantes na modalidade: Arthur Zanetti que compete individualmente e Arthur Nory, Diogo Soares, Caio Souza e Francisco Barretto Jr, o Chico, também participam da competição por equipes.

A equipe começou competindo no cavalo com alças. Caio Souza, teve a melhor apresentação do Brasil, conseguindo 13.400 pontos. Diogo fez 12.800 e Francisco Barretto conseguiu nota 13.200. Como na competição por equipes, são contadas três notas por aparelho, Arthur Nory foi poupado e não competiu no cavalo (a previsão é que ele só iria se apresentar caso um dos outros ginastas tivessem uma queda).

Na rotação seguinte, o Brasil competiu nas argolas. Caio Souza teve a melhor nota da equipe com 14.333 pontos e pode beliscar uma vaga na final. Diogo Soares, prata no mundial júnior de 2019, fez uma série mais simples, que lhe rendeu nota 13.133. Já Chico Barretto conseguiu 13.200.

Arthur Zanetti compete nas argolas - Foto: Ricardo Bufolin/CBG
Zanetti, medalhista nas últimas duas Olimpíadas, competiu apenas no seu principal aparelho: as argolas. O brasileiro fez uma boa apresentação e conseguiu nota 14.900. No momento, o ginasta está em terceiro lugar na classificação do aparelho e tem altas chances de ir para a final. Vale lembrar que a nota de Arthur Zanetti não conta para a competição por equipes.

No salto sobre a mesa, Caio Souza fez dois saltos para tentar a final por aparelho. O ginasta conseguiu 14.800 pontos para seu Dragulescu (duplo mortal para frente com veia volta) e 14.600 para seu Tsukahara com três piruetas. A média de Caio é 14.700 e o brasileiro terminou em quarto na classificação parcial. Os outros brasileiros fizeram apenas um salto. Diogo Soares e Arthur Nory fizeram o Yurchenko com duas piruetas, com Diogo fazendo 14.066 pontos e Nory 13.500. Francisco Barretto executou um Tsukahara com duas piruetas e recebeu nota 13.466. 

Caio Souza no salto - Foto: Ricardo Bufolin/CBG
Nas barras paralelas, a melhor nota foi de Caio Souza com 14.533. Já Diogo Soares fez 13.900 e Chico Barretto conseguiu 14.000 pontos.

Francisco Barretto Jr. nas barras paralelas - Foto: Ricardo Bufolin/CBG
Na barra fixa, a expectativa era pelo desempenho de Arthur Nory, atual campeão mundial do aparelho. Nory conseguiu 14.133 pontos, cometendo dois erros na sua série e ficando de fora da final do aparelho.  Chico Barretto fez 13.833 pontos. Caio Souza marcou 13.466 e Diogo Soares conquistou 13.233 para sua apresentação.

Arthur Nory na barra fixa - Foto: Ricardo Bufolin/CBG
O Brasil encerrou sua participação no solo. Arthur Nory, bronze na Rio 2016, sofreu uma queda e conseguiu apenas 12.800 pontos. Diogo Soares teve uma ótima execução e tirou 14.200 pontos. Francisco Barretto Jr. conseguiu 13.000 pontos e Caio Souza fez 13.966.

Diogo Soares comemora ao terminar sua série de solo - Foto: Ricardo Bufolin/CBG
Na classificação geral, a equipe brasileira conseguiu 247.263 pontos e está na sétima posição, faltando uma subdivisão. No individual geral, Caio Souza conseguiu 84.298 pontos, Diogo Soares fez 81.332 e Chico Barretto somou 80.699 pontos nas suas seis apresentações. A subdivisão final começa às 7h30 (hora de Brasília) e os brasileiros aguardam ela terminar para saber se avançam às finais.

DESTAQUES INTERNACIONAIS

Na primeira divisão, os olhares estavam voltados para a China e aos atletas do Comitê Olímpico Russo (ROC). Os Chineses lideram a classificação das equipes com 262.061 enquanto os russos tem 261.945. Na mesma divisão do Brasil, o Japão, teve um ótimo desempenho e assumiu a liderança com 262.251 pontos.

O destaque foi o russo Artur Dalaloyan. Em abril, o atleta rompeu o tendão de Aquiles e sua participação em Tóquio era uma dúvida, principalmente no solo e no salto. Mas o ginasta conseguiu competir em todos os aparelhos e emocionou com suas lágrimas após encerrar sua série de solo. Dalaloyan conseguiu 85.957 pontos e deve ir para a final do individual geral, ao lado de seu colega de equipe, Nikita Nagornyy, que conseguiu 87.897 pontos.

Dalaloyan se apresenta nas argolas - Foto: Divulgação/FIG
Na China, o melhor desempenho individual foi Xiao Ruoteng, que somou 87.732 nos seis aparelhos. Nas barras paralelas, Zou Jingyuan, favorito ao ouro, conseguiu 16.166 pontos, até o momento, a maior nota da ginástica em Tóquio.

O destaque japonês foi Hashimoto Daiki que conseguiu 88.531 pontos no individual geral e lidera a classificação final. Já o veterano Uchimura Kohei, em sua quarta Olimpíada, era um dos favoritos ao ouro na barra fixa, mas sofreu uma queda e não vai participar da final.

A ginástica artística masculina, tem vários atletas especialistas, que se destacam em um ou outro aparelho. Competiram na mesma subdivisão do Brasil, o grego Eleftherios Petrounias, que conseguiu 15.333 pontos nas argolas, enquanto o chinês Liu Yang conseguiu 15.300 no aparelho. Veja, abaixo,  notas de alguns dos especialistas que devem brigar por medalha:

Tim Srbic (CRO) 14.633 na barra fixa
Rhys McClenaghan (IRL) 15.266 no cavalo
Artem Dolgopoyat (ISR) 15.2 no solo
Rayderley Zapata (ESP) 15.041 no solo
Max Whitlock (GBR) 14.900 no cavalo
Kameyama Kohei (JPN) 15.266 no cavalo
Artur Davtyan (ARM) 14.866 no salto

Foto de capa: Divulgação/CBG

Nenhum comentário:

Postar um comentário