Guia: Copa do Mundo de Saltos Ornamentais - Surto Olímpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Guia: Copa do Mundo de Saltos Ornamentais

Compartilhe

Neste sábado (noite de sexta-feira, no horário de Brasília) tem início a Copa do Mundo de Saltos Ornamentais. O evento distribui as últimas vagas da modalidade para os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020. O Brasil tem oito representantes na competição e disputa um lugar na Olimpíada em seis provas.

O Surto Olímpico preparou um guia completo para você acompanhar a competição, com os representantes do Brasil, os atletas que já estão classificados em cada prova e o que os brasileiros precisam fazer para carimbar o passaporte rumo aos Jogos Olímpicos.

SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO OLÍMPICA

Nas provas individuais, já tem vagas garantidas os 12 primeiros colocados do Mundial de Esportes Aquáticos de 2019, disputado em Gwangju, na Coreia do Sul, além dos cinco campeões continentais daquele ano. Na Copa do Mundo, todos os semifinalistas garantem uma vaga olímpica (o 18º lugar na fase preliminar é o último classificado para a semifinal). Caso sobrem vagas, o resultado da preliminar da Copa do Mundo é usado para a realocação das vagas olímpicas. Lembrando que no individual há um limite de dois atletas por país. A China, por exemplo, já tem dois atletas classificados em cada evento e não briga por vagas na Copa do Mundo.

Nas provas sincronizadas, participam dos Jogos Olímpicos oito duplas de países diferentes. O Japão, como país sede, já tem vaga garantida, assim como os três medalhistas do último mundial. A Copa do Mundo distribui vagas para as quatro melhores equipes na final, excluindo os países já classificados.

TRAMPOLIM 3M FEMININO INDIVIDUAL

Luana Lira e Anna Lúcia Santos
Atletas já classificadas
TOP 12 Mundial 2019:
Shi Tingmao - China
Wang Han - China
Maddison Keeney - Austrália
Jennifer Abel - Canadá
Sayaka Mikami - Japão
Esther Qin - Austrália
Pamela Ware - Canadá
Grace Reid - Grã-Bretanha
Ng Yan Yee - Malásia
Tina Punzel - Alemanha
Viktoriya Kesar - Ucrânia
Inge Jansen - Países Baixos

Campeãs Continentais 2019:
África: Micaela Bouter - África do Sul
Américas: Dolores Hernandez - México
Ásia: Nur Dhabitah Sabri - Malásia
Europa: Kristina Ilinykh - Rússia
Oceania: Elizabeth Cui - Nova Zelândia

Luana Lira e Ana Lúcia Santos vão representar o Brasil no trampolim de 3 metros. Tomando como referência os dois mundiais do ciclo olímpico, a nota para ficar entre as 18 primeiras colocadas na fase preliminar deve ficar entre 255 e 270 pontos. As duas brasileiras tem pontuações recentes acima dessa marca e se tiverem um bom desempenho podem se classificar para as semifinais.

Luana tirou 271.05 no Sul-Americano de 2021, disputado em março na Argentina, e 296.45 na final dos Jogos Pan-Americanos de Lima, em 2019, quando terminou na sexta colocação. Já Anna tem como melhores resultados recentes os 295.90 feitos na seletiva brasileira em fevereiro e os 262.80 pontos do Sul-Americano de 2021.

China, Canadá, Malásia e Austrália já têm duas atletas classificadas para a Olimpíada e não disputam vagas na Copa do Mundo. Alemanha, Japão, Grã-Bretanha, México, África do Sul, Rússia e Ucrânia podem classificar apenas mais uma saltadora. 

Esses países que já tem uma atleta classificada devem estar na briga com as brasileiras pelas vagas olímpicas. Também tem chances de classificação as atletas dos Estados Unidos, Colômbia, Itália e Coreia do Sul.

TRAMPOLIM 3M FEMININO SINCRONIZADO

Equipes já classificadas:
China
Canadá
México
Japão

Anna Lúcia Santos e Luana Lira também irão competir na prova sincronizada. Luana foi finalista da prova no Mundial de 2017, ao lado de Tammy Galera. Levando em conta os últimos mundiais, a pontuação do quarto lugar na final do trampolim sincronizado ficou entre 280 e 300 pontos. 

É possível conseguir a classificação olímpica até com um oitavo lugar, desde que os quatro países já classificados terminem na frente, o que pode diminuir a nota para classificação para a casa dos 270 pontos. Mesmo assim, as brasileiras teriam que acertar os seus cinco saltos e torcer por alguns erros das adversárias para conseguir a classificação. 


A dupla australiana formada por Maddison Keney e Anabelle Smith, que foram bronze na Rio 2016, não vão participar da competição porque a Federação da Austrália decidiu não enviar equipe para disputar a Copa do Mundo no Japão, por causa da pandemia de covid-19. Elas eram favoritas para uma das vagas olímpicas. Sem a presença delas, a disputa deve ficar entre Estados Unidos, Rússia, Grã-Bretanha, Países Baixos e Malásia. 

TRAMPOLIM 3 M MASCULINO INDIVIDUAL

Ian Matos e Luis Felipe Moura
Atletas já classificados 
TOP 12 Mundial 2019:
Xie Siyi - China
Cao Yuan - China
Jack Laugher - Grã-Bretanha
Woo Ha-ram - Coreia do Sul
David Boudia - Estados Unidos
Patrick Hausding - Alemanha
Mike Hixon - Estados Unidos
Rommel Pacheco - México
Nikita Shleikher - Rússia
Evgeny Kuznetsov - Rússia
Sebastián Morales - Colômbia
Oleh Kolodiy - Ucrânia

Campeões Continentais 2019:
África: Mohab El-Kordy - Egito
Américas: Daniel Restrepo - Colômbia
Ásia: Ken Terauchi - Japão
Europa: James Heatly - Grã-Bretanha
Oceania: Li Shixin - Austrália

O Brasil vai contar com Ian Matos e Luis Felipe Moura na prova individual do trampolim de 3m masculino. Entre os homens da equipe brasileira que tentam a classificação olímpica, apenas Ian já participou dos Jogos Olímpicos, ficando em oitavo lugar no trampolim sincronizado ao lado de Luiz Outerelo na Rio 2016. 

Nos mundiais de 2017 e 2019 a nota para se classificar para as semifinais ficou entre 395 e 410, então é importante que os brasileiros quebrem a barreira dos 400 pontos para conseguir uma vaga olímpica. Ian Matos conseguiu superar a marca recentemente na seletiva brasileira para a Copa do Mundo, com 407.20 pontos. O saltador também conseguiu 418.90 pontos no Pan de Lima, em 2019. Já Luis Felipe recebeu 400.75 pontos na soma dos seus seis saltos na final do Sul-Americano  de 2021, em março.

China, Colômbia, Estados Unidos, Grã-Bretanha e Rússia já tem dois classificados para a prova nos Jogos Olímpicos. Enquanto Coreia do Sul, México, Alemanha, Ucrânia, Egito e Japão já tem um atleta na Olimpíada e podem classificar mais um. 

Além dos países já citados, os principais rivais do Brasil devem ser Itália, Porto Rico, Irlanda, Jamaica, Canadá e Coreia do Sul.

TRAMPOLIM 3M MASCULINO SINCRONIZADO

Equipes já classificadas:
China
Grã-Bretanha
México
Japão

O Brasil seria representado na prova por Kawan Pereira e Luis Felipe Borges, mas a dupla desistiu para focar nas suas provas individuais onde a chance de classificação olímpica é maior. Alemanha, Rússia, Ucrânia, Estados Unidos, Canadá e Colômbia são os principais candidatos à classificação olímpica no evento.

PLATAFORMA 10M FEMININO INDIVIDUAL

Giovanna Pedroso e Ingrid Oliveira
Atletas já classificadas 
TOP 12 Mundial 2019:
Chen Yuxi - China
Lu Wei - China
Delaney Schnell - Estados Unidos
Melissa Wu - Austrália
Pandelela Rinong - Malásia
Meaghan Benfeito - Canadá
Caeli McKay - Canadá
Noemi Batki - Itália
Matsuri Arai  - Japão
Celine van Duijn - Países Baixos
Amy Cozad - Estados Unidos
Lois Toulson - Grã-Bretanha

Campeãs Continentais 2019:
África: Maha Gouda - Egito
Américas: Alejandra Orozco - México
Ásia: Kim Mi-Rae - Coreia do Norte*
Europa: Sofiya Lyskun - Ucrânia
Oceania: Nikita Hains - Austrália
*A vaga deve ser realocada por causa da desistência da Coreia do Norte de participar de Tóquio 2020

Ingrid Oliveira e Giovanna Pedroso serão as representantes do Brasil na prova feminina da plataforma de 10m. As duas atletas participaram da Rio 2016 e buscam a classificação para sua segunda Olimpíada. A pontuação de corte para as semifinais nos últimos mundiais ficou entre 280 e 295 e as duas atletas conseguiram somar mais de 300 pontos em algumas competições importantes do ciclo olímpico. Ingrid marcou 302.55 pontos no Pan de Lima e 303.90 na Seletiva para a Copa do Mundo. Já Giovanna foi campeã sul-americana este ano com 307.20 pontos. 

Austrália, Canadá, China e Estados Unidos já garantiram duas atletas cada na prova em Tóquio 2020. Egito, Itália, Grã-Bretanha, Japão, Malásia, México, Países Baixos e Ucrânia já tem uma saltadora classificada e buscam uma segunda vaga olímpica. 

Além dos países citados, vão estar na briga pelas vagas olímpicas com as brasileiras, atletas da Alemanha, Cuba, Coreia do Sul e Rússia.

PLATAFORMA 10M FEMININO SINCRONIZADO

Equipes já classificadas:
China
Malásia
Estados Unidos
Japão

O Brasil não vai tentar uma vaga olímpica na prova sincronizada da Plataforma de 10m feminina. A briga pelas vagas deve ficar entre Grã-Bretanha, Canadá, Rússia, México e Itália. 

PLATAFORMA 10M MASCULINO INDIVIDUAL

Kawan Pereira e Isaac Souza
Atletas já classificados 
TOP 12 Mundial 2019:
Yang Jian - China
Yang Hao - China
Aleksandr Bondar - Rússia
Oleksii Sereda - Ucrânia
Benjamin Auffret - França
Woo Ha-ram - Coreia do Sul
Tom Daley - Grã-Bretanha
Brandon Loschiavo - Estados Unidos
Cassiel Rousseau - Austrália
Noah Williams - Grã-Bretanha
Vincent Riendeau - Canadá
David Dinsmore - Estados Unidos

Campeões Continentais 2019:
África: Youssef Ezat - Egito
Américas: Kevin Berlin - México
Ásia: Jonathan Chavo - Cingapura
Europa: Ruslan Ternovoi
Oceania: Domonic Bedggood

O Brasil terá Isaac Souza e Kawan Pereira como representantes na Plataforma 10m masculina. No individual, Isaac ficou bem próximo de conseguir a vaga no Mundial de 2019, quando ficou em décimo-terceiro lugar. Nos últimos mundiais a nota para classificar às semifinais ficou entre 390 e 405 pontos. Isaac Souza teve resultados recentes melhores que o do último mundial como os 424.20 marcados na Seletiva para a Copa do Mundo e os 438.50 do Sul-Americano deste ano. Kawan tem um 405.50 da Seletiva da Copa do Mundo em 2020 (antes da competição ser adiada para 2021 por causa da pandemia). 

Estados Unidos, Grã-Bretanha, China, Rússia e Austrália já garantiram dois atletas no evento em Tóquio 2020. Coreia do Sul, Ucrânia, França, Canadá, México, Cingapura e Egito tem um saltador classificado e podem conseguir mais uma vaga olímpica. 

Também devem brigar pelas vagas com os brasileiros, atletas da Alemanha, Itália, Venezuela, Porto Rico, Canadá e Colômbia.

PLATAFORMA 10M MASCULINO SINCRONIZADO

Equipes já classificadas:
China
Grã-Bretanha
Rússia
Japão

A plataforma de 10m masculino é a prova sincronizada que o Brasil mais tem chances de conseguir uma vaga olímpica. Isaac Souza e Kawan Pereira foram bronze no Pan de Lima e finalistas do Mundial de 2019. Os brasileiros precisam correm por fora na disputa por Tóquio 2020, precisando fazer uma performance boa como a da final dos Jogos Pan-Americanos e contar com alguns tropeços dos adversários.

Os principais rivais da dupla do Brasil na prova são Ucrânia, Coreia do Sul, México, Estados Unidos, Canadá e Alemanha.

Nenhum comentário:

Postar um comentário