Levantador de pesos campeão olímpico no Rio 2016 é acusado de doping - Surto Olímpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Levantador de pesos campeão olímpico no Rio 2016 é acusado de doping

Compartilhe


 Nijat Rahimov, medalhista de ouro nos Jogos Olímpicos Rio 2016, é um dos dois primeiros levantadores de peso a ser acusado de delito de doping por suposta troca de amostras de urina. As alegadas infrações ocorreram "durante um período de tempo em 2016", de acordo com a Agência Internacional de Testes (ITA), o órgão que apresentou a acusação.

Com base em evidências da Agência Mundial Antidoping (WADA) e em suas próprias conclusões, o ITA também acusou Dumitru Captari da Romênia - que competiu ao lado de Rahimov no evento com menos de 77 kg no Rio de Janeiro - de trocar sua amostra de urina.

Ambos estão provisoriamente suspensos após serem acusados ​​de acordo com o artigo 2.2 da política antidoping da federação Internacional de Halterofilismo (IWF). Caso considerado culpado, a medalha de ouro olímpica de Rahimov deve ser retirada dele pelo Comitê Olímpico Internacional (COI).

Rahimov cumpriu uma suspensão de dois anos por doping em 2013 quando ainda atuava pelo Azerbaijão, e causou uma grande repercussão quando voltou da suspensão ao quebrar um recorde mundial de 15 anos já pelo Cazaquistão ao bater o favorito chinês Lyu Xiaojun no Rio. Tamanho feito fez o medalhista de bronze, o egípcio Mohamed Ihab, questionar imediatamente o desempenho de Rahimov e disse: "Em muito pouco tempo não pode acontecer assim."

Cazaquistão e seu histórico de doping


O caso do Cazaquistão com doping já não causa novidades ao longo da última década. Zulfiya Chinshanlo - uma das favoritas para ir aos Jogos em Tóquio -, perdeu sua medalha de ouro olímpica na mesma modalidade nos Jogos de Londres em 2012. Por conta disso, o país esteve proibido de disputar as Olimpíadas no Rio de Janeiro, mas devido aos atrasos nos procedimentos para lidar com os resultados positivos de dopagem do novo teste do COI de amostras de Londres houve permissão.

Como o foco no doping no levantamento de peso, especialmente do COI, tem se intensificado, houve uma queda notável no desempenho de alguns levantadores. As duas "falhas" mais notáveis ​​durante o período de classificação para os Jogos Olímpicos de Tóquio foram justamente do Cazaquistão.

Nijat Rahimov e do agora aposentado Ilya Ilyin - que perdeu duas medalhas de ouro olímpicas conquistadas em Pequim e Londres após amostras positivas nos testes do COI. Ilyin nunca chegou a 70kg do seu melhor resultado total pré-suspensão.

Por outro lado, Rahimov subiu de peso, mas registrou um total que está 35kg abaixo de sua marca de vitórias de 379kg no Rio, tendo 17 levantadores à sua frente no ranking olímpico até 81kg que levantaram mais.

O Comitê Olímpico do Cazaquistão anunciou ontem a notícia de um campo de treinamento em Almaty para 18 levantadores de peso do Cazaquistão e nomeou Rahimov como o número um em sua lista. Por causa de seu histórico de doping, o Cazaquistão pode enviar apenas dois levantadores para Tóquio em 2020, um homem e uma mulher.

O ITA também anunciou que pretende processar o medalhista de bronze dos Jogos em Londres, Siripuch Gulnoi, da Tailândia, por "uso de substância proibida ao longo de sua carreira" - outro caso que interessa ao COI. 

Gulnoi foi secretamente gravada por uma equipe secreta da emissora alemã ARD, que divulgou uma denúncia de corrupção no levantamento de peso em janeiro de 2020. Na entrevista, Gulnoi disse que garotas de apenas 13 anos foram encorajadas a usar drogas na Tailândia e brincou que ela era "a única levantadora de peso tailandesa que nunca teve teste positivo".

O romeno Dumitru Captari que não conseguiu registrar um total no Rio, foi suspenso por dois anos por causa de um positivo para efedrina em janeiro de 2018. A Romênia teve tantos resultados positivos de dopagem nos testes do COI e no atual período de classificação olímpica que enfrenta uma possível exclusão de Tóquio sob duas regras diferentes.

O comunicado do ITA

O ITA agora realiza todos os procedimentos antidopagem para a IWF e está contratada para fazê-lo até pelo menos 2024. Em um comunicado, disse que estava investigando 146 arquivos após revelações no relatório da McLaren sobre corrupção no levantamento de peso, publicado em junho passado. Significativamente, também disse que as acusações poderiam ser feitas tanto contra oficiais quanto contra atletas.

"Seguindo o relatório da McLaren sobre a IWF que foi desencadeado pelo documentário da ARD, um grande número de casos não processados ​​de violações das regras antidoping foi descoberto e entregue ao ITA para investigação. A revisão desses 146 arquivos descobertos na sequência do relatório da McLaren está progredindo e o ITA deve ser capaz de concluí-la e resolver as questões pendentes na primavera de 2021. 

A IWF começou a delegar grandes partes de seu programa antidopagem ao ITA no início de 2019. Em setembro de 2019, o ITA recebeu competência total para gerenciar de forma independente o programa antidopagem da IWF, incluindo gestão de resultados e investigação de potenciais violações das regras antidopagem."

As acusações de troca de urina seguem a primeira liberação, em outubro passado, de informações da investigação em andamento da "Operação Arrow" pelo departamento de inteligência e investigações da WADA.

"O ITA está conduzindo investigações adicionais com base no relatório da McLaren, nas informações fornecidas pela WADA e em outras informações coletadas pelo próprio ITA com o objetivo de apresentar qualquer violação das regras antidoping contra atletas e oficiais envolvidos no esporte de levantamento de peso. Dada a sensibilidade das investigações atuais, o ITA não fará mais comentários durante os procedimentos em andamento e emitirá atualizações regulares de status."

Fotos: Goh Chai Hin/AFP e Divulgação

Nenhum comentário:

Postar um comentário