Confederação Brasileira de Badminton barra participação de atleta na busca por vaga olímpica - Surto Olímpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Pesquisar:

Últimas Notícias

Confederação Brasileira de Badminton barra participação de atleta na busca por vaga olímpica

Compartilhe

                          



A Confederação Brasileira de Badminton (CBBd) decidiu pela não liberação da atleta Jaqueline Lima para as disputas de competições internacionais. De acordo com a reportagem do jornalista Demétrio Vecchioli, do UOL; a atleta teria sido barrada pela comissão médica da entidade na disputa do campeonato pan-americano da modalidade, e consequentemente da vaga olímpica, pelo fato dela ter sido mãe recentemente.


Jaqueline engravidou em março do ano passado. Em novembro deste ano, a atleta deu a luz à sua filha, Lara Sophia, e quatro meses depois iniciou a sua volta aos treinos após liberação da entidade.


De acordo com a piauiense, a confederação não a avaliou, adequadamente, para a volta, ou não, às competições. Com isso, Jaqueline está sendo impedida de participar do torneio pan-americano na Guatemala e conquistar pontos importantes na busca da vaga para as competições de duplas femininas e mistas, em Tóquio.


Jaqueline foi medalhista de bronze no Jogos Olímpicos da Juventude em 2018. Além de ser considerada uma das principais promessas do esporte no cenário nacional.


Surte+ Levatamento de Peso deve aumentar período de classificação olímpica.


Na noite desta sexta-feira (2), a CBBd divulgou um comunicado oficial, esclarecendo os motivos da sua não liberação e ressaltando o seu compromisso na equidade entre gêneros.

Veja o comunicado, na íntegra, abaixo:


"A Confederação Brasileira de Badminton (CBBd), em respeito à comunidade do Badminton Brasil, vem a público esclarecer os fatos acerca do retorno imediato da atleta Jaqueline Lima aos torneios internacionais. 


A decisão de liberação de um (a) atleta para voltar às competições, pela Seleção Brasileira, cabe à Comissão Técnica e a área Médica da CBBd. A liberação do (a) atleta somente pela área Médica NÃO significa que o condicionamento físico e técnico do mesmo (a) está adequado para competir em alto nível, sendo esta definição de responsabilidade da Comissão Técnica. Por este motivo, as duas áreas, bem como as demais, trabalham juntas.


A respeito da atleta Jaqueline Lima, a entidade relata através desta nota que manteve contato com a atleta durante o seu período de inatividade e definiu a necessidade da mesma enviar um atestado médico liberando-a aos treinos, quando fosse o momento. 


No dia 28 de janeiro, Jaqueline Lima enviou mensagem à Comissão Técnica pontuando que estaria apta a retornar às atividades aeróbias leves, sendo previsto o retorno às quadras a partir de 3 a 4 meses, e no dia 26 de fevereiro, a atleta apresentou um atestado liberando-a para os treinos, com destaque para possíveis consequências (descritas em atestado).


A partir disso, a atleta foi liberada pela Comissão Técnica e área Médica para retorno gradativo aos treinos, desde março de 2021, após quase de um ano de inatividade.


O Campeonato Pan Americano de Badminton Individual 2021 será realizado na Guatemala em abril de 2021, portanto, para qualquer atleta confederado, se faz necessário um tempo mínimo de preparação para a participação em competição de alto rendimento, conforme análise da Comissão Técnica.


Desta forma, a CBBd reafirma o seu posicionamento quanto ao entendimento que a não participação da atleta Jaqueline Lima neste torneio é a opção mais adequada e segura, aproveitando para reiterar o quanto acredita no alto potencial da atleta e por isso conta com a participação de Jaqueline Lima na Seleção Brasileira visando futuras competições, quando a mesma estiver em nível adequado de competição.


A CBBd, no âmbito nacional do esporte, aproveita também para declarar que repudia veementemente toda e qualquer forma de preconceito, seja de gênero, raça, exclusão social, capacitismo, credo, e é justamente pelas lutas em prol da equidade que a entidade compreende que os mesmos direitos e deveres devem ser direcionados a todos os atletas, sejam estes femininos ou masculinos, praticantes de Badminton ou de Parabadminton."

 

Assessoria de Comunicação CBBd




Foto: Divulgação/Rededoesporte.gov.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário