Seguradoras enfrentariam perdas gigantescas se os Jogos Olímpicos forem cancelados - Surto Olímpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Seguradoras enfrentariam perdas gigantescas se os Jogos Olímpicos forem cancelados

Compartilhe

 


De acordo com corretores, as seguradoras correm risco de terem um prejuízo de US$ 2 a 3 bilhões de dólares (entre R$ 10 bilhões a 16 bilhões e 200 mi na cotação atual), se as Olimpíadas de Tóquio fossem canceladas este ano, representando a maior reclamação já feita no mercado global de cancelamento de eventos.

Faltando menos de seis meses para o início dos Jogos, a competição estará no topo da agenda quando a diretoria executiva do Comitê Olímpico Internacional (COI) se reunir esta semana.

O órgão olímpico, que se reunirá remotamente, se encontra em situação semelhante à de março do ano passado, quando adiou os Jogos por 12 meses porque a pandemia do COVID-19 paralisou o esporte em todo o mundo.

Grande parte do Japão está agora em estado de emergência devido a uma terceira onda de infecções por COVID-19.

O COI e os organizadores japoneses têm afirmado que outro adiamento não é uma opção. Portanto, parece mais provável que os Jogos tenham de ser cancelados, em vez de adiados novamente, se eles não pudessem ir em frente em Tóquio neste verão.

As seguradoras de cancelamento de eventos tiveram um ano difícil como resultado da pandemia, com festivais, conferências e eventos esportivos adiados ou cancelados em todo o mundo. A corretora Howden estima as perdas por cancelamento de eventos COVID-19 em US$ 5 a 6 bilhões de dólares (R$ 27 a 32 bilhões de reais), mas o cancelamento das Olimpíadas “seria de longe o maior. Incrivelmente ”, disse Simon Henderson, diretor executivo da corretora Gallagher.

“As Olimpíadas são uma Copa do Mundo, é um torneio de tênis, é um torneio de atletismo. É nadar, tudo em um - definitivamente uma grande dor de cabeça. ”

Analistas da Jefferies estimam que as Olimpíadas de Tóquio têm um seguro de cerca de US$ 2 bilhões (R$ 10,8 bilhões de reais), mais US$ 600 milhões (R$ 3 bilhões e 240 mi de reais) para hospitalidade.

O COI tira cerca de US$ 800 milhões (R$ 4 bilhões e 320 mi de reais) em proteção para cada Jogos de Verão, o que cobre a maior parte do investimento de cerca de US$ 1 bilhão (R$ 5,4 bilhões de reais) feito em cada cidade-sede.

Além disso, o comitê organizador local em Tóquio terá feito outra apólice, estimada em cerca de US$ 650 milhões (R$ 3,5 bilhões de reais), enquanto as emissoras também têm seguro de grandes somas.

“Redes de TV, patrocinadores, equipes esportivas profissionais, artistas e outras organizações poderiam ter políticas de cancelamento de eventos protegendo seus interesses nas Olimpíadas”, disse Leigh Ann Rossi, diretor de operações da corretora NFP Sports and Entertainment Group.

Essas apólices foram compradas com anos de antecedência e, portanto, provavelmente cobririam o cancelamento devido a doenças infecciosas. As políticas de cancelamento de eventos assinadas no ano passado excluem essa cobertura aqui. Muitas das organizações envolvidas nas Olimpíadas teriam sido capazes de reivindicar alguns custos como resultado do adiamento do ano passado, por questões como a contratação de locais ou a reimpressão de folhetos de marketing.

Tim Thornhill, diretor da corretora Tysers, disse que não havia “regra prática” sobre quanto do valor total segurado de um evento poderia ser reivindicado na seção de adiamento de uma política de cancelamento de evento.

Mas os corretores esperam que quaisquer pagamentos feitos no ano passado para adiamento sejam menores do que quaisquer pagamentos de cancelamento neste ano.

As seguradoras do Lloyd's de Londres estão entre as ativas no mercado de cancelamento de eventos, juntamente com seguradoras internacionais e resseguradoras globais como Munich Re e Swiss Re.

A Munich Re tem uma exposição de US$ 500 milhões (R$ 2 bilhões e 700 mi de reais) aos Jogos Olímpicos de Tóquio, disse uma fonte à Reuters. A Munich Re não quis comentar.

A Swiss Re tem uma exposição de US$ 250 milhões (R$ 1 bilhão e 350 mi de reais), disse seu diretor financeiro, John Dacey, a analistas no ano passado.

Por outro lado, a seguradora alemã Allianz assinou um contrato de seguro de oito anos com o COI que entrou em vigor no início deste mês, cobrindo os Jogos de Inverno e de Verão, incluindo os Jogos de Verão em Paris em 2024 e Los Angeles em 2028.

Dada a antecedência em que as políticas das Olimpíadas são assinadas, Paris também terá cobertura para adiamento ou cancelamento devido a doenças infecciosas, disseram os corretores.

Foto: Issei Kato

Nenhum comentário:

Postar um comentário