Guia da Final da Superliga Masculina 2020/21 - Minas Tênis Clube x EMS Taubaté Funvic - Surto Olímpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Guia da Final da Superliga Masculina 2020/21 - Minas Tênis Clube x EMS Taubaté Funvic

Compartilhe

 


Texto: Luís Fellipe Borges
Arte: Débora Gomes
Produção: Danilo Góes, Débora Gomes e Luís Fellipe Borges


Depois de o Itambé/Minas bater o Dentil/Praia Clube na decisão feminina, chegou a vez dos homens entrarem em quadra para disputar a final da Superliga Masculina 2020/21. Frente a frente, EMS Taubaté FUNVIC e Minas Tênis Clube prometem duelos acirrados na busca pelo título nacional.

As duas equipes têm elencos e propostas diferentes. Enquanto Taubaté conta com jogadores consagrados e cinco campeões olímpicos, o Minas aposta na juventude, com muitos atletas formados na base. Todos eles, comandados pelo experiente levantador Willian. Essa oposição faz com que a final seja imprevisível e prometa fortes emoções na bolha do Centro de Desenvolvimento do Vôlei em Saquarema (RJ).

Assim como na Superliga Feminina, a final será disputada em uma série melhor-de-três. Na temporada, Taubaté e Minas já se enfrentaram duas vezes pela Superliga Masculina, com uma vitória por 3 sets a 0 para cada lado - os paulistas venceram no turno, enquanto os mineiros devolveram o placar no returno. Os dois times também duelaram na semifinal do Troféu Super Vôlei, que terminou com vitória de Taubaté por 3 sets a 0.

É neste clima que Taubaté busca seu segundo título de Superliga, depois de ter conquistado a última edição a ser finalizada, em 18/19. Já o Minas, de volta à final depois de 12 anos, quer o quinto título da competição e a oitava conquista nacional no total.

Programação*


1º jogo: EMS Taubaté Funvic x Minas Tênis Clube - 14/04, quarta-feira, a partir das 19h;

2º jogo: Minas Tênis Clube x EMS Taubaté Funvic - 16/04, sexta-feira, a partir das 19h;

3º jogo (se necessário): EMS Taubaté Funvic x Minas Tênis Clube - 18/04, domingo, a partir das 19h.

*Todos os jogos terão transmissão do SporTV2

Campanha do EMS Taubaté Funvic

Atual campeão da Superliga e vencedor da Supercopa e do troféu Super Vôlei nesta temporada, Taubaté terminou a fase classificatória na segunda posição, com 20 vitórias em 22 jogos. O retrospecto foi o mesmo que o do Sada/Cruzeiro, mas com dois pontos a menos. Uma das duas únicas derrotas do time nessa fase foi justamente para o Minas, em jogo válido pela quarta rodada do returno.

Taubaté chegou a sua terceira final da Superliga (Foto: Alexandre Loureiro/Inovafoto/CBV)

Nos play-offs, Taubaté teve dificuldades contra o Montes Claros/América. A equipe paulista precisou do terceiro jogo para eliminar o Coelho, depois de uma surpreendente vitória dos rivais na segunda partida. Nas semifinais, o adversário foi o Vôlei Renata/Campinas. Embalado, Taubaté se recuperou do susto na fase anterior e avançou para a decisão com duas vitórias em dois jogos.

Campanha do Minas Tênis Clube


Já o Minas foi o quarto colocado da fase classificatória, com 17 vitórias e 5 derrotas. A equipe também foi semifinalista na Copa Brasil e no Troféu Super Vôlei, além de vice-campeã do Campeonato Mineiro, perdendo para o Sada/Cruzeiro na final pela 11ª vez consecutiva.

Depois de 12 anos, o tradicional Minas está de volta à decisão da Superliga Masculina (Alexandre Loureiro/Inovafoto/CBV)

No mata-mata, o Minas eliminou o APAN/Eleva/Blumenau com duas vitórias em dois jogos nas quartas-de-final. Na sequência, encarou o surpreendente Vôlei UM Itapetininga, que havia tirado o Cruzeiro na fase anterior. Com boas atuações, a equipe de Belo Horizonte voltou a vencer a série por 2 a 0 e se garantiu em sua primeira decisão de Superliga desde 2009.

RAIO-X

De um lado, Taubaté conta com cinco campeões olímpicos e outros valores que tem figurado na seleção brasileira. Do outro, o Minas conta com medalhões, mas tem nas jovens promessas sua maior força. Para entender melhor esse duelo, preparamos um raio-x completo dos elencos das duas equipes, posição a posição, com todos os atletas que estarão na briga pelo título nacional.

Levantadores

Willian | Bruninho

Um dos destaques da grande decisão, sem dúvidas, é o duelo entre os levantadores. Bruninho e Willian foram companheiros na campanha do ouro olímpico na Rio 2016 e têm comandado suas equipes com brilhantismo até aqui.

Titular na Seleção Brasileira, Bruno voltou para o país depois de um longo período no voleibol italiano. Embora seu retorno para a Europa já esteja acertado, o levantador deixou sua marca na Superliga 20/21, com distribuição eficiente e consistência no saque e na defesa. Além disso, nos momentos de instabilidade, a presença de Rapha como reserva imediato também serviu como incentivo para que o nível de Bruno permanecesse alto ao longo de toda a temporada.

Willian, aos 41 anos, parece não perder a forma nunca. A genialidade do atleta, que não tem o apelido de “El Mago” por acaso, continuou sendo vista nas quadras da Superliga em sua temporada de estreia pelo Minas. Com habilidade impressionante e jogadas criativas, William tem liderado a “garotada” da equipe de Belo Horizonte e já está renovado para a próxima temporada.

Centrais


Gustavão e Matheus Pinta | Maurício Souza e Lucão

Poucos clubes na história do vôlei mundial tiveram a chance de contar com um dupla de centrais campeã olímpica. Com isso, Taubaté pode ser considerado privilegiado por ter Lucão e Maurício Souza dominando o meio-de-rede. Juntos, os dois conquistaram o ouro na Rio 2016 e têm sido as bolas de segurança do time na Superliga. Maurício é o melhor bloqueador da competição, com 81 pontos nesse fundamento, enquanto Lucão é o terceiro melhor atacante, com 63% de aproveitamento.

Do outro lado, Gustavão e Matheus Pinta formam uma dupla de centrais muito consistente e que vive grande fase. Enquanto Gustavo, no alto de seus 2,15m, está entre os melhores bloqueadores da competição, o jovem Matheus Pinta, de 24 anos, é o líder nas estatísticas de ataque da competição e impressiona pela regularidade. Certamente é um nome que estará no radar para figurar na Seleção Brasileira no próximo ciclo, como ocorreu no Pan de Lima em 2019.

Ponteiros

Honorato e Lazo | Douglas Souza e Maurício Borges

Mais uma posição, mais campeões olímpicos do lado do Taubaté. Douglas Souza teve um início de temporada abaixo da média, mas cresceu muito e tem sido o melhor jogador do time nessa reta final de Superliga, com bons números na recepção e o quinto melhor aproveitamento de ataque da competição. Já Maurício Borges segue com a regularidade que lhe é característica, sendo um porto seguro na recepção e na virada de bola.

Apesar de menos experientes, os ponteiros do Minas vivem uma fase de encher os olhos. Uma das joias mais promissoras do vôlei brasileiro, Henrique Honorato, de 24 anos, tem brilhado intensamente, liderando as estatísticas de saque da Superliga, com 36 aces, e ocupando a sexta posição entre os maiores pontuadores, com 323 pontos marcados até aqui. É outro nome da equipe mineira que pode figurar na Seleção em Paris 2024. Ao seu lado, o argentino Nicolás Lazo, que completará 26 anos durante as finais, tem esbanjado a técnica que é típica dos jogadores do seu país, além de contribuir bem na recepção, sendo o sétimo melhor da Superliga nesse fundamento.

Opostos

Escobar | Felipe Roque

O embate entre os dois opostos promete ser acirrado. Na equipe mineira, a fase vivida pelo cubano Yadrian Escobar impressiona. Maior pontuador entre os atletas dos times finalistas, com 364 pontos, Escobar chegou a contrair Covid-19 em fevereiro, mas se recuperou a tempo da fase final e foi avassalador nas partidas dos playoffs até aqui.

Felipe Roque, por sua vez, vive uma temporada de afirmação na Superliga. O jovem de 23 anos foi revelado pelo Minas e se transferiu para o Taubaté nesta temporada. Canhoto e com 2,17m de altura, Roque assumiu o protagonismo no clube paulista depois de vencer uma disputa interna com Gabriel Cândido. Felipe participou da Copa do Mundo de 2019 com a seleção e será uma peça importante no próximo ciclo olímpico.

Líberos


Maique | Thales

O maior equilíbrio neste Raio-x talvez seja entre os dois líberos. Thales e Maique foram os dois jogadores da posição que assumiram o lugar do ídolo Serginho e se revezaram na Seleção Brasileira neste ciclo. Thales se consolidou primeiro, depois de ter se destacado no fundamento recepção na Superliga por Florianópolis, Canoas e, agora, por Taubaté. Muito regular, ele cresceu também no quesito liderança e foi eleito o melhor líbero da Copa do Mundo de 2019.

Maique tem a defesa como seu principal fundamento. Não à toa, brilhou no Mundial de 2018 em lances espetaculares e ganhou espaço no elenco de Renan Dal Zotto desde então. Porém, esta temporada marcou uma evolução do jogador também na recepção, fundamento no qual lidera as estatísticas, com 76% de aproveitamento. A única vaga da posição para os Jogos de Tóquio ainda está em aberto e será disputada pelos dois nessa grande final e, depois, na Liga das Nações. Thales tem vantagem por ter jogado mais no ciclo, mas o crescimento de Maique não pode ser ignorado.

Suplentes



Minas: Gustavo Orlando (levantador); Cabral, Juninho e Kelvi (centrais); Arthur Bento, Jonatas e Varela (ponteiros); Paulo e Lucas (opostos); Kihara (líbero)

Assim como o time feminino, a equipe masculina do Minas Tênis Clube aposta em um banco de reservas com jogadores jovens. Entre as peças, destaque para o levantador Gustavo Orlando, de 18 anos, e o oposto/ponteiro Paulo, de 19 anos, que entram com frequência nos jogos. Outro nome interessante é o ponteiro Arthur Bento de apenas 16 anos, que entrou no primeiro duelo contra Itapetininga nas semifinais e marcou dois pontos de bloqueio.

Taubaté: Rapha (levantador); Riad e Bruno Biella (centrais); João Rafael e João Franck (ponteiros); Gabriel Cândido (oposto) e Vitor Yudi (líbero)

Javier Weber teve ao longo da Superliga um banco de reservas muito participativo. Com jogadores mais experientes à disposição, o treinador argentino utilizou muito seus suplentes e rodou o elenco. Destaque para o levantador Rapha, que mesmo sendo reserva, é um dos melhores de sua posição na competição. O ponteiro João Rafael também faz um ótimo campeonato, embora tenha perdido espaço para Douglas Souza no decorrer do torneio. Coma mais rodagem, o elenco taubetano pode desequilibrar nos momentos decisivos da final.

Técnicos


Nery Tambeiro | Javier Weber

O argentino Javier Weber foi indicado por Renan Dal Zotto para assumir o lugar do técnico da Seleção Brasileira no comando de Taubaté. Natural de Buenos Aires, foi um dos maiores jogadores da história do voleibol argentino, sendo medalhista de bronze nos Jogos Olímpicos de Seul, em 1988. Ele se tornou treinador a partir de 2002 e comandou a Seleção Argentina entre 2010 e 2012. Com essa bagagem, Weber tem administrado bem as peças que tem à disposição e busca manter a sina vencedora da equipe.

Do outro lado, Nery Tambeiro é muito identificado com o projeto do Minas Tênis Clube, estando à frente da equipe masculina desde 2014. Acostumado a trabalhar com jovens, Tambeiro faz parte da comissão técnica da Seleção Brasileira Sub-21 e tem utilizado sua experiência para liderar a “garotada” do Minas. Sob seu comando, bons nomes do voleibol nacional despontaram, como o oposto Felipe Roque, o central Flávio e o líbero Maique, que têm ganhado espaço na Seleção Brasileira.

O que dizem os atletas

EMS TAUBATÉ FUNVIC

“Estamos felizes por esse primeiro objetivo alcançado que é chegar nas finais da Superliga. A equipe está muito unida, motivada e mostrando a importância do grupo ainda mais em uma temporada tão difícil como essa. Muitos jogadores ficaram fora em algum momento da temporada e tivemos que contar ainda mais com o coletivo. Todos tiveram oportunidade e chegamos na final graças a força do nosso grupo”.

Bruninho, sobre chegar à final da Superliga

“Jogamos juntos durante muitos anos na seleção e temos uma amizade muito grande fora de quadra. Ele me inspirou com sua criatividade e ousadia. É um jogador que arrisca e vai ser muito bacana enfrentar ele nessa final. Vamos tentar neutralizar o jogo veloz dele. É sempre um prazer dividir a quadra com o William.”

Bruninho, sobre enfrentar Willian na decisão

MINAS TÊNIS CLUBE

“Quando eu fui contratado pelo Minas a ideia e o planejamento desde o início era chegar na final da Superliga. Nossa equipe lembra muito o Sada Cruzeiro no início do projeto pela mescla de jogadores experientes e novos talentos. Da mesma forma sem muitas pessoas acreditarem, mas com muito planejamento, estamos na decisão da Superliga. O meu desafio pessoal foi ajudar e liderar uma equipe mais jovem e fazer eles acreditarem no sonho de disputar uma final de Superliga. Hoje o que consigo fazer de maior importância é passar a experiência de uma vida dentro da quadra de voleibol”.

Willian, sobre conduzir uma jovem equipe até a final

“A dedicação do Bruno aos treinamentos é algo incrível. Ao jogar ao lado dele comprovei tudo o que falavam em relação a ele. É um jogador sedento por treinar, jogar, competir e disputar. Ele é extremamente competitivo e somos muito parecidos em relação a isso”.

Willian, sobre enfrentar Bruninho

O que dizem nossos especialistas

“Não esperem uma final com 2 a 0. A tendência é a boa equipe do Minas arrancar pelo menos um jogo do Taubaté. Falo com naturalidade, pois mesmo sendo difícil “prever” uma final de Superliga e o favoritismo da equipe paulista sendo evidente, não dá para negarmos a boa temporada do time mineiro. Os 12 anos de ausência de uma final de Superliga podem ser um algo mais para buscarem o título. Esse “algo mais” certamente também passa pelas mãos mágicas do mago William e pela mão pesada do cubano Escobar. Para isso, no entanto, precisarão passar pela seleção taubateana sob comando de Bruninho e Douglas Souza, voando neste final de temporada.”


"Muito arriscado falar de favoritismo nessa final, principalmente quando as duas equipes possuem elencos de peso, cheio de atletas de seleção brasileira. O Taubaté fez uma campanha um pouco melhor na fase classificatória, mas eu acho que o Minas pode surpreender nesta decisão. A equipe vem embalada e com excelentes atuações dos passadores, que deixam o brilhante levantador Willian livre para usar e abusar da sua criatividade de visão de jogo. Do lado do Taubaté, o saque forçado é uma arma potente. Agora resta assistir para ver quem leva a melhor. Mas para ser fiel a uma frase que eu gosto muito: 'Ataques ganham jogos; defesas ganham campeonatos.' Pode ser que tenhamos uma dobradinha de Belo Horizonte ao final da Superliga"


“Em um primeiro olhar, a equipe de Taubaté poderia ser considerada franca favorita para conquistar o título da Superliga. A presença de jogadores experientes, liderados pelo levantador Bruninho, e o banco recheado de boas peças chamam a atenção. Também é preciso destacar o excelente momento de Douglas Souza, que desponta como um dos melhores jogadores da competição. Porém, descartar de cara as chances do Minas é impossível, ainda mais com um levantador como Willian e com a grande competição que o oposto Escobar e o líbero Maique têm feito. A decisão será acirrada, mas acredito que o time paulista tem uma leve vantagem por ter um elenco mais consistente."


Palpites para a decisão




E para você? Quem vai ganhar a Superliga Masculina 20/21? VOTE!


Fotos: Reprodução/Instagram

Nenhum comentário:

Postar um comentário