Handebol encerra participação brasileira na Missão Europa em 2020 - Surto Olímpico

Anúncio

Anúncio
Se inscreva em nosso canal!

Handebol encerra participação brasileira na Missão Europa em 2020

Compartilhe




A Missão Europa se despedirá de 2020 com mais uma nova modalidade em ação. A Seleção Brasileira masculina de handebol embarca para Portugal no dia 27, onde realizará a preparação final para o Campeonato Mundial do Egito. Ao longo dos últimos cinco meses, a iniciativa do Comitê Olímpico do Brasil (COB) disponibilizou a atletas e equipes nacionais uma estrutura de ponta para que pudessem retomar seus treinamentos visando os Jogos Olímpicos de Tóquio, que acontecem entre os dias 23 de julho e 8 de agosto de 2021. 


“A Missão Europa significou para o COB a possibilidade de oferecer uma estrutura de treinamento segura aos atletas brasileiros em um cenário de pandemia. O balanço é extremamente positivo, tanto para nós quanto para os atletas, que ficaram muito satisfeitos com o atendimento que tiveram”, diz o vice-presidente do COB, Marco La Porta. 


Com apoio irrestrito do Comitê Olímpico de Portugal (COP) e autorização do governo local para entrada no país, além do cumprimento de diversos protocolos sanitários que previnam a contaminação da Covid-19, o COB enviou mais de 400 pessoas, sendo 238 atletas e 114 oficiais de 24 modalidades esportivas, ao continente europeu


A maioria ficou baseada no Rio Maior Sports Centre, um dos principais centros de treinamento de alto rendimento do mundo, casos do campeão olímpico Thiago Braz, do salto com vara, e da campeã mundial Ana Marcela Cunha, das maratonas aquáticas. Mas houve também quem treinasse em outras cidades portuguesas (Coimbra, Cascais, Funchal, Lisboa, Sangalhos, Vila Nova de Gaia e Vilamoura) e até em outros países (Eslovênia, Espanha, França, República Tcheca e Sérvia), num total de 13 bases. 


“O projeto foi elaborado de modo que todo atleta que viajasse à Europa tivesse um planejamento subsequente. Então, nenhuma equipe foi treinar sem ter competições programadas na sequência ou em condições de treino adequadas no Brasil”, explica La Porta. 

A seleção de judô, por exemplo, após dois meses de treinos em Coimbra, já disputou o Grand Slam de Budapeste (Hungria), o campeonato pan-americano em Guadalajara (México) e realizou treinamentos de campo em Pindamonhangaba (SP). Já a equipe de triatlo participou do Mundial de Hamburgo (Alemanha) e das etapas da Copa do Mundo de Karlovy Vary (República Tcheca) e Valência (Espanha).  


No próximo ano, com a realização de Pré-Olímpicos e a contagem regressiva para os Jogos, o Time Brasil inicia o último período de preparação para Tóquio 2020. E uma volta a Portugal não está descartada. 


“2020 foi um ano muito desafiador para o COB, em que tivemos que reestruturar nosso planejamento esportivo com muita rapidez para continuarmos dando o melhor suporte possível aos atletas brasileiros. Continuaremos colocando nossas ações esportivas em prática e tenho certeza de que o Brasil tem totais condições de alcançar excelentes resultados nos Jogos Olímpicos, que serão sensacionais”, afirmou Jorge Bichara, diretor de Esportes do COB, lembrando que houve um aumento de oito para 12 Missões Internacionais que o COB enviará delegações no próximo ciclo olímpico.


Resgate do emocional dos atletas 


Além dos aspectos físico e técnico, a Missão Europa também se mostrou uma excelente alternativa para recuperar o lado psicológico dos atletas. Graças a esta ação, todos se sentiram confiantes e motivados a iniciar um novo ciclo de preparação para os Jogos Olímpicos. 


“Eles relembraram a sensação de viajar e, depois, a de treinar novamente em alta performance, numa estrutura que possibilita a evolução e o resgate da identidade de atleta. Todos ficaram muito agradecidos pela oportunidade e emocionalmente muito seguros”, observa a psicóloga do COB, Carla Di Pierro, que acompanhou a rotina do Time Brasil em Portugal nos meses de agosto e setembro, identificando necessidades individuais e desenvolvendo tarefas específicas de preparação mental. “Ir para outro país e poder conviver com outros atletas é muito benéfico. Eles compartilharam momentos juntos, mesmo sendo de modalidades diferentes. Vários deles se tornaram amigos e desenvolveram uma parceria forte”, complementa. 


Protocolos em meio à pandemia 


O COB chegou a Rio Maior, principal base do Time Brasil na Europa, com um protocolo muito bem definido. Atletas e oficiais realizaram o teste PCR a 72 horas do embarque e, na chegada a Portugal, passaram por nova bateria de exames: PCR e sorologia. Até a divulgação dos resultados negativos, todos permaneceram isolados em seus quartos no hotel do CT. 


A liberação dos atletas para as sessões de treinamentos só ocorreu após avaliações médicas, que incluíram anamnese, exame físico e eletrocardiograma de repouso. Além disso, houve atenção especial quanto ao controle da carga de treinos, tendo em vista que a maior parte dos atletas sofreu com a inatividade por até quatro meses. Estes cuidados com a saúde dos profissionais que integram a Missão Europa serviram como aprendizado para o objetivo maior: os Jogos Olímpicos de Tóquio. 


“Foi muito bom executar um protocolo antes de Tóquio. Isso nos trouxe ainda mais conhecimento. Acredito que a Missão Europa tem possibilitado uma adaptação dos atletas aos protocolos. Eles já identificam quais são os protocolos, tomam consciência sobre a importância de segui-los e sabem que estarão sempre sendo testados”, explica Ana Carolina Côrte.


Foto: COB/Wander Roberto

Nenhum comentário:

Postar um comentário