Com novas peças em quadra, Brasil tem dificuldade, mas vence a Itália na VNL - Surto Olímpico

Pesquisar:

Arquivo do blog

Últimas Notícias

Com novas peças em quadra, Brasil tem dificuldade, mas vence a Itália na VNL

Compartilhe


Foi difícil, mas a seleção brasileira feminina encerrou a segunda semana da Liga das Nações de Vôlei (VNL) com três vitórias em três jogos. Nesta quarta-feira (02), o Brasil passou por altos e baixos, mas venceu a jovem equipe da Itália por 3 sets a 1 na bolha em Rimini, casa da italianas. As parciais foram de 19-25, 25-15, 25-19 e 25-19.

A equipe Azzurri não enviou seus principais nomes para a VNL. Por isso, José Roberto Guimarães utilizou o jogo para testar algumas atletas que vinham tendo poucas oportunidades. Ana Cristina começou uma partida pela primeira vez na competição, enquanto Roberta e Rosamaria entraram no decorrer do jogo. Rosamaria, inclusive, foi um dos destaques do Brasil, com 17 pontos.

Outros nomes importantes da seleção foram a oposta Tandara, que também terminou com 17 acertos, e a central Carol, que voltou a brilhar no saque e no bloqueio e marcou 14 pontos no total. Do lado italiano, a ponteira Giulia Melli anotou 19 pontos e liderou o jogo nessa estatística.

Agora, a seleção feminina terá três dias de descanso e de treinamentos antes de voltar à quadra para mais três rodadas da Liga das Nações. O próximo jogo do Brasil é no domingo (06), às 11h, contra a Sérvia. Antes, o time masculino do Brasil enfrenta a França nesta quinta-feira (03), às 10h, pela quarta rodada da competição.

Times iniciais


Brasil: Macris, Tandara, Bia, Carol, Gabi, Ana Cristina e Camila Brait (L). Técnico: José Roberto Guimarães.

Itália: Sofia O'Dorico, Giulia Melli, Camilla Mingardi, Francesca Bosio, Marina Lubian, Sara Bonifacio e Chiara De Bortoli (L). Técnico: Giulio Cesare Bregoli.

O jogo


O Brasil foi à quadra com novidades para o jogo contra o time alternativo da Itália. Bia entrou no lugar de Carol Gattaz no meio de rede, enquanto a jovem promessa Ana Cristina, de 17 anos, substituiu Fernanda Garay, que foi poupada no início da partida. Já a Itália, que não inscreveu suas principais atletas na competição, foi à quadra com um time recheado de jovens jogadoras.

Cientes da fragilidade de Ana Cristina na recepção, as italianas forçaram o saque na ponteira brasileira e conseguiram chegar à primeira parada técnica do set inicial à frente: 8 a 7. A partir daí, as duas equipes seguiram trocando pontos e se alternando na liderança. Até que, em dois erros de ataque consecutivos de Gabi e um ace de Lubian, a Itália abriu vantagem em 17-14.´

Zé Roberto Guimarães tentou mudar o jogo e colocou Rosamaria no lugar de Ana Cristina. Porém, a seleção seguiu errando bastante na recepção e na virada de bola. Mantendo a força no saque, a Itália impôs seu ritmo e fechou o primeiro set em 25-19.

Para o segundo set, o técnico brasileiro escalou a equipe com a levantadora Roberta e Rosamaria como ponteira nos lugares de Macris e Ana Cristina. O time deu indícios de estar mais equilibrado na recepção, mas seguiu com dificuldade na virada de bola. Mesmo assim, com a ajuda dos bloqueios de Carol, o Brasil conseguiu abrir 11 a 7 no placar. A partir daí, foi só administrar e fechar a parcial em 25-15.

A ponteira Giulia Melli foi o grande nome da Itália no jogo (Foto: Reprodução/FIVB)

Destaques do segundo set, Roberta e Rosamaria foram mantidas para a sequência do jogo. A terceira parcial começou equilibrada, com o Brasil chegando a primeira parada técnica com apenas dois pontos de vantagem. Foi nesse momento que o time verde e amarelo conseguiu abrir no placar, chegando a ter 14 a 9 a seu favor. A Itália, porém, cresceu novamente e encostou em 14 a 12, forçando Zé Roberto a parar o jogo. Mas foi só um susto. Aos poucos, o Brasil retomou o controle da parcial e fechou em 25-19.

Diferente dos dois anteriores, o quarto set começou com a Itália na frente: 3 a 1. O Brasil encostou no placar e chegou a empatar em 7 a 7, mas voltou a cometer erros no ataque e no saque e viu as adversárias voltarem a abrir em 11 a 9. Porém, foi a vez das europeias cometerem erros, e a seleção reassumiu o controle do jogo em 12 a 9 em invasão da área de ataque de Mingardi.

A parcial continuou com os dois times mostrando altos e baixos na recepção. Nesse momento, pesou a experiência da equipe brasileira, que administrou a dificuldade e abriu na reta final. Em ponto de Bia, a seleção fechou o set em 25-19 e o jogo em 3 sets a 1.

Foto: Reprodução/FIVB

Nenhum comentário:

Postar um comentário