Giro da Ginástica: Rússia domina Europeu de Ginástica Rítmica; Mais equipes de ginástica artística convocadas para Tóquio - Surto Olímpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Pesquisar:

Últimas Notícias

Giro da Ginástica: Rússia domina Europeu de Ginástica Rítmica; Mais equipes de ginástica artística convocadas para Tóquio

Compartilhe

A reta final da preparação olímpica tem sido intensa na ginástica, com várias competições importantes distribuindo vagas e países selecionando suas equipes para Tóquio 2020. Enquanto no Brasil, a Seleção de Conjunto venceu o Pan-Americano e se classificou para a Olimpíada, na Europa, aconteceu o Europeu de Ginástica Rítmica e a  etapa da Croácia da Copa do Mundo de Ginástica Artística. Confira, abaixo, os destaques da semana:


Arina Averina e conjunto russo são campeões europeus


Pódio do individual geral do Europeu de Ginástica Rítimia - Foto: Divulgação/UEG
A russa Arina Averina venceu o individual geral no Europeu de Ginástica Rítmica. Com 109.100 pontos no total, a ginasta conquistou seu segundo título geral da competição. A prata foi para Boryana Kaleyn, da Bulgária, com 107.625. Dina Averina (irmã gêmea de Arina) levou o bronze com 107.325. A húngara Fanni Pigniczki, ficou em décimo lugar e se classificou para Tóquio 2020, como a melhor ginasta de um país ainda não classificado.
No conjunto, a Rússia venceu no geral (que soma a prova mista com a das cinco bolas). Itália, em segundo, e Israel, em terceiro, completaram o pódio. A Ucrânia, em sexto lugar, garantiu a vaga olímpica. A Espanha, que foi prata no conjunto na Rio 2016, terminou em oitavo e está fora da Olimpíada de Tóquio.

Conjunto da Rússia no Europeu de Ginástica Rítmica - Foto: Oleg Naumov/RGYMRUSSIA
Nas finais por aparelhos, o conjunto da Bulgária venceu na final das cinco bolas e Israel levou o ouro na prova mista (3 arcos e dois pares de maças). No individual, Dina Averina foi campeã do arco, da bola e da fita. A israelense Linoy Ashram ficou com o ouro das maças.

Copa do Mundo de Ginástica Artística em Osijek (CRO)


Foto: Christian Degroote
Na ginástica artística, o fim de semana teve a etapa da Croácia do circuito da Copa do Mundo. O destaque da competição foi Nina Derwael, da Bélgica. A atual campeã mundial das barras assimétricas competiu pela primeira vez desde 2019. Derwael conseguiu 15.000 nas barras, levando a medalha de ouro. A apresentação teve um elemento inédito: um giro de sola, seguido de tkatchev esticado com meia volta (o segundo no vídeo abaixo). A belga também venceu a trave com 13.933 pontos.

 

Pódios - Copa do Mundo de Osijek


FEMININO
Salto sobre a mesa: 
1. Csenge Backsay (HUN) 13.649
2. Tjasa Kysselef (SLO) 13.516
3. Dominika Ponizilova (CZE) 13.316

Barras assimétricas:
1. Nina Derwael (BEL) 15.000
2. Zsofia Kovacs (HUN) 14.266
3. Lisa Vaelen (BEL) 13.633

Trave:
1. Nina Derwael (BEL) 13.933
2. Diana Varinska (UKR) 13.366
3. Ana Derek (CRO) 13.100

Solo:
1. Ana Derek (CRO) 12.833
2. Marlies Männersdorfer (AUT) 12.466
3. Elina Vihrova (LAT) 12.400

MASCULINO
Solo:
1. Milad Karimi (KAZ) 14.866
2. Aurel Benovic (CRO) 14.133
3. Haydenn Skinner (GBR) 14.066

Cavalo com alças:
1. Matvei Petrov (ALB) 15.166
2. Nariman Kurbanov (KAZ) 15.033
3. Krisztofer Meszaros (HUN) 14.066

Argolas:
1. Salvatore Maresca (ITA) 14.900
1. Vinzenz Höck (AUT) 14.900
3. Adem Asil (TUR) 14.866

Salto sobre a mesa:
1. Igor Radivilov (UKR) 14.716
2. Adem Asil (TUR) 14.466
3. Milad Karimi (KAZ) 14.433

Barras paralelas:
1. Ferhat Aricam (TUR) 14.833
2. Milad Karimi (KAZ) 14.666
3. David Huddleston (BUL) 14.266

Barra fixa:
1. Tim Srbic (CRO) 14.900
2. Krisztian Balazs (HUN) 14.433
3. Adem Asil (TUR) 14.133

Sanne Wevers com novidade… nas barras assimétricas

Sanne Wevers, ginasta dos Países Baixos, é conhecida pelas suas séries de trave, com composição diferente da maioria, focada principalmente em elementos de dança. A campeã olímpica da trave na Rio 2016 também compete nas barras assimétricas. E é nesse aparelho, que Sanne Wevers está com um elemento novo. É uma versão da mesma largada nova de Nina Derwael. A diferença é que Sanne parte de um giro no quadril. A ginasta executou o elemento na primeira seletiva olímpica do país e recebeu um valor provisório “H”, sendo o mais difícil das barras assimétricas no código atual. De acordo com o site Volkskrant, Sanne Wevers planeja uma série com 6.7 de valor de dificuldade, o que pode colocar a neerlandesa como uma postulante ao pódio.

 

Convocações olímpicas

Nos últimos dias, vários países convocaram suas equipes para a disputa da ginástica artística em Tóquio. A Rússia é favorita ao pódio no masculino e no feminino. Entre as mulheres, Valentina Rodionenko, coordenadora das seleções do país, convocou Angelina Melnikova, Vladslava Urazova e Viktoria Listunova para a equipe. A quarta vaga será definida entre Elena Gerasimova e Lilia Akhaimova. Entre as duas, a que não entrar na equipe, vai competir individualmente em Tóquio, ao lado de  Anastasia Iliankova, especialista nas barras assimétricas. 


Dalaloyan em ação na Russian Cup - Foto: SportGymRus
A equipe masculina da Rússia terá  Nikita Nagornyy, David Belyavskiy, Artur Dalaloyan e Alexander Kartsev. O time é favorito ao ouro, dependendo da recuperação de Artur Dalaloyan, que sofreu uma ruptura parcial no tendão de Aquiles em abril e está voltando aos poucos. Competindo individualmente irão Vladislav Poliashov e Denis Ablyazin.

A Alemanha também divulgou suas equipes. No feminino, a equipe inclui Pauline Schäfer (campeã mundial da trave de 2017), Eli Seitz (bronze nas barras assimétricas no Mundial de 2018), Sarah Voss e Kim Bui. Emelie Petz será a reserva.

Equipes da Alemanha em Tóquio 2020 na Ginástica Artística - Foto: Tom Weller
A equipe alemã masculina terá Andreas Toba (prata na barra fixa no Europeu de 2021), Lukas Dauser (bronze nas barras paralelas no Europeu 2021),  Nils Dunkel e Philipp Herder. O reserva é Nick Klessing.

A equipe feminina da França será liderada por Mélanie de Jesus dos Santos. A ginasta foi campeã europeia no individual geral em 2019 e deve brigar por medalhas em Tóquio no individual geral, na trave e no solo. O grupo ainda tem Marine Boyer (finalista da trave na Rio 2016), Aline Friess e Carolann Heduit. No masculino, a França não se classificou para a disputa por equipes e terá três ginastas: Loris Frasca, Cyril Tommasone e Samir Aït Saïd. 

Yang Hak-seon com seu ouro em Londres 2012 - Foto: Mike Blake/Reuters
Por último, a Coreia do Sul definiu sua equipe masculina. O destaque Yang Hak-seon, campeão do salto em Londres 2012. O país ainda vai contar com Ryu Sung-hyun (campeão mundial júnior do solo em 2019), Kim Han-sol e Lee Jun-ho. No feminino, a Coreia do Sul vai contar com Lee Yun-seo e Yeo Seo-jeong.

Foto de capa: Dmitry Kornev

Nenhum comentário:

Postar um comentário