"Só tem a acrescentar na minha carreira", afirma Rosamaria sobre treinar como ponteira e oposta - Surto Olímpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Pesquisar:

Últimas Notícias

"Só tem a acrescentar na minha carreira", afirma Rosamaria sobre treinar como ponteira e oposta

Compartilhe


Após ficar a primeira semana de competição afastada das quadras na Liga das Nações devido a uma lesão leve, Rosamaria fez sua estreia em grande estilo. Depois de entrar alguns pontos na inversão no jogo contra o Japão, a ponteira/oposta teve mais tempo de jogo na vitória contra a Itália e foi o nome do jogo da seleção brasileira.


Rosamaria entrou no jogo ainda no primeiro set e terminou a partida como a maior pontuadora do Brasil ao lado de Tandara. Ambas marcaram 17 pontos. Considerando que a Itália entrou para a disputa da VNL com sua 'equipe C', a partida contra as jovens atletas italianas se mostrou uma ótima oportunidade para o técnico José Roberto Guimarães colocar outras jogadoras em quadra e testar novas formações, além de dar ritmo de jogo para as suplentes. 


Mesmo assim, a equipe brasileira não encontrou caminho fácil pela frente. As italianas conseguiram manter o jogo equilibrado até o final, forçando o time brasileiro a se adaptar com a bola em jogo. Sobre isso, Rosamaria analisou: "Foi um jogo muito duro. A gente sabia que a equipe delas é muito jovem e está jogando com muita raça e muita vontade. São jovens mas muito experientes, que jogam em grandes ligas".


Sobre sua participação, a ponteira/oposta afirmou que ficou bastante feliz com a oportunidade de entrar em jogo e garante que está sempre preparada aguardando o chamado do treinador. Também analisou a capacidade da seleção de se adaptar e conseguir se recuperar após perder o primeiro set de jogo. "No coletivo, a gente soube sair de uma situação difícil e, até o final, ponto a ponto, não deixamos a nossa cabeça abaixar e não perdemos a concentração em momento nenhum", analisou.


Um ponto que chamou bastante a atenção foi a sua participação como ponteira, já que Pink, como é carinhosamente chamada pelos fãs, vem atuando como oposta no voleibol italiano nas últimas temporadas. Segundo ela, a experiência só tem a acrescentar em sua carreira. "Eu sempre tento treinar nas duas posições exatamente para dar essa opção para o técnico na hora que precisar. O (Roberto Guimarães) foi uma das pessoas que me incentivou a treinar nas duas posições. Acho que isso só tem a acrescentar na minha carreira." comentou. 


"Ter a oportunidade na seleção de poder jogar na saída e na ponta tem acrescentado muito, tenho aprendido bastante todos os dias". Além disso, afirma que sempre busca melhorar e absorver experiência das companheiras de equipe. "Eu observo as meninas mais experientes para poder aprender. Hoje foi um bom jogo, mas tenho muito a corrigir e melhorar. Espero que daqui para frente só melhore".


A rodagem das atletas nos últimos jogos foi essencial para que todas possam pegar ritmo de jogo e ganhar mais experiência, sobretudo no contexto da pandemia, que restringiu a atuação da seleção no último ano. "Eu acredito que esse campeonato serve para isso, para a gente ter experiência, ainda mais que ano passado a gente não teve campeonato pela seleção.", analisou Rosamaria.


Depois da terceira vitória consecutiva, a seleção brasileira termina a segunda semana de competição na terceira colocação, com 5 vitórias em 6 jogos. Agora, as brasileiras terão três dias de descanso e voltam às quadras no próximo domingo às 10h, para jogo contra a seleção da Sérvia.


Foto: Divulgação/CBV

Nenhum comentário:

Postar um comentário