Caster Semenya desabafa sobre não poder defender o ouro olímpico e planeja crescimento nos 5.000m - Surto Olímpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Pesquisar:

Últimas Notícias

Caster Semenya desabafa sobre não poder defender o ouro olímpico e planeja crescimento nos 5.000m

Compartilhe

Caster Semenya no Campeonato Mundial de atletismo em 2017


Caster Semenya, bicampeã olímpica nos 800 metros, não poderá ir em busca de manter seu título Olímpico em Tóquio devido aos regulamentos do Atletismo sobre hiperandrogenismo, segundo os quais atletas com testosterona superior a 5 nanomols por litro por um período contínuo de pelo menos seis meses não pode competir em provas entre 400 metros e uma milha (cerca de 1.600 metros) ou deve tomar medicamentos para isso. 

A sul-africana descartou a corrida de 200m e admite ao que verá sua prova, os 800m. "Sempre farei os 800m", diz Semenya, que tem seu melhor tempo de distância com 1:54.25. "Eu quero ver se essas garotas são capazes de correr nesses tempos. Elas estarão abaixo de 1:55? Vamos ver"

A sul-africana, que apelou desta regulamentação em fevereiro ao Tribunal Europeu de Direitos Humanos, e ainda aguarda uma resposta, está focada nos 5.000 metros, onde busca a marca para os Jogos de Tóquio. Em entrevista ao jornal The Guardian, a atleta admite que esse litígio: "está tirando minha alma. Eles querem que eu destrua meu próprio sistema. Não estou doente. Não preciso de drogas. Nunca farei isso".

Semenya sempre se recusou a tomar remédios para poder competir no que sempre foi sua prova, os 800 metros. Quanto ao presidente da World Athletics, Sebastian Coe, Caster diz que "a mensagem é muito simples. Como homem, você deve olhar sua [ex] esposa nos olhos e dizer: 'Eu lhe dei filhos. Se alguém estava tratando nossos filhos dessa maneira, qual seria a sua reação? Você precisa pensar como um ser humano, não como o presidente de uma organização. "

Recentemente, Semenya foi proclamada campeã nacional dos 5.000 metros, mas com o tempo de 15: 52:00, 42 segundos acima da marca olímpica exigida de 15:10. "Posso correr até os 40 e no momento sou rápida o suficiente para tentar melhorar", diz ela, antes de insistir que o próximo Mundial de Atletismo é uma meta realista para os 5.000 metros.

Meus altos níveis de testosterona são algo com que nasci, é um distúrbio. No entanto, isso não me torna o melhor. É aí que entram o treinamento e o conhecimento.

Semenya sempre argumentou que seu sucesso se deve ao trabalho. “Treinei como uma escrava para ser o melhor. Já vi o Usain Bolt treinar. O treino dele era uma loucura e o meu era o mesmo. Meus altos níveis de testosterona são algo com que nasci, é um distúrbio. Porém, não me torna a melhor. É aí que entram o treinamento e o conhecimento. "

Por isso, a sul-africana recorreu a todas as instâncias possíveis para defender a sua presença nas corridas dos 800 metros sem necessidade de medicamentos. "Os braços de Michael Phelps são largos o suficiente para que ele possa fazer o que quiser. Os pulmões dos nadadores são diferentes dos das outras pessoas. Jogadores de basquete como LeBron James são altos. Se todos os jogadores altos fossem proibidos de jogar, o basquete seria o mesmo? Usain tem incrível fibras musculares. Eles vão impedi-lo também? Meus órgãos podem ser diferentes e eu posso ter uma voz mais grossa, mas eu sou uma mulher. "

A bicampeã olímpica garante que seu legado permanece e que luta pelas 'Caster Semenyas' de amanhã, para quem não tem voz. “Eles estão matando o esporte. As pessoas querem ver performances extraordinárias e se eu fosse um líder, daria às pessoas o que elas querem. Sebastian Coe tem que agir no interesse de todos os atletas, mas agora ele quer nos 'categorizar'

Foto: Reuters

Nenhum comentário:

Postar um comentário